O Temor aos Espíritos

Uma das coisas que mais me aterrorizavam nos dias de minha infância, eram os relatos vívidos que ouvia, de vez em quando, sobre aparições de espíritos, encontros misteriosos, manifestação de fantasmas e uma série de outros fenômenos de caráter desusado e sobrenatural. A verdade é, sem dúvida, que não somente as crianças, ante às quais se comete o erro de mencionar tais cenas. os que vivem angustiados, mas milhares de adultos experimentam também temores com respeito à ação dos espíritos que têm, segundo eles a faculdade de atuar em benefício ou detrimento dos seres humanos.

E estas angústias não são apenas patrimônio de certo tipo de pessoas de baixo nível cultural, propensas a superstições, mas também podem ser observadas em gente de maior educação, céticos por natureza e parcos para aceitar qualquer coisa que não se possa explicar de forma lógica e convincente.

Precisamente o que tem submergido muitos na incerteza, com respeito à atividade dos espíritos, infundindo-lhes medo, é a militância no espiritismo e a participação em suas sessões e práticas.

Por isso, convém que falemos um pouco sobre o despertar do espiritismo moderno. Na realidade a história do espiritismo, nas suas formas antigas, data dos próprios albores da humanidade. Os livros do Antigo Testamento contém reiteradas alusões aos cultores destas práticas, aos quais denominam de agoureiros, forjadores de encantamentos, sortílegos, feiticeiros, magos, adivinhadores, os que consultam a píton, os que consultam aos mortos etc.

O Despertar do Espiritismo Moderno

Sem dúvida, a etapa moderna da milenária história do espiritismo teve início, praticamente no ano de 1848 na América do Norte, na povoação de Hydesville, Estado de Nova York. A família foz, que acabava de se instalar numa casada vizinhança, começou a ser molestada por ruídos misteriosos e estranhos logo desde as primeiras noites. Embora a princípio tivessem procurado explicação para esses ruídos ficou evidente que eram produzidos por um poder extra-humano e sobrenatural.

Certa noite, uma das filhas da família disse algo assim: “Mandinga, faz como eu faço”. Para assombro seu os ruídos começaram a responder de maneira aparentemente inteligível. As duas senhoritas, que a princípio se assustaram pelo fenômeno extraordinário, logo se transformaram em médiuns.

O intercâmbio de mensagens com os espíritos continuou sendo cultivado e aperfeiçoado, até que por esse meio, um dia foi recebida a informação de que uma pessoa morta há anos atrás, se achava enterrada em certo lugar da casa. A investigação comprovou a veracidade dessa mensagem.

Com base nestas experiências, evidentemente bem sucedidas, cuja notícia cruzou o continente em várias direções com desusada rapidez, despertou-se grande interesse no trato com os espíritos, e o espiritismo começou a ser praticado em todos os âmbitos tanto do Novo Mundo, como da velha Europa. Desta maneira, as estatísticas indicavam que em 1892 só na América do Norte o espiritismo tinha onze milhões de adeptos, que abrigavam a ilusão de poder comunicar-se com seus mortos e receber grandes benefícios por meio destas práticas misteriosas. Em 1912 existiam nada menos que dez mil médiuns e grande número de propagandistas.

Há Alguma Coisa de Sobrenatural no Espiritismo?

Há realmente algo de sobrenatural no espiritismo, ou se trata de meros subterfúgios e de arte de prestidigitação enganosa? Respondemos dizendo que não se pode negar o caráter sobrenatural de grande parte dos fenômenos espiritistas, e que a própria Ciência não está hoje em condições de desvirtuá-lo, não obstante o ceticismo de muitos, até ao ponto de existirem centenas de investigadores científicos e homens eminentes no campo da medicina, das ciências físico-químicas, da biologia, da astronomia, da filosofia, que não somente aceitam o espiritismo como real, mas que tem tal convicção a respeito, que são induzidos a praticá-lo.

Embora exista alguma coisa de artificioso e de prestidigitação, ninguém pode ignorar o fato de que nas autênticas sessões espiritistas intervém verdadeiros espíritos, seres de natureza extraterrena e sobre-humana que realizam fatos verdadeiramente assombrosos. Estes fenômenos assumem diferentes modalidades, golpes na parede, ranger de correntes, pequenos objetos que flutuam no ar no recinto onde se realiza a sessão, móveis pesados que se deslocam, mudam de lugar e são as vezes trasladados para fora sem intervenção humana, instrumentos musicais tocados por mãos misteriosas e invisíveis, mensagens escritas com a letra do morto etc. As vezes as chapas fotográficas ficam impressas com os difusos contornos dos espíritos. Em ocasiões são vozes estranhas que se fazem ouvir e que pretendem pertencer ao morto, cujo espírito se invoca. De vez em quando se recebe alguma mensagem bem definida e concreta, referente a algum segredo da vida do falecido. E até se dá o caso de se manisfestar em algumas ocasiões uma espécie de materialização do espírito, pela emanação de uma estranha substância chamada matéria astral, que sai do médium e assume a forma do morto.

Algumas universidades européias estabeleceram cátedras para o estudo e a investigação destes fenômenos do ocultismo e de outras disciplinas mais ou menos semelhantes, às quais se dão diversos nomes, como magnetismo, hipnotismo, telepatia etc. As duas grandes guerras do século passado aumentaram mutíssimo o interesse popular por estes problemas, e produziram verdadeira efervescência de interesse em torno do espiritismo.

Um dos mais altos dirigentes desta ideologia afirmou que atualmente se realizam nada menos de dez mil sessões espiritistas particulares em diversos lares de uma só nação do mundo: Inglaterra. Em nossos países latino-americanos podem observar-se centros espiritistas em quase todo bairro das cidades mais importantes, e se realiza intensa e constante propaganda, inteligentemente planejada para impressionar tanto religiosos como livres pensadores. Pelas ruas, abundam grandes letreiros com legendas como estas:O espiritismo matou o materialismo com fatos”; “O espiritismo é uma ciência que conduz a Deus” etc.

Em sua forma ultra moderna, o espiritismo invadiu os círculos científicos e universitários com o nome de parapsicologia, disciplina que intenta estudar como processos científicos os fenômenos da mediunidade e clarividência, e a múltiple atividade dos espíritos entre os vivos.

Por outro lado, o espiritismo está colocando ênfase crescente na cura de enfermos, atribuindo virtude curadora aos espíritos. Tornou-se também muito ativo no desenvolvimento de um movimento educacional para ganhar a juventude. Por último, está-se generalizando um novo tipo de clarividência que leva sua ação da sala obscura à plataforma pública, onde se realizam episódios realmente estranhos e inexplicáveis, ante grandes multidões em plena luz do dia.

Descrevendo uma destas demonstrações públicas de clarividência realizada, realizada na cidade de Londres, e explicando de passagem como o espiritismo moderno se está revestindo de uma capa de cristisnismo para captar o interesse dos religiosos, o Sr. Elman J.Folkenberg, clérigo que então exercia seu ministério na capital inglesa, relatou na revista Ministry o interessante caso:

“Asreuniões que o Sr. José Benjamim – um dirigente espírita – realiza duas vezes por semana são características desta nova e agressiva campanha. Apesar da entrada que se cobra de um xelim, acodem grandes multidões. Por espaço de uma hora e meia o Sr. Benjamim percorre a plataforma, causando a impressão de manter o auditório na palma da mão. Suas demostrações de mensagens físicas são salpicadas liberalmente de numerosas citações bíblicas, muitas das quais habilmente isoladas de seu contexto e usadas equivocadamente com estranha afetividade.

“Certo dia – continua relatando o pastor Folkenberg – quando ia a caminho de uma das reuniões do Sr.Benjamim, desci a uma estação subterrânea próxima do auditório onde se realizava a reunião. Acercou-se de mim um agradável casal perguntando pelo Forester´s Hall. Depois de dizer-lhes que eu também estava à sua procura, seguimos juntos. Meus novos amigos me disseram que era a primeira vez que iam a uma reunião dessa espécie…Por casualidade encontramos três lugares juntos.

“Após o serviço de canto, seguiu-se um serviço devocional de dez minutos…Depois de cantar outro hino, o conferencista iniciou uma das apresentações mais assombrosas que já presenciei. Em meio de suas mensagens, supostamente procedentes de espíritos dirigentes do outro mundo, deteve-se e disse: “Entre as numerosas pessoas que vieram pela primeira vez a este lugar, encontra-se um cavalheiro e uma dama que chegaram da cidade de Cabo, Sul da Africa, em 6 de abril”. Voltando-se repentinamente para nós, apontou diretamente para a última fila, onde estávamos assentados, e prosseguiu: “Vou dizer o nome agora… N___…sim, o Sr.N___ e sua esposa”, e apontou para os novos amigos a quem eu encontrara na estação do subterrâneo. Os rostos destas pessoas revelaram profundo assombro. “Faz menos de seis semanas – continuou o orador – a querida irmã da Sra.N___faleceu e cruzou para o outro mundo” E sem a menor vacilação acrescentou: “Pelo correio desta manhã ela recebeu um grande envelope aéreo, com uma carta e uma fotografia de sua irmã desaparecida” Fazendo uma pausa anunciou: “Essa fotografia foi tirada na praia da cidade de Cabo dois dias antes de sua morte, ocorrida num acidente automobilístico. E mais – disse com decisão – a Sra.N___tem consigo a fotografia no compartimento direito de sua carteira de cor castanha”

“Com mão tremente, a Sra.N___tirou a fotografia da carteira, bem como a carta que lhe havia chegado naquela manhã. “E – perguntou o orador – como sei eu tudo isto? Porque sua irmã está de pé ao meu lado neste instante!”

Era certo que o espírito dessa senhora se achava junto do conferencista que revelava aqueles dados tão precisos, sem que nenhuma pessoa humana lhos tivesse revelado? E se tal não fora o caso, como podia ser tão específico e tão exato na apresentação dos mesmos? Breve tornaremos a este ponto e daremos a resposta a ambas as perguntas.

Primeiro, elucidemos esta outra interrogante:

É o Espiritismo Cristão? Há harmonia entre o Espiritismo e a Bíblia?

Na sua forma mais recente, o espiritismo pretende terestreita vinculação com o cristianismo. Reveste-se de uma capa religiosa cristã, e em seus centros, organizados as vezes com o nome de “escolas”, invoca-se reiteradamente a Cristo e citam-se passagens da Escritura, de maneira que mesmo alguns dos dirigentes religiosos ficam perplexos diante deste avanço e até se interrogam se afinal o espiritismo não é um aliado da religião de Cristo, porquanto dá evidência de que o homem sobrevive à morte. Achamo-nos pois no direito de estabelecer de forma clara e incontrovertível a verdade de que o espiritismo se acha em franca contradição com os princípios fundamentais do cristianismo, conforme passaremos a demonstrar, valendo-nos das Sagradas Escrituras, o grande livro inspirado, sendo portanto a única autoridade suficiente no assunto.

Primeiro: A imortalidade da alma e sua sobrevivência após a morte antes da hora da ressurreição, doutrina básica do espiritismo, ensinada com tanto fervor porseus dirigentes, é um postulado totalmente antibíblico e se baseia na primeira mentira de que temos registro, pronunciada por Satanás nos primeiros dias da história humana, no jardim do Éden. De fato, quando o pai da mentira – nome que as Escrituras dão a Satanás – apareceu na Terra para perturbar os planos de paz, perfeição e harmonia que Deus tinha para nossa humanidade, apresentou-se a nossos primeiros pais astutamente encarnado numa formosa e sedutora serpente, que utilizou como médium. “Do fruto da árvore que está no meio do jardim, – havia declarado o criador ao primeiro par – … Dele não comereis, nem tocareis nele, paraque não morrais. Então a serpente disse à mulher:” – continua o relato inspirado – “É certo que não morrereis” (Gênesis 3:3 e 4). Segundo Apocalipse 12:9 essa serpente é Satanás.

Lamentavelmente, esse primeiro engano – “Não morrereis” – tem servido de base a uma série de sistemas espiritualistas e religiosos, que postulam a sobrevivência dos mortos.

No capítulo anterior explicamos e documentamos biblicamente os seguintes fatos:

1) Que não existe uma entidade imaterial, imortal, chamada alma, que se desprende do corpo por ocasião da morte, para continuar vivendo.

2) Que o ser humano é formado de dois fatores: a) o corpo, ou substância material; b) o espírito, ou fôlego, alento ou sopro de vida procedente de Deus.

3) Que a alma vivente não é outra coisa senão o ser vivo, resultado da união do sopro divino com o corpo humano antes inerte.

4) Que em nenhuma parte das escrituras é atribuída imortalidade à alma ou ao espírito. Antes pelo contrário, afirma-se que “a alma que pecar, essa morrerá”.

5) Que quando ocorre a morte, o espírito ou sopro de vida volta para Deus, Fonte originária da energia vital, ao passo que o corpo se decompõe e se converte em pó.

6) Que portanto, a situação do além-túmulo é de absoluta inconsciência: “Os mortos nada sabem…não tem eles parte alguma do que se faz debaixo do sol” (Ecles 9:5-6).

7) Que essa inconsciência perdurará até o dia da ressurreição que, além dos frios portais da tumba, permitirá aos seres preparados entrarem no eterno e glorioso reino de Cristo, ao passo que os não preparados, ressuscitarão para a destruição eterna.

De maneira que em sua primeira e fundamental doutrina, o espiritismo contradiz um ensinamento básico da revelação divina, pois que se fundamenta na primeira grande mentira de satanás.

Segundo: A mesma filosofia do espiritismo, colocada sob os raios do poderoso refletor espiritual das Sagradas Escrituras, acha-se de todo em contradição ao cristianismo. Ao passo que o espiritismo ensina que o homem se salvará infalivelmente por um processo mais ou menos extenso de sofrimento em virtude da transmigração do espírito pela reencarnação, a Bíblia declara da maneira mais categórica, que os esforços humanos não bastam para chegar a Deus, após ter violado Suas santas leis; que a única forma de obter a salvação e a imortalidade é aceitando, pela fé, a Jesus Cristo como Filho de deus humanizado, como o Salvador da humanidade e da alma em particular.

Tereceiro: Segundo a Bíblia a reencarnação não existe. Ésó uma teoria enganosa destinada a desviar a humanidade da única senda que conduz à felicidade eterna. O apóstolo Paulo afirma em termos precisos que “aos homens está ordenado morrerem uma só vez e, depois disto, o juízo” (Hebreus 9:27). O tribunal de Deus decidirá, num dia por ele estabelecido (Atos 17:31), a sorte eterna que tocará a cada pessoa depois da morte, no dia da ressurreição.

Devido às bases sobre as quais repousa o espiritismo, tanto nas formas antigas como modernas, serem totalmente opostas aos grandes princípios do cristianismo, nas Sagradas Escrituras acham-se declarações que condenam severamente todo este tipo de práticas. Por exemplo no livro de levítico o Criador deixou registrada a seguinte ordem direta: “Não vos voltarei para os necromantes, nem para os adivinhos; não os procureis para serdes contaminados por eles Eu sou o Senhor vosso Deus” (Levítico 19:31).

Em outra passagem é confirmado e reforçado este estado de coisas nas seguintes palavras: “Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor” (Deut 18:10-12). É de se notar que esta passagem apresenta extensa lista de personagens que, embora através dos tempos tenham recebido diversos nomes, possuíam todos o mesmo ofício: comunicação com os espíritos que se supunha serem dos mortos. E é assegurado que o participar destas atividades “é abominação ao Senhor”.

Por certo é natural o anelo do homem de indagar o que se refere à vida além-túmulo, de desvendar o véu que oculta o porvir, porém eis aqui o conselho que a propósito, nos dá Deus em Sua Palavra: “Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os adivinhos, que chilreiam e murmuram, acaso não consultará o povo ao seu deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos?” (Isaías 8:19)

Não há dúvida que o homem tem um meio muito mais recomendável e infinitamente mais eficaz do que o espiritismo e a suposta comunicação com os mortos, para conhecera verdade referente ao além e para encontrar consolo nas tribulações e alívio nas dores. Na Palavra de deus, que tem o selo de uma autoridade soberana, acham-se esclarescidos todos os mistérios referentes ao futuro da vida humana e resolvidos todos os problemas que nos oprimem o coração. Recorrendo com devoção e reverência a suas páginas, veremos todas as nossas dúvidas dissipadas, adquirindo sentimento de confiança e firmeza.

Por outro lado, podemos pôr-nos em contato direto com o Deus infinito por meio da prece e oração sincera e dizer-lhe: “Pai nosso que estás nos Céus”, confiando-lhe todos os nossos problemas, solicitando conselho, consolo, ajuda e força para toda emergência da vida.

A toda a alma que anela a imortalidade e o aperfeiçoamento de seu ser e que tem buscado estes bens na vã esperança da reencarnação, indicaremos as áureas portas abertas, de par em par, que dão acesso ao único caminho que conduz a vida perpétua, à salvação eterna e a felicidade perfeita, neste mundo e no vindouro, a saber, Jesus Cristo. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira” – Expressou S.João – “que deu o Seu filho unigênito, para que todo o que nÊle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16). Aceitando pela fé ao Senhor Jesus, entregando-lhe a vida e o coração, dispondo-nos a seguir seus preceitos, abrigamo-nos à misericordiosa provisão divina que nos outorga a ventura e a imortalidade.

Quem são os espíritos do Espiritismo?

Sendo assim, o contato com os espíritos, que nestes dois últimos séculos tem sido denominado espiritismo, constitui uma doutrina e um procedimento sumamente antigos. Nos livros do Antigo Testamento, conforme já explicamos, achamos frequente menção de práticas espiritistas, realizadas por feiticeiros, pitonisas, cultores da necromância, agoureiros, sortílegos etc. Nos grandes impérios da antiguidade existia todo um extenso séquito de praticantes destas artes que, sustentados pelos monarcas absolutistas, eram conselheiros dos reis e seus arúspices. A base dos célebres oráculos gregos nada mais era que este trato com os espíritos.

Porém antecipamos já a próxima impaciente pergunta do leitor: Se não há dúvida alguma de que nestas atividades se está em contato com poderes sobrenaturais e com espíritos e forças extra-humanas e estraterrenas capazes de manifestações surpreendentes, e se estes espíritos, segundo os claros ensinos das escrituras, não pertencem aos mortos, pois estes jazem na inconsciência e não podem comunicar-se com o mundo dos vivos, então quem são esses espíritos? Qual é sua história? Qual sua missão? Onde habitam?

Não há dúvida alguma de que são potências espirituais as que fazem sua aparição e manifestam seu poder nas sessões espíritas. O que desejamos saber de forma inequívoca é quem são esses espíritos do espiritismo. Este afirma que são espíritos desencarnados de mortos, que afluem por convite especial ou invocação do médium.

Ao abordaresta importante pergunta, de novo temos que reconhecer que nenhuma autoridade humana está em condição de nos elucidar este problema, porque é um assunto que foge completamente ao conhecimento e investigação do homem. O que nos digam os mais destacados autores, os mais célebres teólogos, os mais conspícuos dirigentes do espiritualismo, tem só o valor de uma mera opinião humana. Unicamente as sagradas escrituras, que contém a revelação da vontade divina, e cuja superior inspiração é um fato assentado, podem com verdadeira autoridade responder a esta interrogante e nos dar a satisfação de haver encontrado a solução final desta sutil e debatida questão.

Precisamente sobre este assunto das relações com os espíritos, bem como sobre a condição do homem no além-túmulo, as escrituras contém inumeráveis referências de total clareza. Por exemplo, e conforme demonstramos no estudo anterior, em nenhuma parte da Bíblia se fala da alma ou do espírito como de algo imortal ou eterno, mas pelo contrário, emvárias passagens é mencionada a morte da alma.(Ezeq. 18:4, Mat 19:28, Jó 36:14). Em outras palavras, o homem é por natureza mortal, e a imortalidade somente pode ser recebida oportunamente e como resultado da aceitação do Evangelho de Cristo, cujo podertransforma o coração e dá ao ser humano a vida eterna. “Porque o salário do pecado é a morte” – disse o apóstolo Paulo – “Mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor” (Rom 6:23)

Por outro lado, a palavra de Deus, longe de ensinar que a alma é uma entidade imaterial, eterna e indestrutível, pela qual a pessoa prossegue vivendo, pensando e sentindo depois da morte, estabelece da maneira mais categórica que, depois da morte, o ser humano permanece submerso numa absoluta inconsciência, semelhante à do sono tranquilo e profundo. (João 11:11, Ecles 9:5-6, Salmo 146:4).

Assim sendo, se pela revelação divina sabemos que “os mortos não sabem coisa nenhuma, porque a sua memória jaz no esquecimento…Para sempre não têm eles parte em coisa alguma do que se faz debaixo do sol” (Ecles 9:5-6). Se Deus mesmo afirma na Sua Palavra que “nesse mesmo dia perecem todos os seus desígnios” (salmo 146:4), torna-se evidente que a afirmação de que as potências que se manifestam nas sessões espiritistas são os espíritos dos seres humanos mortos, é totalmente falsa e enganosa. A doutrina espiritista baseia-se na primeira mentira pronunciada no nosso planeta, quando a serpente disse a Eva: “Não morrereis”, em contraposição ao que Deus havia dito ao primeiro par: “No dia em que dela comeres, certamente morrerás”(Gen 3:4; 2:17). Fica demonstrado, pois, pela autoridade divina da Palavra de Deus, que os espíritos do espiritismo não são, nem podem ser os espíritos dos mortos.

Se não nos achamos em presença dos espíritos dos mortos, quem são estes poderes sobre-humanos com capacidade de manifestar-se de maneira extraordinária e milagrosa?

História de uma Grande Batalha

Pararesponder a esta pergunta temos que nos remontar aos acontecimentos relacionados com uma grande batalha ocorrida no Céu, mencionada no capítulo 12 de apocalipse, escrito por S.Jão, o revelador: “Houve peleja no Céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra e, com ele, os seus anjos” (Apoc 12:7-9).

Dois são os personagens principais desta espetacular batalha: de um lado Miguel, ou seja Jesus, o chefe supremo das hostes angélicas fiéis, e de outro lado o dragão, que capitania certo número de anjos adeptos seus. A passagem esclaresce, de imediato, que o grande dragão é a “antiga serpente, que se chama diabo e Satanás”. Diz mais que é uma potência enganadora, e que como resultado da peleja foi vencido e atirado à Terra juntamente com os anjos que o seguiam.

Deonde procede Satanás ou o Diabo? Como é que conseguiu seduzir uma hoste de anjos, que se tornaram demônios e participam desta funesta tarefa de enganar a todo o mundo? Sabemos alguma coisa mais concreta sobre esta potência maléfica, de suas atividades, de seu poderio? Satanás e os anjos caídos, são poderes reais que atuam na vida e experiência humanas, ou constituem mera referência alegórica?

No Antigo Testamento acha-se registrada a triste história daquele que uma vez fora o ser angelical mais exaltado do universo: Lúcifer, a quem Deus criara perfeito e dera a elevada missão de “querubim da guarda”, pois era o “filho da alva” (Ezeq 28:12-18, Isaías 14:12-16). Porém ele permitiu que a soberba e a ambição o corrompessem, pois quis ser semelhante à Divindade, e ao iniciar uma campanha entre os anjos para seduzi-los, encabeçou uma rebelião contra o governo de Deus, pelo que foi aviltado e arrojado de sua magnífica morada, arrastando em sua queda importante parte da hoste celestial, que conseguira enganar.

O apóstolo Paulo, falando com a autoridade que lhe confere sua inspiração divina, sobre a natureza e existência real do diabo e sua côrte, afirma: “Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e , sim, contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebrosos, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Efésios 6:12).

O inspirado escritor do Novo Testamento menciona aqui forças espirituais do mal, principados e potestades que, embora invisíveis aos olhos humanos, são de existência absolutamente real, que guerreiam contra os filhos de Deus, de tal maneira que nossa luta como seres humanos é bastante desigual, pois não a entabulamos contra inimigos semelhantes a nós, de carne e sangue, mas contra esses opositores muito mais temíveis, pois que ocultos na sombra.

Filiação dos Espíritos Invisíveis

Esta notável referência foi confirmada por uma clara acusação que o Senhor dirigiu a um grupo de judeus, ao dizer-lhes: “Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhes aos desejos”. E continuando seu discurso sobre o diabo disse: “Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira” (João 8:44).

Assim sendo, os misteriosos personagens que produzem as estranhas manifestações sobre-humanas, nas sessões espíritas tem três características distintas:

a) São espíritos invisíveis, ou seja “hostes espiritusias”.

b) São mentirosos e enganadores, porque afirmam seros espíritos dos mortos, quando a Bíblia estabelece a impossibilidadede semelhante pretensão.

c) São poderosos, inteligentes, sobrenaturais, capazes de efetuar tarefas impossíveis para o homem.

Precisamente essas três características são preenchidas por Satanás e os demônios ou anjos caídos, pois conforme os textos bíblicos enunciados, trata-se de seres não de carne e sangue, mas espirituais e invisíveis; ademais são seres mentirosos, que procedem do pai da mentira, e que enganam “a todo mundo”; e por fim possuem poderes sobre-humanos.

Quando o apóstolo Paulo se refere à aparição do Anticristo, diz que “o aparecimento do iníquo é segundo a eficácia de Satanás, com grande poder, e sinais e prodígios da mentira, e com todo engano de injustiça,” com o qual fica confirmado o caráter enganoso do diabo e seus anjos, e sua faculdade de realizar milagres e prodígios assombrosos que transcendem o poder humano.

Estes espíritos maléficos de filiação satânica se relacionam estreitamente com os seres humanos, buscando influir em seus pensamentos e ações, criando egoísmo, atiçando desinteligências, promovendo ódios, crimes e toda sorte de pecados e maldades.

Qualquer destes espíritos, que tivesse acompanhado uma pessoa através da vida, interessando-se em tudo quanto faz e influenciando-a para o mau sentido, a fim de conseguir sua final destruição, acha-se tão compenetrado de seus segredos e idiossincrasia, que depois de sua morte está em condições de reproduzir sua voz, sua letra, seus contornos físicos, sua fisionomia e aparecer em uma câmara espírita fazendo-se passar pelo morto. Por outro lado, Satanás e seus demônios podem realizar todas as demais manifestações milagrosas, próprias dessas reuniões. Foi muito fácil, para um desses espíritos, fazendo-se passar pelo espírito daquela irmã da Sra N___, revelar ao Sr. José Benjamim, no Forester´s Hall, toda uma série de preciosos detalhes de sua vida.

Porém a obra mestra de fraude que o diabo e seus anjos efetuam não termina aqui, pois ele procura enganar, se fosse possível, até aos filhos de Deus, já que nosso Senhor Jesus Cristo, em Seu memorável sermão profético, ao referir-se aos falsos cristos e falsos profetas que procurariam falsificar o acontecimento glorioso de Sua segunda vinda (Mt 24:5 e 11), faz a seguinte advertência: “Então se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! ou: Ei-lo ali! não acrediteis; porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar se possível, os próprios eleitos.Vêde que vo-lo tenho predito. Portanto se vos disserem: Eis que Ele está no deserto! não saiais: Ei-lo no interior da casa! não acrediteis. Porque assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até no ocidente, assim há de ser avinda do filho do Homem” (Mt 24:23-27).

Cristo virá segunda vez com poder e grande glória nas nuvens do céu, e todo o olho o verá, de forma tão visível e manifesta como o relâmpago que fulgura no céu numa noite tenebrosa. Porém entre os diversos métodos com que o arquienganador procurará falsificar este glorioso sucesso, figura o do “interior da casa”. Pelo que Jesus mesmo adverte que quando “vos disserem: … Ei-lo no interior da casa! Não acrediteis”. Efetivamente, tem sido proclamada a aparição de Cristo no interior de centros espíritas, e se tem publicado inumeráveis mensagens como provenientes do espírito de Cristo, aparecido a instâncias de um médium numa sessão espírita. Eis aí a culminação das enganosas pretensões do espiritismo.

Embora apreciemos profundamente a todos os espíritas sinceros, vemo-nos na obrigação de estabelecer com a autoridade da divina Palavra inspirada, a filiação satânica do espiritismo, cuja prática não só engana e afasta o homem do Evangelho salvador, mas perturba a alma, submerge o ser humano na desorientação e desespero, e frequentemente lhe transtorna as faculdades mentais. Conversávamos, não faz muito tempo, com um profissional que trabalha no maior hospício de alienados da cidade de Buenos Aires, e ele nos disse que nas histórias clínicas de grande quantidade dos enfermos mentais do estabelecimento, figura a constância de que tiveram vinculação com o espiritismo.

Esta é a razão pela qual, de maneira terminante e enfática, a Bíblia condena o espiritismo e o proscreve como abominação ao Senhor. (Deut 18:10-12).

A pergunta que fica por responder é agora a seguinte: Se os espíritos do espiritismo não são os dos mortos, mas os de Satanás e dos demônios, onde estão os mortos? Que é inferno? Estão alguns dos mortos ardendo no fogo eterno que nunca se pagará, e outros gozando das bem-aventuranças do paraíso? Este é o tema que, mercê de Deus, abordaremos no próximo estudo.

Proteção Eficaz

Não obstante, ao finalizar estas considerações, queremos fazê-lo com chave de ouro. É certo que Satanás e seus anjos são seres reais de um poderterrível e extraordinário. Écerto que o diabo, vosso adversário,  – segundo a expressão de S.Pedro – “anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (I Pedro 5:8). É certo que “o diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta” (Apoc 12:12). Porém é gloriosamente certo também que Satanás é um inimigo vencido, um adversário derrotado. Falando proféticamente da ocasião em que o Senhor havia de espirar, como nosso Salvador na cruz do Gólgata, a fim de nos devolver a vida eterna que o diabo nos quiz tirar, Cristo exclamou: “Eu vi a Satanás caindo do céu como um relâmpago” (Lucas 10:18).

Todo filho de Deus pode fazer sua a vitória conquistada pelo mártir do Gólgota, reclamando com fé o poder divino e aceitando a Jesus como seu Salvador. Por isso é que o apóstolo Paulo, quando menciona quão temíveis são essas potências espirituais contra as quais temos que batalhar, nos dá este conselho: “Revesti-vos de toda armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; … embraçando sempre o escudo da fé com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno” (Efés 6:11-16). “Graças a Deus” – prorrompe mais adiante com entusiasmo – “que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor JesusCristo” (1 Cor 15:57). “Resisti ao diabo” – aconselha o apóstolo Tiago – “e ele fugirá de vóz” (Tg 4:7). Apeguemo-nos ao poder de Deus, invoquemos a presença permanente de Cristo em nosso coração, cujos tesouros de onipotência se acham a nossa inteira disposição, e seremos homens e mulheres vitoriosos, felizes e salvos.

Por outro lado, na mente do cristão não pode haver nenhum temor aos espíritos maléficos, porque ele conta com a proteção maravilhosa dAquele que está acima de todapotência espiritual, que deixou para Seus filhos estas terminantes promessas:

“O que habita no esconderijo do Altíssimo e descansa à sombra do Onipotente2 diz ao SENHOR: Meu refúgio e meu baluarte, Deus meu, em quem confio. Pois ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa. Cobrir-te-á com as suas penas, e, sob suas asas, estarás seguro; a sua verdade é pavês e escudo. Não te assustarás do terror noturno, nem da seta que voa de dia, nem da peste que se propaga nas trevas, nem da mortandade que assola ao meio-dia. Caiam mil ao teu lado, e dez mil, à tua direita; tu não serás atingido. Somente com os teus olhos contemplarás e verás o castigo dos ímpios. Pois disseste: O SENHOR é o meu refúgio. Fizeste do Altíssimo a tua morada. Nenhum mal te sucederá, praga nenhuma chegará à tua tenda. Porque aos seus anjos dará ordens a teu respeito, para que te guardem em todos os teus caminhos. Eles te sustentarão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra. (Salmo 91:1-12).

A leitura de passagens como esta e o conhecimento do que a Palavra de Deus ensina sobre o problema dos espíritos, bem como a experiência de inúmeras pessoas que tem presenciado em sua própria vida o cumprimento das declarações divinas, deve encher-nos de confiança, dissipar todo o temor, e infundir-nos a mais absoluta segurança no cuidado vigilante e no amor protetor de nosso Pai Celestial.

Texto extraído do Livro Paz na Angústia de Fernando Chaij (CPB – 1967).

Anúncios

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Espiritismo, Estado do Homem na Morte, Temor - Medo e Temas Relacionados e marcado , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para O Temor aos Espíritos

  1. LUZIA FERNANDES LOPES disse:

    É MUITO TRISTE QUE ALGUEM VIVE EM TORNO DE ESPIRITISMO, DIZENDO QUE ALGUEM MORREU E PRECISA FALAR. EU SEI QUE QUEM MORRE ESTA EM UM SONO PROFUNDO, ANTES DE SABER QUE OS CORPOS SÃO CREMADOS, EU PERGUNTEI A UM IRMÃO E MERESPONDEU QUE QUANDO JESUS VOLTAR, ESSES MORTOS IRÃO TODO PRESTAREM CONTAS A DEUS, O EUS DO IMPOSSÍVEL, NÃO CREIAM EM ESPIRITISMO, PORQUE O LÚCIFER QUE USA A VOZ DE UM MORTO PARA DIZER QUE É ELE, É ORANDO QUE NÓS NÃO VEMOS NADA QUE SE REFERE A ESPIRITISMO, PORQUE NOS SABEMOS, QUE ESTÃO EM UM SONO PROFUNDO E SÓ DEUS EM NOME DE SEU FILHO JESUS CRISTO QUE NOS DÁ A CERTEZA QUE DEUS É FIEL, VERDADEIRO, MISERICORDIOSO.

  2. Pingback: BlogAdventista.com.br » Blog Archive » O Temor aos Espíritos

  3. Pingback: O Temor aos Espíritos (via SÉTIMO DIA) | Adventismo em Foco

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s