O Temor ao Inferno

Um dos ensinos do cristianismo popular que tem causado mais perturbações e temores, e, por outro lado, tem induzido muitos a se declararem ateus, é aquele segundo o qual os réprobos, os ímpios sofrerão os tormentos do inferno de fogo, que arderá através de todos os séculos da eternidade, queimando-os e produzindo-lhes sofrimentos angustiosos, sem esperança alguma de término.

O conceito de inferno desperta sentimentos díspares nos seres humanos. Para uns, trata-se de uma realidade indiscutível e tremenda, que os mantém de contínuo aterrorizados. Para outros, é uma mera expressão alegórica que simboliza alguma classe de castigo moral que Deus infligirá aos pecadores. Para os livres pensadores, é só uma invenção pueril e supersticiosa que os clérigos utilizam para manter o domínio das consciências.

Quando eu era criança, a idéia do inferno de fogo que ia queimar indefinidamente os maus, provocava-me pânico e até desespero. O único consolo era pensar que ainda faltava muito tempo para tal acontecimento, pois aos cinco ou seis anos a vida parecia um poente muito extenso que o separava das chamas devoradoras do inferno.

Grande número de pessoas de perguntam a si mesmas se possui o mais elementar sentido de justiça este proceder de um Deus que submete a tal tipo de suplício interminável seres humanos que, por mais perversos e degenerados que sejam, não vivem mais de setenta ou oitenta anos. E por oitenta anos de maldade, deve sofrer o homem ou mulher o mais doloroso dos tormentos conhecidos, a saber, o de se queimar vivo, e continuar se queimando sem se consumir, nem perder a consciência, não por uma hora, nem por um dia, nem por um ano ou século, nem por um milhão de séculos, mas por todos os milhões de séculos da eternidade.

Queremos deixar de lado, sobre este assunto, toda idéia que seja ditada pela teologia popular ou pela fantasia, e investigar o que Deus ensinou a este respeito na Sua Palavra, porque nesta matéria só a revelação divina pode declarar-nos a verdade. Existe o inferno, ou não existe? Pode ser que cheguemos a uma comprovação surpreendente e aparentemente revolucionária, porém de qualquer maneira convém fazer uma investigação imparcial e aceitar a verdade, tal como a estabelece a Sagrada Escritura, pois essa verdade nos trará paz, consolo e segurança.

Digamos desde já que a doutrina do inferno eterno não encontra apoio na Bíblia. Esta doutrina tem causado possivelmente mais dano ao cristianismo, que todos os ataques de que este tenha sido objeto através de todos os tempos. Não somente é rechaçada pelo sentido comum como ilógica, absurda e obviamente injusta, mas é irreconciliável com o conceito e a descrição que fazem as Escrituras da divindade. De fato, ali nos é apresentado um Deus justo, e ao mesmo tempo clemente, misericordioso e cheio de amor. Tanto é assim que o apóstolo João declara que “Aquele que não ama não conhece a deus, pois Deus é amor” (I João 4:8).

A noção de inferno, pelo contrário, tal como é ensinada, ordinariamente, incita as pessoas com tendências religiosas a buscarem reconciliarem-se com Deus, movidas pelo medo. A este respeito, cabe assinalar que alguns sistemas de teologia cristã, tem cometido o equívoco de lançar mão do sentimento de terror que infunde no espírito apenas a menção do inferno, utilizando-o como motivação básica de sua pregação.

Sem dúvida, no verdadeiro cristianismo o móvel fundamental é o amor e não o temor. Tanto é assim que a inspirada Palavra divina afirma que “o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo” (Rom 5:5), e que “o perfeito amor lança fora o medo” (1 João 4:18). S.Paulo diz: “Pois o amor de Cristo nos constrange” (2 Cor 5:14).

Quando o Senhor Jesus formulou a breve oração magistral que devia servir de modelo e pautar a forma de se dirigir ao Criador, iniciou-a com as palavras: “Pai nosso que estás nos Céus”, destacando assim o traço preponderante de carinho que governa as relações da Divindade com Suas criaturas. O mesmo é advertido nas palavras do profeta Oséias, que procura refletir assim os ternos sentimentos do Senhor para com os homens: “Atraí-os com cordas humanas, com laços de amor” (Oséias 11:4). Sobreo Ser Supremo lê-se que é “grande em misericórdia e fidelidade” (Exod 34:6).

Em consonância com este princípio, quando no segundo mandamento do decálogo a Lei de deus ordena: “Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem em baixo na Terra, nem nas águas debaixo da Terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto”, dá como razão deste mandamento o seguinte fato: “Porque Eu sou o Senhor teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que Me aborrecem, e faço misericórdia até mil gerações daqueles que Me amam e guardam os Meus mandamentos” (Exod 20:4-6). Observe-se que ao passo que a justiça de Deus alcança com suas consequências, na lei régia, até a quarta geração, a misericórdia abarca milhares de gerações, de maneira a ultrapassar mil vezes o castigo.

Lamentavelmente, a este falso ensino de um inferno de fogo eterno tiveram que chegar por força, os teólogos que afirmam que a alma é imortal, ou seja que não pode morrer, e que continua vivendo perpetuamente depois da morte do corpo. Nos estudos anteriores tivemos ocasião de demonstrar documentadamente, baseando-nos na infalível e única autoridade na matéria, as Santas Escrituras, que a alma é perfeitamente mortal, e que a imortalidade só poderá ser condicional. “A alma que pecar – declara o profeta Ezequiel – essa morrerá”( Ezeq 18:4). “Temei antes aquele que pode fazer perecer…tanto a alma como o corpo” (Mat 10:28), disse o próprio Senhor Jesus. “A sua alma morrerá” (Jó 36:14 – Trad Matos Soares), lemos em outra passagem.

Estas afirmações inspiradas referentes ao homem, acham-se em perfeita consonância com o que Deus mesmo advertiu a Adão ao dizer-lhe: “Da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás: porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás” (Gên 2:17). Desde o momento em que, segundo as próprias palavras da Divindade, Adão seria passível de morte, se violasse a lei divina, não podia ser imortal. Por outro lado, lê-se em Gênesis que depois que o homem pecou, o Criador disse: “Para que não estenda a mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente: o Senhor Deus…o lançou fora do Jardim do Éden (Gên 3:22-23). Esta declaração confirma a natureza mortal do homem.

Já vimos também, oportunamente, que os mortos permanecem em absoluta inconsciência (João 11:11, Ecles 9:5-6, Salmo 146:4) até o dia da ressurreição e do juízo retribuitivo de Deus. Abordemos agora este problema: Qual será a sorte dos humanos nesse momento solene?

Há somente duas possibilidades. A primeira consiste na obtenção da vida eterna e imortalidade concedida por Deus, para habitar no Seu sempiterno reino de paz. Esta é uma dádiva, um dom imerecido que o Criador outorga a Suas criaturas com a única condição de aceitarem a Cristo pela fé como salvador pessoal, pois esta é a única maneira pela qual podemos reconciliar-nos com Deus e dEle obtermos o poder que transforma a conduta e habilita o homem a viver conforme os preceitos celestiais. “O dom gratuito de Deus é a vida eterna” (Rom 6:23). “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

A segunda e única alternativa fora deste destino de felicidade perdurável, consiste na morte, pois lemos: “O salário do pecado é a morte”. Essa morte é a cessação total e definitiva da vida, a aniquilação completa da personalidade e é denominada por S.João, no apocalipse “a segunda morte” (Apoc 20:14).

Existe uma quantidade impressionante de passagens bíblicas que corroboram este fato fundamental da destruição definitiva e completa dos ímpios, melhor dizendo daqueles que não tenham aceitado a Jesus em sua vida, mas que se acham apegados ao pecado. Embora correndo o risco de excesso nestas considerações, e só com o ânimo de assentar de maneira precisa e irretorquível a verdade de que se trata de uma morte real e definitiva, da anulação total dos que tenham repelido a misericordiosa provisão divina, detalhamos em continuação uma série de vinte passagens bíblicas, que por certo poderiam multiplicar-se, e, utilizando distintos vocábulos, nos apresentam extraordinária reiteração desta verdade. Ao lado da referência bíblica correspondente, transcrevemos apenas a expressão chave.

Salmo 68:2 “Perecem os íniquos”.

Apocalipse 20:9 “Desceu fogo do céu e os consumiu“.

Isaías 1:28 “Serão juntamente destruídos“.

Naum 1:10 “Serão inteiramente consumidos como palha seca”.

Hebreus 10:27 “Fogo vingador prestes a consumir os adversários”

Romanos 2:12 “Perecerão

Salmo 59:13 “Consome-os … para que jamais existam

Salmo 145:20 “Os ímpios serão exterminados

Mateus 3:12 “Queimará a palha”

Isaías 1:31 “O forte se tornará em estopa

Salmo 104:35 “Desaparecem da Terra os pecadores e já não subsistam os perversos”

Salmo 92:7 “Serão destruídos para sempre

Salmo 92:9 “Os teus inimigos perecerão

Salmo 37:28 “A descendência dos ímpios será exterminada

Salmo 37:22 “Serão exterminados aqueles a quem amaldiçoa”

Salmo 37:38 “Quanto aos transgressores serão a uma destruídos

Salmo 94:23 “Pela malícia deles próprios os destruirá; o Senhor nosso Deus os exterminará”

Apocalipse 21:8 “A parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte

Malaquias 4:1 “Pois eis que vem o dia, e arde como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem perversidade, serão como o restolho; o dia que vem os abrasará, diz o Senhor dos Exércitos, de sorte que não lhes deixará nem raíz nem ramo“.

Romanos 6:23 “O salário do pecado é a morte

Ezequiel 28:19 “Jamais subsistirás

Qualquer comentário adicional a estes textos é supérfluo, ante à clareza contundente com que os mesmos reafirmam a destruição completa dos ímpios.

Que é o Inferno?

Porém, acaso não fala a Bíblia do inferno? – apresentar-se-á a objetar aquele que tenha lido o Livro dos livros. E respondemos: sim, existe um inferno, porém muito diferente daquele que nos tem sido apresentado desde nossa infância.

Analisemos, pois, o inferno em suas diferentes características: sua natureza e destino original; seu propósito e resultados; sua duração; o tempo em que realizará sua obra.

Apalavra “inferno”, que se utiliza no Antigo Testamento, foi traduzida do vocábulo hebraico SHEOL, que significa literalmente “sepulcro”, “sepultura”, “cova”, “abismo”, “fossa”. Este vocábulo hebraico foi traduzido em dezenas de passagens do Antigo Testamento como “sepulcro”, e umas poucas vezes como “inferno”. Porém nestes casos, assim como nos anteriores, não significa senão sepulcro, ou sepultura.

No Novo Testamento, “inferno” corresponde a dois vocábulos gregos. O primeiro HADES, que significa literalmente “sepulcro” ou “morte”. O segundo é GEENA, nome dado primariamente ao vale de Hinon, ao sul de Jerusalém, onde se deitavam os resíduos, os cadáveres dos animais e, também, dos malfeitores, que eram queimados nesse lugar.

Deixando de lado todas as passagens em que a palavra corresponde ao original SHEOL ou HADES, casos em que não há outro sentido que não morte ou sepulcro, analisemos os lugares em que no original se emprega o vocábulo grego GEENA. Neles, a palavra “inferno” designa um luga respecial em que, os que tenham rejeitado a misericórdia de deus serão destruídos pelo fogo. Assim por exemplo, no Sermão da Montanha, Jesus adverte sobre as funestas consequências de abrigar ira e rancor no coração, com estas palavras: “Todo aquele que se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: tolo, estará sujeito ao inferno de fogo”  (Mt 5:22). Aqui se esclaresce que o inferno será à base de fogo, e terá por propósito castigar o pecador.

O mesmo se observa nesta outra passagem: “Se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o, e lança-o fora de ti; melhor é entrares na vida com um só dos teus olhos, do que, tendo dois, seres lançado para dentro do lago de fogo” (Mat 18:9). Confirmando estas passagens, em Apocalipse 20:15 lemos que “se alguém não foi achado inscrito no Livro da vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo”. Aqui se dá um nome distinto ao castigo final dos perdidos, denominado “lago de fogo”, que em S.Mateus, o Senhor chama “inferno de fogo”.

É de interesse, sem dúvida, recordar que esse inferno jamais foi feito para os seres humanos.Seu propósito original foi destruir os seres celestiais que se rebelaram contra o governo de deus e provocaram toda tragédia deste mundo: o diabo e seus anjos ou demônios. Assim declara o Evangelho ao relatar as palavras que o Mestre dirá no dia do ajuste final aos que não permitiram que o Evangelho os livrasse do pecado: “Então o Rei [celestial] dirá também aos que estiverem a sua esquerda: apartai-vos de Mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos” (Mt 25:41).

Não existe um lugar definido do universo onde, neste momento, estejam ardendo os pecadores. O inferno da Bíblia, é o lago de fogo e enxofre que terminará com a rebelião e o pecado, será constituído em nosso próprio planeta, cujos elementos serão abrasados e se fundirão, no final dos tempos, quando chegar a hora em que Deus executar a sentença. Assim estabelece a Segunda Epístola de S. Pedro, ao dizer: “Ora, os céus que agora existem, e a Terra, pela mesma palavra tem sido entesourados para fogo, estando reservados para o dia do juízo e destruição dos homens ímpios” (2 Pedro 3:7). Note-se que a Terra e os céus atmosféricos que a rodeiam, estão reservados para o dia do juízo, em que serão destruídos pelo fogo, juntamente com os homens ímpios. Este conceito se acha mais esclarescido nas passagens seguintes do mesmo capítulo: “Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo e os elementos se desfarão abrasados; também a Terra e as obras que nela existem serão atingidas. Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do dia de deus, por causa do qual os céus incendiados serão desfeitos e os elementos abrasados se derreterão” (2 Pedro :10-12). Insiste o apóstolo em que toda esta obra destrutiva se fará “no dia do juízo”, no “dia do Senhor”, no “dia de Deus”.

Não poderiam, pois, os pecadores estar ardendo, nestes momentos, nas torturantes chamas de um inferno atual – fruto da fantasia e dogmas populares – quando a mesma Escritura estabelece  inconsciência total e absoluta dos mortos ( João 11:11, Ecles 9:5-6, Salmo 146:4), até o dia da ressurreição, em que receberão o galardão conforme as suas obras (João 5:28-29).

Há um Inferno Eterno?

Que duração tem o castigo do inferno? Por quanto tempo continuará ardendo a Terra e sendo queimados os pecadores?

Esse inferno dura tão só enquanto realiza sua obra triste, porém necessária de purificar a Terra pelo fogo e destruir Satanás, origem de todo engano, pecado e dor, a seus anjos sequazes, e aos seres humanos que não atendendo aos chamados da misericórdia de Deus, preferiram apegar-se ao pecado, rechaçando o plano da gratuita salvação que o Criador lhes oferecia por meio de Cristo Jesus.

A série de diferentes vocábulos acima mencionados, que as Escrituras usam, tanto no Antigo como no Novo Testamentos, para se referir ao castigo dos homens que não se tenham preparado para o futuro reino imortal, convencem com força de evidência indiscutível da destruição completa de tais pessoas, e anulam de maneira irrefutável a crença num inferno perpétuo. Dificilmente poderíamos achar, no vocabulário humano, gama mais variada e completa de palavras, para reiterar o pensamento de uma morte real e destruição definitiva.

Sem dúvida, alguns sinceros estudiosos da Bíblia descobriram umas poucas passagens, que parecerão contradizer essa multidão de textos, ensinando o castigo eterno. Essas declarações são de três tipos, e vamos analisá-las detalhadamente, em tópicos correspondentes.

A) Fogo Inextínguível; Fogo que Nunca se Apaga

(S.Mateus 3:12; S,Lucas 3:17; S.Marcos 9:44)

Estes versículos falam do fogo que devorará os ímpios, e usam uma mera figura literária, uma hipérbole, que não se pode entender literalmente, mas é necessário interpretá-la em função de todo o conjunto de declarações bíblicas que tratam do mesmo assunto.

Esse “fogo que nunca se apaga”, apagar-se-á sem dúvida quando tenha cumprido sua obra de consumir e destruir a Satanás e seus anjos, a todos os ímpios e à Terra inteira, com todos seus elementos. Vamos demonstrar que isso é assim e que se trata de mera figura. S. Pedro declara em sua segunda Epístola, com respeito ao fim dos maus: “Ora, os céus [atmosféricos] que agora existem, e a Terra, pela mesma palavra têm sido entesourados para fogo, reservados para o dia do juízo e destruição dos homens ímpios…Virá, entretanto, como ladrão, o dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo e os elementos se desfarão abrasados; também a Terra e as obras que nela existem serão atingidas” (2 Pedro 3:7-12).

É esseo fogo a que aludem os versículos dos Evangelhos, que mencionam o “fogo que nunca se apaga”. É o fogo que consome a Terra e seus ímpios moradores. Porém esse fogo “que nunca se apaga”, segundo o Novo Testamento, apagar-se-á completamente, pois S. João, na sua última e gloriosa visão profética do Apocalipse nos diz: “Vi novo céu e nova Terra, pois o primeiro céu e a primeira Terra passaram, e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a Nova Jerusalém” (Apoc 21:1-2). E assim continua descrevendo a morada dos remidos, com todas as suas formosuras e maravilhas. Assim pois, a terra que estava ardendo, S.João a viu afinal transformada num precioso vergel. O “fogo que nunca se apaga” enquanto tenha o que queimar, se extinguirá.

B) “Fogo Eterno; Castigo Eterno”

(S. Mateus 18:8; S. Mateus 25:46)

Já vimos que esse “fogo eterno” que se incendeia para abrasar a Terra, por ocasião do juízo retribuitivo de deus, termina, pois essa mesma terra S. João a viu formosa e renovada.

A palavra “eterno” e a expressão “para sempre” não denotam em todos os casos – na Bíblia – duração ilimitada. Por exemplo, o livro de Êxodo, quando fala do sistema de servidão entre os hebreus, diz que o servo que aos sete anos preferia ficar voluntariamente com seu amo, não aproveitando a liberdade gratuita, seria servo “para sempre” (êxod 21:2-6). Porém, em levítico 25:39-41 se conclui que toda servidão cessa automaticamente no ano do jubileu; de maneira que “para sempre” não implicava perpetuidade.

O profeta Jonas se refere ao tempo em que esteve no ventre do peixe, com estas palavras: “Desci à terra cujos ferrolhos se correram sobre mim para sempre“. Porém na linha seguinte diz: “contudo fizeste subir da sepultura a minha vida, ó Senhor, meu Deus!” (Jonas 2:6-7). De maneira que outra vez a expressão “parasempre” denota tempo muito limitado.

Em S.Judas lemos o seguinte sobre o castigo dos anjos caídos: “E os anjos, os que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram o seu próprio domicílio, ele tem guardado sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande dia” (Judas 6). Quer dizer que as “algemas eternas” duram só até o “juízo do grande dia”.

De igual maneira o mesmo S.Judas assinala no versículo seguinte, que as corrompidas cidades de Sodoma e Gomorra “são postas para figura do fogo eterno, sofrendo punição” (Judas 7). Aqui se alude ao fogo que Deus fez descer do céu e que consumiu estas cidades, e não ao fogo do juízo vindouro, pois Jesus, ao falar do castigo definitivo de Sodoma e Gomorra, fala no futuro (Mat 10:15). Mas o interessante é que o fogo que consumiu Sodoma e Gomorra e que a Bíblia chama “eterno”, faz tempo que deixou de arder. Outra vez se observa que a palavra “eterno” não denota, nestes casos duração ilimitada.

Que são pois “fogo eterno” e “tormento eterno”? São um fogo ou tormento de consequências eternas, pois extinguirão completamente a pessoa, não deixando “nem raiz nem rama”. Exemplo desta acepção do vocábulo “eterno” o temos nos seguintes casos:

II Tessalonicenses 1:9 “Estes sofrerão penalidade de eterna destruição”

Hebreus 6:2  “Juízo Eterno” (aqui a palavra juízo não se refere a castigo, mas ao estudo prévio do caso, pois a palavra original é Kríma, e procede do verbo Krino, que significa “discernir, examinar”.

Nem o juízo nem o exame nem a perdição são algo iterativo, que continua a se realizar através de toda a eternidade. Por conseguinte, é óbvio que, tanto a perdição como o exame do caso dos seres humanos que se faz no juízo investigativo, são eternos em suas consequências. Assim, também, é o fogo destruidor dos ímpios.

Deus não envia esse fogo sobre a Terra, para alegrar-Se no sofrimento. Para Ele, a tarefa de castigar é um mal necessário, mas contrário a Sua natureza. Por isso o Senhor qualifica de “estranha” essa obra: O profeta Isaías afirma: “Porque o Senhor Se levantará como no Monte Perazim, e se irará, como no vale de Gibeão, para realizar a Sua obra, a Sua obra estranha, e para executar o Seu ato inaudito” (Isaías 28:21). Como o cirurgião que se vê na imperiosa necessidade de amputar um membro pela raiz, para salvar a vida, realiza estranha obra, lamentando ter que fazê-lo, o divino Cirurgião terá que efetuar a desagradável obra de apagar da existência, no dia da sentença final, todo o que não tenha se preparado para a nova ordem mundial de perfeição e paz, e que ademais poderia ser um germe de dissolução.

Por esta razão o Senhor faz este rôgo amoroso, agora que está ao alcance dos filhos de Adão o prevenir-se da destruição eterna, e tomar as providências necessárias: “Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes, e criai em vós coração novo e espírito novo; pois, porque morreríeis, ó casa de Israel? Porque não tenho prazer na morte de ninguém, diz o Senhor Deus. Portanto convertei-vos e viveis” (Ezeq 18:31-32). Estas palavras são ditadas pelo terno amor que Deus dedica a cada um de nós, seres feitos a Sua imagem e semelhança. Mesmo quando enfrentamos as debilidades da carne, e nos vemos submetidos aos efeitos do pecado, que é a violação da lei divina, se aceitarmos o convite de Deus, submetendo-se à influência de Seu poder em nossos corações, seremos transformados e convertidos; receberemos um coração novo, e estaremos assim preparados para morar no reino eterno de justiça, paz e felicidade, onde tudo será alegria e perfeição. Eis aí o destino glorioso que Deus tem reservado para cada um de nós, se tão somente decidirmos submeter-nos ao maravilhoso plano divino que transforma e marca novos rumos à vida.

Quando Deus finalizar a estranha obra de purificar do pecado a Terra, quando nosso planeta deixar de ser o lago de fogo em que se converterá por breve lapso de tempo, cristalizar-se-á a magnífica e grandiosa visão profética que Deus mostrou ao apóstolo amado, as glórias inefáveis do Éden restaurado: Vi novo céu e nova Terra” – Exclama S. João – “… Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do Céu, da parte de deus ataviada como a noiva adornada para o seu esposo. Então ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles … E a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram” (Apoc 21:1-4). Queira Deus que todos nós que lemos estas linhas, desfrutemos do inefável gozo eterno desse mundo radiante do futuro.

Extraído do livro Paz na Angústia de Fernando Chaij ( CPB – 1967).

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Inferno, Juízo Final, Salvação e Temas Relacionados, Temor - Medo e Temas Relacionados e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para O Temor ao Inferno

  1. Paulo Ghiraldeli disse:

    Olá, gostaria de agradecer pela matéria colocada explicando que o inferno de fogo não existe. Porém, gostaria de compartilhar o que compreendo da Bíblia, e faço assim duas perguntas: Se essa destruição em fogo eterno será a Terra toda que será queimada, como se explica Isaías 45:18 ? E a esperança de vida eterna numa terra em abundância de paz (Salmo 37) ? Estou à disposição para ouvir as explicações. Desde já obrigado.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s