O Protestante e o Domingo

“A atual geração de protestantes guarda o domingo em lugar do sábado, porque o recebeu como parte da religião cristã da geração passada, e esta recebeu da geração anterior, e assim por diante; geração após geração (…) deixou esta parte específica da fé e prática católica intocável. (…) Tanto você [protestante] como nós [católicos], na verdade, seguimos a tradição nesta questão; mas nós a seguimos crendo que faz parte da Palavra de Deus e que a Igreja [Católica] tem sido divinamente designada a sua guardiã e intérprete; você a segue, denunciando-a constantemente como uma guia falível e traidora, que freqüentemente ‘tem invalidado o mandamento de Deus’.”1

As diversas igrejas protestantes admitem que não há orientação bíblica para alterar o sábado descrito no quarto mandamento da lei de Deus, mas, incoerentemente, mantêm o domingo em seu lugar argumentando que a ressurreição de Cristo ocorrida no primeiro dia da semana é a “base” para tal substituição. Além desta contradição, são incapazes de demonstrar nas Escrituras algo que sustente esta suposta mudança. No geral, as justificativas apresentadas pelos protestantes para defender a guarda dominical são idênticas àquelas encontradas no Catecismo da Igreja Católica,2 sendo comum, também, o uso de textos patrísticos(a).

Independente destes fatos, segue adiante declarações literárias oficiais de fundadores do protestantismo, de teólogos e comentaristas bíblico protestantes que revelam a precariedade e a inconsequência da observância dominical.

Igreja Anglicana

“O resultado desta consideração é: que o ‘dia do Senhor’ [domingo](b) não sucedeu o lugar do sábado, mas o sábado foi completamente revogado; o ‘dia do Senhor’ é meramente uma instituição eclesiástica. Não foi estabelecido em virtude do quarto mandamento. (…) Fizeram isso sem qualquer conceito ou obrigação primordial. (…) Os cristãos primitivos realizavam toda espécie de trabalho no ‘dia do Senhor’, mesmo em tempos de perseguição, eles foram os mais rigorosos observadores de todos os mandamentos divinos.”3

“Temos, no entanto, a lamentar que, apesar da forte autoridade bíblica em que esta questão repousa, nos últimos anos tem surgido aqueles que atacam a origem divina e a obrigação permanente do sábado. O inimigo das almas é incansável em seus planos contra a felicidade e a salvação dos homens. (…) É impossível ler a Bíblia, começando com suas primeiras revelações, direcionar a análise para o presente, sem ver que a idéia de um sábado permeia todos os propósitos de Deus para o homem.

(…) A razão para a observância do sábado está firmada na criação, não envolve unicamente o judeu, mas atodos os que encontram-se dentro dos mais distantes limites da criação; e por que, então, deveria o judeu ser o primeiro a comemorar um evento tão glorioso e de caráter universal, ocorrido mais de dois mil anos antes de seu tempo? (…) Um coração naturalmente avesso as coisas de Deus (tal qual cada homem possui) ansiosamente aproveitará qualquer argumento que irá servir o seu propósito e, acima de tudo, um argumento para destruir as reivindicações do dia que tem sido dedicado para expressar a comunhão com Deus.”4

Igreja Assembléia de Deus

“Jesus é o Senhor do sábado e Ele (não a tradição) determina o que é ‘legal’ fazer ou não neste dia santo. O sábado foi estabelecido para o nosso benefício, e não como um peso para a humanidade (Mc 2.27). O princípio dominante é que o sábado foi criado para se fazer o bem. Aquilo que funciona como uma resposta às necessidades humanas exalta o princípio do sábado, ao invés de transgredi-lo. Finalmente, até Deus está ativo aos sábados; portanto Jesus tinha o direito de fazer Suas boas obras neste dia santo (Jo 5.17).”5 “O fato de Deus ter abençoado o sétimo dia significa que Ele o separou para uso santo. Este ato é encontrado nos Dez Mandamentos (Êxodo 20:1-17), no qual Deus ordenou a observância do sábado. (…)”6

“E abençoou Deus o Dia Sétimo. Deus abençoou o sétimo dia (i.e., o sábado) e o destinou, tanto como dia sagrado e especial de repouso, como um memorial do término de todas as Suas obras criadas. Deus, posteriormente, fez do sábado um dia de bênção para seu povo fiel (Êx 20.8-11). Reservou-o para ser um dia de descanso, de culto, adoração e comunhão com Ele (Êx 16.2731.12-17).”7

“(…) Mas, e se encararmos a Lei como um todo sem emendas? Neste caso, a violação de um dos regulamentos da Lei nos torna ‘transgressores’, da mesma forma que a violação de qualquer outro regulamento. Imagine que nós enchamos um balão e escrevamos cada um dos Dez Mandamentos em uma parte diferente de sua superfície. Por mais que tentemos, é impossível tomar um alfinete e romper somente aquela parte do balão. O balão é um todo. Qualquer que seja a parte que rompamos, estaremos rompendo o todo. Como a Lei é um conjunto sem emendas, violar a Lei em um só ponto faz com que a pessoa torna-se uma transgressora.”8

Igreja Batista

Havia e  um mandamento para santificar o dia de Descanso, mas esse dia de Descanso não é o domingo. Será dito, no entanto, e com alguma demonstração de triunfo, que o sábado foi transferido do sétimo para o primeiro dia da semana, com todos os seus direitos, privilégios e sanções. (…) Onde o registro dessa mudança pode ser encontrado? Não no Novo Testamento, absolutamente. Não há evidência bíblica de mudança da instituição do descanso do sétimo para o primeiro dia da semana.

(…) Parece inexplicável que Jesus, durante a relação de três anos com Seus discípulos, muitas vezes conversando com eles sobre a questão do sábado, debatendo alguns de seus vários aspectos, livrando-o de falsos esclarecimentos, nunca mencionou qualquer transferência do dia; igualmente, durante quarenta dias de vida após a Sua ressurreição, isso não foi estabelecido. Nem tampouco os inspirados apóstolos, pregando o evangelho, fundando igrejas, aconselhando e instruindo os conversos, discutiram ou abordaram este assunto.

(…) O domingo veio a entrar na história da igreja primitiva como um dia religioso. (…) Mas que pena que ele veio estigmatizado com a marca do paganismo e batizado com o nome do deus sol(c), quando adotado e sancionado pela apostasia papal(d), e transmitido como legado sagrado ao protestantismo!”9

Percebemos a partir deste ponto de vista, contudo, a importância e o valor do sábado, como ato comemorativo da criação de Deus e, portanto, a personalidade, soberania e transcendência de Deus. O sábado é de obrigação perpétua como memorial estabelecido por Deus à Sua atividade criadora. (…) Estruturado na criação, aplica-se ao homem como homem, em toda parte e época, em seu atual estado de existência.

Nem nosso Senhor nem Seus apóstolos ab-rogaram o sábado do Decálogo. A nova dispensação anula as prescrições mosaicas relativas à maneira de guardar o sábado, mas, paralelamente declara sua observância como de origem divina e necessária a natureza humana. (…) Cristo não cravou na Sua cruz cada mandamento do Decálogo. Jesus não se defende da acusação de transgressor do sábado declarando que o sábado foi abolido, mas estabelece o verdadeiro caráter do sábado em atender uma necessidade humana fundamental (Marcos 2:27).”10

Igreja Congregacional

“O sábado, como tem sido observado, foi originalmente determinado para a comemoração da glória divina manifestada na criação do mundo; e para preparar e aperfeiçoar a santidade no homem. A maneira, na qual devemos comemorar a glória de Deus na obra da Criação, neste dia, é suficientemente nos ensinada pela forma, em que o primeiro sábado foi celebrado. (…) No sábado, afastamos todas as atividades mundanas. Uma pausa solene é feita nas ocupações da vida. Um período feliz de descanso nos é fornecido para obtermos a nossa salvação. Nesse tempo nenhum negócio do mundo é incluído; sem prazeres mundanos indevidos; nenhum pensamento mundano para interferir.”11

“Se os deveres dos cristãos no sábado são reduzidos, seja em número ou intensidade; então seus privilégios religiosos retribuídos são precisamente inferiores aos dos judeus. Os deveres no sábado são todos privilégios de natureza elevada e gloriosa; não podem deixar de serem considerados por cada bom homem. Não falo, aqui, sobre a regulamentação de leis civis dos judeus, estas não têm nada a haver com o tema da presente discussão. Eu falo do sábado, como instituído no sétimo dia, como instituído imediatamente após o término da criação; como ordenou novamente o quarto mandamento do Decálogo, como explicado e compelido, pelos profetas, particularmente por Isaías.”12

“Então, por que observamos o primeiro dia da semana como o descanso cristão? Não há mandamento na Bíblia, exigindo-nos a observar o primeiro dia da semana como o descanso cristão. Se admitirmos o dever de manter o primeiro dia da semana como o descanso cristão, devemos fundamentar a obrigação deste dever, sobre a instituição original como prescrito no quarto mandamento – e temos que admitir que depois da ressurreição de Cristo, uma mudança do dia, do sétimo para o primeiro dia da semana, ocorreu. Mas, não háum mandamento registrado na Bíblia, ordenando essa mudança.”13

“(…) É bastante claro que por mais rígida e dedicadamente possamos passar o domingo, não estamos guardando o sábado. (…) O sábado foi estabelecido por meio de um mandamento específico e divino. Não podemos invocar nenhum mandamento como dever de observar o domingo. (…) Não há uma única frase no Novo Testamento que sugerira que estaremos sujeito a alguma penalidade por violar a suposta santidade do domingo.”14

Igreja Discípulos de Cristo

“‘Porém’, dizem alguns, ‘foi mudado do sétimo para o primeiro dia.’ Onde? Quando? E por quem? Nenhum homem pode dizer. Não, ele [o sábado] nunca mudou, nem poderia mudar. (…) São, unicamente, fábulas antigas para tagarelar sobre a mudança do sétimo para o primeiro dia. Se ele mudou, foi esse personagem imponente que o fez, ele muda os tempos e leis ex officio – eu acho que o nome dele é doutor anticristo.”15

“Em Seus avanços contra o governo perverso e a falsa religião; em Seus planos para acabar com todo o domínio e idolatria pagã; (…) e restaurar a ordem no mundo, o Altíssimo, como as Escrituras comprovam, tem demonstrado muita sabedoria e sensatez ao assegurar a memória do passado, através de monumentos públicos, instituições civis e ordenanças religiosas; assim como Ele revelou onisciência e presciência do futuro através de tipos, símbolos e profecias. Os eventos memoráveis, pelos quais estes monumentos foram erigidos, formam o verdadeiro coração e essência de todas as crenças judaica e cristã, como pode ser visto pelo: (…) 2. O sábado o dia memorial de Seu descanso da criação; 3. A base original da sociedade política, o matrimônio do Éden (…)”16

“Chamar ‘o dia do Senhor’, ‘primeiro dia’ da semana, um dia de Sábado, é totalmente desautorizado pelas Escrituras. Não há nenhuma sanção do Líder da Igreja [Jesus], dos apóstolos ou dos profetas.”17

Igreja Luterana

“Além dessas coisas, há uma controvérsia se os bispos ou pastores têm autoridade de instituir cerimônias na Igreja, elaborar leis a respeito de alimentos, dias santos, títulos, ordenação de ministros, etc. (…) Eles [católicos] referem-se ao dia de sábado, como tendo sido mudado para o dia do Senhor, contrário, ao Decálogo, como afigura-se. Nem sequer existe qualquer exemplo [nas Escrituras] na qual eles determinem ainda a alteração quanto ao dia de sábado. Grande dizem eles, é o poder da Igreja, uma vez que temdispensado um dos Dez Mandamentos.”18

“Contudo, eles erram em ensinar que o domingo ocupou o lugar do sábado do Antigo Testamento e portanto deve ser mantido assim como o sétimo dia que tem sido guardado pelos filhos de Israel. (…) Essas Igrejas erram em seus ensinos, pois a Escritura de modo algum estabelece o primeiro dia da semana em lugar do sábado. Simplesmente não há nenhuma lei no Novo Testamento para isso.”19

“Deus não santificou para Si o céu, a terra, ou qualquer criatura. Mas Deus santificou para Si mesmo o sétimo dia. Isto foi sobretudo designado por Deus, para nos fazer entender, que o ‘sétimo dia’ deve ser especialmente dedicado ao culto divino. (…) O sábado portanto, desde o início do mundo, foi separado para adorar à Deus. Esta prática essencial, em sua pureza, se tivesse continuado sem desvio, teria proclamado a glória e as bênçãos de Deus. Homens teriam falado reunidos, no dia de sábado, sobre a bondade do seu Criador, teriam orado a Ele, teriam trazido a Ele as suas ofertas e etc. Todas estas coisas estão implícitas e representadas na expressão ‘santificar’.

(…) Nem tampouco Adão, se tivesse permanecido no paraíso em sua completa pureza original, teria vivido uma vida de ociosidade. Ele teria ensinado seus filhos no dia de sábado; ele teria em tributo, exaltado a Deus por meio de seus solenes louvores através de proclamação pública; teria impulsionado a si mesmo e a outros a oferecer agradecimentos, pela contemplação das grandiosas e gloriosas obras de Deus.”20

Igreja Metodista

Não há nenhuma indicação aqui(e) que o Sábado foi abolido, ou que seu objetivo moral foi substituído, pela introdução do cristianismo. Tenho demonstrado em outros lugares que, ‘lembre do dia de Sábado para santificá-lo’, é um mandamento de obrigação perpétua, e nunca pode ser substituído, exceto pelo derradeiro término do tempo. Como ele é um tipo de descanso que permanece para o povo de Deus, uma eterna bem-aventurança, ele deve continuar em pleno vigor até que chegue a eternidade; nenhum tipo jamais cessa até que o antítipo venha.”21

“‘Lembra-te do dia de sábado, para santificá-lo’. Você tem esquecido quem disse estas palavras? Ou você está desafiando-O? Você oferece a Ele o seu pior? Tenha cuidado. Você não é mais forte que Ele. ‘Ai daquele que contende com seu Criador, daquele que não passa de um caco entre os cacos no chão. Ele Se assenta no Seu trono, acima da cúpula da Terra, cujos habitantes são pequenos como gafanhotos.’(f)

‘Seis dias farás toda a obra. Mas o sétimo dia é sábado do Senhor teu Deus.’ Não é teu, mas o dia de Deus. Ele reivindica-o para Si mesmo. Ele sempre o reivindicou para Si próprio, desde o início do mundo. ‘Em seis dias o Senhor fez o céu e a terra, e ao sétimo dia descansou. Por isso o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou.’ Ele o santificou; ou seja, Ele o fez sagrado; Ele o reservou para o Seu próprio serviço. Ele determinou que, enquanto o Sol ou a Lua, os céus e a Terra, durarem, os filhos dos homens devem passar este dia em adoração à Ele que ‘deu-lhes fôlego de vida e todas as coisas.'”22

“Sábado. Esta palavra, no idioma hebraico, significa descanso. É uma instituição de ordem divina, e de duplo propósito, ou seja, descanso das atividades seculares e desenvolvimento de serviço santo (Êxodo 20:8-11;Levítico 23:3Atos 15:21). A época de seu estabelecimento foi ao final da criação (Gênesis 2:3). (…) Que esta instituição ainda está em vigor entre todos os homens é evidente pelo fato de que o quarto mandamento, que o contém, nunca foi revogado. É mais evidente de acordo com o exemplo dos apóstolos e dos primeiros cristãos.”23

“É verdade que não há mandamento autorizando o batismo infantil. Tampouco existe algum que mantenha sagrado o primeiro dia da semana. Muitos acreditam que Cristo mudou o sábado. Mas, a partir de Suas próprias palavras, observamos que Ele não veio com essa finalidade. Aqueles que acreditam que Jesus mudou o sábado se baseiam apenas em hipóteses.”24

Igreja Presbiteriana

“Tem sido frequentemente afirmado que, durante Seu próprio ministério, o nosso Salvador encorajou Seus discípulos a violar o sábado, e, assim, preparou o caminho para a sua abolição. No entanto, esta teoria é tãodestituída de fundamento quanto perigosa aos princípios morais. (…) Jesus nunca transgrediu nem a letra ou o espírito de qualquer mandamento pertencente ao santo descanso; mas a superstição tinha acrescentado à lei escrita uma multidão de minuciosas observâncias; e cada israelita estava em perfeita liberdade para negligenciar qualquer uma ou todas essas regulamentações frívolas.

O Grande Mestre nunca insinuou que o sábado era uma lei cerimonial que findou com a liturgia mosaica. Ele foi instituído quando nossos primeiros pais estavam no paraíso (Gênesis 2:3); e o preceito que ordena a sua lembrança, sendo uma parte do Decálogo (Êxodo 20:1-17), é de obrigação perpétua. Por isso, em vez de considerá-lo como uma simples instituição judaica, Cristo declara que ele ‘foi feito para o homem’ (Marcos 2:27), ou, em outras palavras, que ele foi planejado para o benefício de toda a família humana.

(…) Quando Ele anuncia as calamidades relacionadas com a ruína da cidade santa, Ele instrui Seus seguidores a orar para que a urgência da catástrofe não os despojem do bem-estar da ordenança sagrada de descanso. ‘Rogai‘, disse Ele, ‘que a vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado’ (Mateus 24:20). E o profeta Isaías(g), ao descrever a congregação dos gentios e a glória da Igreja nos tempos do evangelho, menciona a guarda do sábado como característica dos filhos de Deus.”25

“O sábado é uma parte do Decálogo, os Dez Mandamentos. Isso por si só, sempre resolve a questão da perpetuidade da instituição. (…) Sendo assim, até que seja demonstrado que toda a Lei Moral fora revogada, o sábado permanecerá. (…) O ensinamento de Cristo confirma a perpetuidade do sábado.”26

“A história do sábado, a partir da ressurreição de Cristo até o presente momento, apresenta as seguintes fases: 1. A mudança do dia a ser observado, do último dia da semana para o primeiro. Não há nenhum registro expresso autorizando esta mudança. (…) A primeira fase abrange os três primeiros séculos da era cristã. Durante este tempo, o sábado foi observado com um bom grau de rigor, como um dia de ensino religioso e de culto. (…) 2. Com a crescente corrupção religiosa, entre os séculos terceiro e décimo sexto, o sábado chegou a ser gradualmente associado com os dias dos santos(h), e foi degradado, como atualmente, em países onde o Romanismo prevaleceu. (…) No entanto, onde o evangelho foi pregado em sua pureza, nesse lugar o sábado foi absolutamente observado.”27


Vídeos relacionados: O Sétimo Dia – Programa 08A Mensagem do SábadoCremos no Sábado

a. Acesse: Bíblia versus Patrística

b. Acesse: O “dia do SENHOR”

c. Acesse: A Guarda Dominical e o “deus Sol”

d. Acesse: O Concílio de Laodicéia

e. Discorrendo sobre Colossenses 2:16.

f. Citando Isaías 45:9 cf Isaías 40:22.

g. Em referência a Isaías 56:6-8.

h. O sábado passou a ser destinado, pelos cristãos apostatados, para comemorar (festejar) homens e mulheres que eram considerados santos pela Igreja Católica Apostólica Romana.

1The Clifton Tracts, 1856, vol. IV, New York: Edward Dunigan & Brother, p. 11-15; (sancionado pelo bispo de Clifton, cardeal Wiseman e, aprovado pelo Rev. John Hughes, arcebispo de Nova Iorque).

2Catecismo da Igreja Católica Apostólica Romana, parte II, seção I, cap. II, art. I (O Dia do Senhor); Ibidem, parte II, seção II, cap. I, art. 3 (O Terceiro Mandamento).

3. HEBER, R. (1828). The Whole Works of the Right Rev. Jeremy Taylor, D.D., vol. XII, London: Printed by Thomas Davison, book II, chap. II, p. 417, 426.

4. “The Christian Sabbath”. (1836). The Church of England Magazine, vol. I, London: Printed by Robson, Levey, p. 17-19.

5. RICHARDS, L. O. (2008). Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento, 3.ª ed., Rio de Janeiro: CPAD, p. 150b.

6Bíblia de Estudos Aplicação Pessoal, 2004, ed. CPAD, p. 7; (comentários sobre Gênesis 2:3).

7Bíblia de Estudo Pentecostal, ed. CPAD, comentários sobre Gênesis 2:3.

8. RICHARDS, L. O. (2008). Obcit., p. 514b.

9. Edward T. Hiscox, New York Examiner, Nov. 16, 1893. Quoted in: REINER, E. (2001). The Atonement, Brushton-NY: Teach Services, Inc., p. 170-171.

10. STRONG, A. H. (1907). Systematic Theology, vol. II, Philadelphia: American Baptist Publication Society, chap. IV, sec. I, p. 408-409.

11. DWIGHT, T. (1836). Theology: Explained and Defended in a Series of Sermons, vol. III, New Haven: Published by T. Dwight & Son, ser. CVIII, p. 265, 267.

12Ibidem, p. 270; (cf. Isaías 56:1-8; Isaías 58:13-14; Isaías 66:22-23).

13. FOWLER, O. (1835). Mode and Subjects of Baptism, Boston: Published by Willian Peirce, p. 93; (publicado a pedido da Igreja Congregacional).

14. DALE, R. W. (1901). The Ten Commandments, New York: Geoge H. Doran Company, p. 100-101.

15. CAMPBELL, A. (1835). The Christian Baptist, vol. I, 2.ª ed., Cincinnati: Published by D. S. Burnet, p. 44b; (seven volumes in one).

16. SCOTT, W. (1859). The Messiahship, Cincinnati: H. S. Bosworth, chap. XXIX, p. 164.

17. CAMPBELL, A.; PENDLETON, W. K. (1863). The Millennial Harbinger, series V, vol. VI, Bethany, VA: Printed and Published by Alexander Campbell, p. 159. Too in: Alexander Campbell, First Day Observance, p. 19; (Quoted in: HULLQUIST, C. G. (2004). Sabbath Diagnosis: A Diagnostic History and Physical Examination of the Biblical Day of Rest, New York: Teach Services, Inc., p. 175).

18The Augsburg Confession. (1530). Part. II, article XXVIII (Of Ecclesiastical Power). Too in: JACOBS, H. E. (1911). The Book of Concord: The Symbolical Books on the Evangelical Lutheran Church, Philadelphia: The United Lutheran Press, p. 63; SCHAff, P. (1877). The Creeds of Christendom, New York: Harper & Brothers, vol. III, 4.ª ed., p. 63-64.

19. MUELLER, J. T. Sabbath or Sunday, St. Louis, MO: Concordia Publishing House, p. 15-16. Quoted in: ALEXANDER, D. (2011). Hold On, Someone is on the Other Line!, USA: Xlibris Corporation, p. 240; BUCKLEY, J. W. (2007). Prophecy Unveiled: Understanding the Past Predicting the Future, USA: Xulon Press, p. 118.

20. COLE, H. (1858). The Creation: A Commentary on the First Five Chapters of the Book of Genesis by Martin Luther, Edinburgh: T. & T. Clark, p. 110-115; (originalmente publicado em Wittenberg, 1544).

21. CLARKE, A. (1831). The New Testament of our Lord and Saviour Jesus Christ, vol. II, New York: Published by Peter C. Smith, chap. II, p. 539a.

22. EMORY, J. (1856). The Works of the Rev. John Wesley, vol. VI, New York: Published by Carlton & Porter, p. 352-353; (terceira edição americana baseada na última edição londrina, contendo as últimas correções de John Wesley).

23. BINNEY, A. (1840). A Theological Compend: A System of Divinity, New York: Published by Carlton & Porter, p. 105; (Rev. Amos Binney, of the New England Conference).

24. BINNEY, A. (1902). A Theological Compend, p. 180-181. Quoted in: HULLQUIST, C. GARY. Opcit., p. 178; LAUREN, P. (2011). Returning to God, Pittsburgs-PA: Dorrance Publishing, p. 64.

25. KILLEN, W. D. (1859). The Ancient Church: History, Doctrine, Worship and Constitution, Traced for the First Three Hundred Years, London: James Nisbet & CO., sec. III, chap. I, p. 211-212.

26. BLAKE, T. C. (1880). Theology Condensed, Nashville: Cumberland Presbyterian Pub. House, p. 474-475. Quoted in: FORTSCH, C. R. (2006). Daniel: Understanding the Dreams and Vision, Canada: Transcontinental Saskatoon, p. 365a; PACK, D. C. (2009). Saturday or Sunday: Which is the Sabbath?, USA: iUniverse, p. 12.

27. RICE, N. L., et al. (1863). The Christian Sabbath: History, Authority, Duties, Benefits and Civil Relations, New York: Robert Carter & Brothers, p. 60, 65-66; (“The Origen and History of the Sabbath“, by the Rev. Nathan Lewis Rice).

IASDonLine

Anúncios

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Segunda Mensagem e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s