Domingo: Homenagem Protestante aos Católicos

Em 22 de maio de 1934 John L. Day, de Thomaston, Ga., EUA, obteve a seguinte resposta de The Catholic Extension Magazine, que no cabeçalho declara ser “a maior revista católica publicada nos EUA” para uma pergunta que fez sobre a questão sábado/domingo:

Com respeito à mudança da observância do sábado judaico para o domingo cristão, desejo chamar sua atenção para estes fatos:

(1) Que os protestantes que aceitam a Bíblia como regra de fé e religião, devem por todos os meios retornar à observância do sábado. O fato de que não o fazem, mas, ao contrário, observam o domingo, os estultifica aos olhos de todo homem pensante.

(2) Nós católicos não aceitamos a Bíblia como a única regra de fé. Além da Bíblia temos a Igreja viva, a autoridade da igreja como uma regra para nos guiar. Dizemos que esta igreja instituída por Cristo, para ensinar e guiar o homem através da vida, tem o direito de alterar as leis cerimoniais do Velho Testamento e daí, aceitamos sua mudança do sábado pelo domingo. Nós dizemos francamente: “Sim, a igreja fez esta mudança, criou esta lei, tal como fez muitas outras leis; por exemplo, o jejum da sexta-feira, o celibato sacerdotal, as leis concernentes aos casamentos mistos, o regulamento dos matrimônios católicos, e um milhar de outras leis”.

(3) Também declaramos que de todos os protestantes, os adventistas do sétimo dia constituem o único grupo que raciocina corretamente e é coerente com seus ensinos. É sempre um bocado engraçado ver igrejas protestantes, em púlpitos e legislaturas, requerendo a observância do domingo, sobre a qual nada consta na Bíblia. – Peter R. Tramer, Editor.

“Foi a Igreja Católica que, pela autoridade de Jesus Cristo, transferiu este repouso para o domingo em lembrança da ressurreição de nosso Senhor. Assim, a observância do domingo pelos protestantes é uma homenagem que prestam, malgrado seu, à autoridade da Igreja [Católica]”. – Louis Gaston de Ségur, Plain Talk About the Protestantism of To-day [Conversa Franca Sobre o Protestantismo de Hoje] (Boston; Patrick Donahoe, 1868), p. 225.

Pergunta: Como provamos que a Igreja tem poder de ordenar as Festas e Dias Santos?
Resposta: Pelo ato mesmo de mudar o sábado para o domingo, que é admitido pelos protestantes, e, portanto, contradizem-se por observarem tão estritamente o domingo, enquanto violam a maioria das outras festas ordenadas pela mesma igreja.

Pergunta: Como se prova isto?
Resposta: Porque por observar o domingo eles reconhecem o poder da Igreja para ordenar festas e exigi-las sob pena de transgressão, e por não observar as demais, igualmente por ela ordenadas, negam de fato o mesmo poder. – Manual of Christian Doctrine [Manual da Doutrina Cristã] , ou Catholic Belief and Practice [Crença e Prática Católicas] (Dublin: M. H. Gill & Son Ltd., 1916) pp. 67, 68.

“Observamos o domingo em lugar do sábado porque a Igreja Católica, em virtude de sua autoridade, transferiu a solenidade do sábado para o domingo”. – Peter Geiermann, The Convert’s Cathecism of Catholic Doctrine, pág. 50. Geiermann recebeu a “bênção apostólica” do Papa Pio X por seus trabalhos em 25 de janeiro de 1910.

Fonte: Prof. Azenilto Brito

Nota:

Já que se fala tanto, hoje em dia, em exame de DNA para determinar a paternidade ou mesmo a maternidade de uma criança (rs até uma distribuidora de gasolina falou “DNA”, para demonstrar a pureza do seu produto), nada melhor do que fazer um exame de verificação do DNA de todas estas igrejas protestantes e outras ditas evangélicas que professam pureza doutrinária e serem portadoras da Verdade:

“Já que o Sábado, e não o domingo, é especificado na Bíblia, não é curioso que os protestantes, que professam extrair da Bíblia a sua religião, observem o domingo ao invés do Sábado. Sim, é claro, não faz sentido, mas a mudança foi feita cerca de quinze séculos antes do protestantismo nascer. Eles continuaram a obedecer a este costume [TRADIÇÃO], embora esteja baseado na autoridade da Igreja Católica e não num texto explícito da Bíblia.

“Esta observância continua como uma lembrança da Igreja-Mãe da qual os protestantes se desligaram, como um garoto que foge de sua mãe mas ainda carrega em seu bolso uma foto ou um cacho de cabelos de sua mãe”. – Reverendo John O’Brian, A Fé de Milhões, págs. 421-422.

DNA DOUTRINÁRIO

Alguns pontos importantes para situar bem o leitor nesta questão:

Biblicamente, só existem duas Igrejas: a Igreja Verdadeira e a Igreja falsa;

Tanto uma como a outra são – profeticamente – apresentadas sob o simbolismo de mulheres (em profecia, mulher simboliza Igreja);

A Igreja Verdadeira é representada por uma mulher pura, virgem – não contaminada com falsas doutrinas: “Viu-se grande sinal no céu, a saber, uma mulher vestida do Sol com a Lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça” (Apocalipse 12:1). “Porque zelo por vós com zelo de Deus; visto que vos tenho preparado para vos apresentar como virgem pura a um só esposo, que é Cristo” (II Coríntios 11:2);

A Igreja falsa é representada por uma mulher devassa – contaminada por inúmeras doutrinas falsas: “Veio um dos sete anjos que têm as sete taças e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei o julgamento da grande meretriz que se acha sentada sobre muitas águas […] vi um mulher montada numa besta escarlate, besta repleta de nomes de blasfêmia, com sete cabeças e dez chifres. Achava-se a mulher vestida de púrpura e de escarlata, adornada de ouro, de pedras preciosas e de pérolas, tendo na mào um cálice de ouro transbordante de abominações e com as imundícias da sua prostituição. Na sua fronte, achava-se escrito um nome, um mistério: BABILÔNIA, A GRANDE, A MÃE DAS MERETRIZES E DAS ABOMINAÇÕES DA TERRA” (Apocalipse 17: 1, 3-5).

Babilônia é o Sistema da Falsa Adoração. Babilônia é o Complexo da Falsa Religião, Que Reúne Todos os Credos, Denominações e Religiões Divorciadas da Verdade [suas filhas]. De acordo com Apocalipse 17:1-5, todas estas religiões podem considerar-se, legitimamente, filhas de Babilônia: a Grande Meretriz.

Há muitas sinceras que – atraídas pelo “ouro”: brilho e aparência da falsa religião – estão sendo ludibriadas e presas ao engano. Para todos estes vem o alerta divino das Três Mensagens Angélicas de Apocalipse 14 (versos de 6 a 12) que:

1) Enfatiza a verdadeira adoração: Apocalipse 14:7;

2) Desmascara o sistema da falsa religião: Babilônia: Apocalipse 14:8;

3) Adverte a toda a humanidade quanto aos perigos espirituais de se manter quaisquer vínculos com Babilônia: Apocalipse 14:9-11;

4) Destaca uma das características principais da Verdadeira Igreja de Cristo, identificando-a em meio à confusão religiosa dos últimos dias da História deste mundo: Apocalipse 14:12.

Em Apocalipse 18, temos todo um capítulo reservado integralmente para a descrição dos juízos finais de Deus sobre Babilônia e todos aqueles de, de uma forma ou de outra, estiverem associados à falsa adoração; neste contexto, encontramos o veemente apelo divino: “Ouvi outra voz do Céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo Meu, para não serdes cúm[lices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos” (Apocalipse 18:4).

IASDemFoco

Anúncios

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em A Lei de Deus e Temas Relacionados, Catolicismo e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s