Modéstia: A flor das etiquetas

Resgate de uma virtude que abrange mais que vestimenta e inclui homens e mulheres.

Recentemente, Wend Shalit escreveu um livro intitulado O Retorno à Modéstia: A Virtude Perdida. A motivação para escrever esse livro surgiu quando a jovem autora se deparou com uma seita judaica que proibia o contato físico entre homens e mulheres, antes do casamento.

No entanto, o que mais a comoveu não foi a postura supostamente ultrapassada e pouco social de mulheres que mantinham o corpo todo coberto, resistindo a uma sociedade que atualmente se encontra impregnada com elementos sexuais. Ao contrário disso, Wend Shalit se viu espantada diante das amigas mais próximas que condenavam e discriminavam a modéstia revelada por essas mulheres.

Depois de empreender uma cuidadosa pesquisa em comunidades judaicas e islâmicas que se caracterizavam por manter elevado nível com respeito ao vestuário e ao comportamento sexual, Shalit chegou à conclusão de que a modéstia é um dom natural que as mulheres possuem. Segundo ela, a modéstia é uma excelente defesa que coloca a mulher fora do alcance de homens que não estão preparados para assumir um compromisso sério e que não estão dispostos a tratá-las com respeito.

As palavras de Shalit fazem eco à seguinte recomendação bíblica, feita pelo apóstolo Paulo: “Da mesma forma, quero que as mulheres se vistam modestamente, com decência e discrição, não se adornando com tranças e com ouro, nem com pérolas ou com roupas caras” (1Tm 2:9).

Desde o início, a comunidade cristã primitiva levou a sério a modéstia. Tertuliano, autor cristão do segundo século, escreveu seis livros especialmente dedicados a esse assunto. Em um deles, recomendava que o cristão não se preocupasse tanto em vestir a toga, típica dos políticos romanos, mas preferisse o pálio, a roupa dos filósofos gregos.

Tertuliano também dedicou outro livro para expor conselhos sobre o modo como as moças solteiras deveriam se vestir. Finalmente, escreveu o livro Modéstia, cujo prefácio declara: “A modéstia é a flor das etiquetas, a honra de nosso corpo, a graciosidade dos sexos, a integridade de nosso sangue, a garantia de nossa descendência, a base de nossa santidade e o indício de que temos boa disposição.” Certo cristão anônimo disse que “a modéstia é o forte que guarda o castelo e o quadro que destaca a pintura”.

Portanto, existem boas razões para que nos vistamos com modéstia e recato. A modéstia faz parte da tradição cristã, embeleza a pessoa e protege nosso corpo da tentação e dos avanços de pessoas levianas.

No entanto, os princípios da modéstia não são a mesma coisa que uma série de regras legalistas impostas à mulher. Padrões de modéstia fazem parte da cultura de um povo e podem ser usados, com boa ou má fé, a fim de perpetuarem o domínio de certas pessoas sobre outras. Por isso, é preciso que a modéstia seja vista como reflexo de algo maior que a maneira de nos vestirmos, ou seja, deve incluir nossa fala e nossas intenções, bem como ser aplicada indiscriminadamente a homens e mulheres.

A modéstia começa no coração e, por essa razão, está sempre na moda diante de Deus.

Tânia M. L. Torres – Esposa de pastor e professora no Unasp, Engenheiro Coelho, SP.

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Artigos Revista Ministério, Modéstia Cristã e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Modéstia: A flor das etiquetas

  1. Aguinaldo disse:

    Equilibrio e contextualização, 2 tópicos fundamentais ao se falar de modéstia. No Iraque as mulheres devem se vestir de certa forma, numa aldeia do alto Xingu o contexto muda completamente. Como cristão devo me portar de forma a não causar escândalo. Qual a sociedade em que estou assim devo me vestir ou não vestir. Se estiver no oriente médio uso túnica, se estiver na cidade de Cap D’agde na França, deverei andar nu.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s