Mudança do Sábado para o Domingo

Na Bíblia, o primeiro dia da semana, ao qual chamamos de Domingo, é mencionado somente oito vezes.

As quatro primeiras são: Mateus 28:1, Marcos 16:1-2, Lucas 24:1, João 20:1. Estas passagens dizem a mesma coisa sobre o mesmo assunto: que as mulheres foram ao sepulcro, no primeiro dia da semana para ungir o corpo de Jesus.

Em nenhuma delas há qualquer referência à santidade do Domingo ou a santidade do dia da ressurreição de Cristo.

Jesus guardou o Sábado até na morte

• Morreu na Sexta,
• descansou no Sábado,
• e ressucitou no Domingo.

As outras passagens são as seguintes:

Marcos 16:9
Fala que Cristo ressuscitou no primeiro dia da semana e que apareceu para Maria Madalena. Neste texto também, nada há referente à santidade desse dia.

João 20:19
Diz que os discípulos estavam trancados em casa, com MEDO dos Judeus. Vale acrescentar que eles estavam reunidos desde Sexta-feira. Eles também temiam ser presos e julgados. Não era uma reunião religiosa.

Atos 20:7
Esta é a primeira passagem que menciona uma reunião religiosa no primeiro dia da semana, o Domingo. Paulo estava em Trôade há sete dias e iria partir para continuar sua viagem no dia seguinte, a fim de dar as últimas mensagens. Por isso, convocou a reunião com os Cristãos. Não existe nada neste verso sobre a santidade do Domingo ou coisa que se assemelhe a isso. Era uma reunião religiosa, como a que hoje fazemos aos Domingos à noite, às Terças ou Quartas-feiras. O fato de nos reunirmos nesse dia não o torna mais ou menos santo.

1 Coríntios 16:2
Este verso diz que o primeiro dia da semana era o dia destinado à separação das coisas que iriam ser doadas aos necessitados. Note que o apóstolo ia de casa em casa fazer a coleta. Não era um dia de reunião, nem era considerado sagrado. Então, como vemos, não há nada nessas oito citações bíblicas que contenha algum mandamento indicando a guarda do primeiro dia no lugar do Sábado.

Não há nada que fale da santidade do dia da ressurreição ou que deveríamos guardar o Domingo de alguma forma. E também não há nada que anule qualquer um dos Dez Mandamentos.

Então, repito a pergunta:

Se Jesus tivesse a intenção de mudar algum dos mandamentos, será que Ele não teria dito isso claramente? Teria ele se “esquecido” de um assunto desta importância e deixado a ordem apenas nas entrelinhas?

Se acreditamos na Bíblia como fonte de toda verdade sobre Deus e Sua vontade, chegamos à conclusão de que nada foi dito ou escrito no sentido de provocar uma mudança do dia de guarda do sétimo dia, O SÁBADO, para o primeiro dia, O DOMINGO.

Além do mais, Cristo afirmou que sua Lei não mudaria, e que Ele veio cumpri-la mas não revogá-la.

“Não penseis que vim revogar a Lei ou os profetas; não vim para revogar, vim para cumprir.” Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.” Mateus 5:17,18

Então, chegamos a uma pergunta crucial:

Quem, quando, como, e com que autoridade mudou o Santo Dia do Senhor DO Sábado PARA o Domingo?

A Mudança

O primeiro dia da semana era considerado, pelos antigos Babilônicos, como dia de culto ao Sol.

No ano de 274 depois de Cristo, o Imperador romano Aureliano adotou o culto ao Sol como religião oficial. O imperador instituiu o primeiro dia da semana, o Domingo, como o venerável dia do Sol, ou DIES SOLIS no Latim.

Ainda hoje, em algumas línguas, o Domingo mostra suas origens: SUNDAY (em Inglês) e SOONTAG (em Alemão) querem dizer “Dia do Sol”.
Sábado em Hebraico quer dizer “descanso”.

Em 321 D.C, o Imperador Constantino, baixou um decreto obrigando a todos os que viviam sob seus domínios a honrar o dia do Sol:

“Que os juízes e o povo das cidades,bem como os comerciantes, repousem no venerável dia do Sol. Aos moradores dos campos, porém, conceda-se atender, livre e desembaraçadamente, aos cuidados da lavoura”

Convém lembrar que, desde aproximadamente o ano 100 D.C, a religião Cristã era veementemente perseguida por Roma, e que centenas de milhares perderam suas vidas defendendo e provando sua fé diante dos leões e das labaredas de fogo.

Esta perseguição só teve fim com a “conversão” do imperador Constantino ao Cristianismo. Esta “conversão” política tinha o claro objetivo de apaziguar as perseguições, bem como o de conceder poder à ascendente e poderosa religião Cristã.

Nessa ocasião, muitos dos costumes da religião oficial de Roma, o culto ao Sol, foram mescladas ao Cristianismo com o objetivo de atingir mais facilmente os pagãos. Um desses costumes foi a guarda do Domingo junto com a do Sábado, ou seja, a criação do nosso final de semana.

Tiveram origem, a partir dessa data, várias festas religiosas, que utilizaram motivos e datas pagãos, para converter os incrédulos, mais facilmente, como por exemplo:

• A Páscoa Cristã no lugar do ritual de fertilidade
• O Natal de Jesus no lugar do sostício de outono.

Cerca de 40 anos mais tarde, a Igreja Cristã, já mais poderosa e organizada, através de seus Bispos, realizou o Concílio de Laodicéia, onde, oficialmente e sem nenhuma intervenção Divina, mudou o Santo dia de guarda do Sábado para o Domingo:

“ Os cristãos não devem judaizar,ou estar ociosos no Sábado, mas trabalharão nesse dia; o dia do Senhor (Domingo), entretanto, honrarão especialmente, e, como Cristãos, não devem, se possível, fazer qualquer trabalho nele. Se, porém, forem achados judaizando, serão separados de Cristo.” (Cânon 29, do Concílio de Laodicéia, em 364 d.C.).

Este surpreendente decreto nos apresenta duas verdades:

 A primeira é que, ao contrário do que muitos afirmam, o Sábado era observado e honrado pelos Cristãos até o quarto século depois de Cristo. Se não fosse o caso, não haveria necessidade de um decreto para desobrigá-lo.

• A segunda verdade é que não houve qualquer base bíblica para a mudança do dia de adoração. O objetivo aqui era que os Cristãos não fizessem nada que lembrasse o Judaísmo, ou seja, o povo que matou o Senhor Jesus Cristo.

Este ato revela o grande sentimento anti-semita vigente na época, e a ânsia, a qualquer preço, de distinguir os Cristãos desse povo.

Notem que a ordem do concílio é guardar o Domingo “se possível”, enquanto é bem enérgico em dizer que quem guardar o Sábado “será separado de Cristo”.

Como vemos, a mudança foi gradativa do Sábado verdadeiro para o Domingo. Foi também forçada e sem qualquer base nas Escrituras.

Veja o que disse o Cardeal Gibbons, arcebispo de Baltimore e primaz da Igreja Católica nos Estados Unidos:

“Podereis ler a Bíblia de Gênesis ao Apocalipse, e não encontrareis uma única linha que autorize a santificação do Domingo. As escrituras ordenam a observância religiosa do Sábado, dia que nós nunca observamos.”
Faith of our fathers, Pg. 89, 1896.

Nunca foi da vontade de Deus que sua Santa Lei fosse revogada e reescrita, embora esses atos humanos já fossem previstos tanto no Novo, como no Velho Testamento:

“Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles.” Atos 20.29-30

“Todo aquele que nega o Filho, esse não tem o Pai; aquele que confessa o Filho tem igualmente o Pai. Permaneça em vós o que ouvistes desde o princípio. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis vós
no Filho e no Pai.” I João 2.23-24

“Proferirá palavras contra o Altíssimo, magoará os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a Lei; e os santos lhe serão entregues por um tempo, dois tempos e metade de um tempo.” Daniel 7.25

“O exército lhe foi entregue, com o sacrifício diário, por causa das transgressões; e deitou por terra a verdade; e o que fez prosperou.” Daniel 8:12.

Peter P. Goldschmidt, Sábado, o Selo de Deus, capítulo 5.

Leia Também:

Capítulo 6: Sábado: O Selo de Deus

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em A Lei de Deus e Temas Relacionados, Sábado: O Selo de Deus (Livro), Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Mudança do Sábado para o Domingo

  1. katiamac disse:

    Q maravilhosa explicação. Nao sou da igreja dos adventistas do setimo dia, mas respeito todo e qualquer procedimento. Apos ter tido essa leitura, passei a entender melhor essa questao do dia do sabado e do domingo. Concordo (claro) que deva-se separar o dia do “Sabado” (descanso) para o santificar, assim como deveriamos trabalhar no primeiro dia da semana (que no nosso sistema atual isso nao ocorre). Portanto o que é necessario é que dediquemos um dia da semana especialmente para o Senhor e nao ficarmos preocupados em estar desagradando ao Senhor por nao santificarmos o dia de sabado, pois se assim fosse, como disse antes, deveriamos trabalhar no dia de domingo (que é considerado o ultimo dia da semana). Como diz as Escrituras: “…o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem olha para o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coraçao.” (I Sam.16.7). Me baseando nessas palavras, que o Senhor olha para o coração, sigo em frente dedicando ao Senhor todo o meu amor e serviço a Ele no dia de Domingo, que é o dia do meu descanso (aqui no mundo em que vivemos).
    Esta é apenas a minha visao. E obrigada pela explicação fornecida.

  2. katiamac. se voce soubessi que todo este papo de sábado e domingo, é uma quedinha de braço entre sábaticos e domingueiros! que o melhor é descansar em cristo seja que dia for.pois ele alivia nossos fardos sempre que o evocarmos. mas as pessoas não tem coragem, não deixam email. nem mesmo os adventistas que frequentam as assembléias. e nem voce. que é de outra igreja. mas o meu tá ai. abraço

  3. Luis Chacon disse:

    Ferraz, Ferraz, por que nos persegue hehehe brincadeirinha! Meu querido e assíduo leitor deste blog (tá virando Adventista em meu velho hehehe), aqui parece que ninguém quer convenser ninguém de nada, ninguém vai deixar email porque o motivo aqui não é debate, foi dada uma explicação, e se você leu os capítulos anteriores viu que se falou de outras coisas, entre elas o Sábado. Meu irmão, Deus não te obriga nem a amá-lo Olha vou te dizer uma coisa, se eu chegar em casa e disser para minha esposa: “querida, sou um homem livre, não estou debaixo da Lei”, olha certamente ela vai desconfiar, porque a Lei diz que não se deve adulterar, sabe como são as mulheres, desconfiaaadas… Ela talvez não entenda que eu não tenho que guardar a Lei só porque sou salvo pela Graça, po meio da Fé. Porque provavelmete ela vai entender que Graça é Graça, é de Deus, Ele da esse benefício, mas e dai? e a Lei onde entra? A Lei não entra, porque nunca saiu, Deus te deu este benefício, mas como ele sabe que você aceitou? alguém pode dizer: Ah, tô salvo, beleza, vou é curtir a vida, encher a cara, vou depois do trabalho sair com umas amigas, digo pra minha mulher que fiquei até mais tarde, tô salvo mesmo, que importa, não há mais pecado, pois só há pecado porque há Lei, então faço o que quero, vai ser uma maravilha, sabadão vou bater uma bola com os amigos, e assim vamos nos esquecendo do Criador, o Sábado para mim é realmente um memorial, ou seja, me realça a memória, eu penso em Deus e faço minhas orações todos os dias, muitas vezes de madrugada, mas conseguimos orar todo tempo?, não se consegue, o que consigo é dar graças a Deus por alcançar algum objetivo durante o dia, à noite estamos exaustos, oramos e pumba, cama. Sábado meu querido tenho o Dia para lembrá-lo, louvá-lo, cantar (by the way, escuto musicas da Igreja o dia todo até na acdemia, não suporto música de academia) ver os irmãos, olha, como gosto de ir à Igreja nos Sábado, alias o novo pastor da Igreja daqui é uma figura, ele foi piloto de aviào, um jovem super dinãmico. Me lembro quando depois do culto ai no Brasil, ia ter aula com a inesquecível e amada irmã Angelina, uma verdadeira enciclopédia, minha segunda mãe, amava demais aquela senhora, a mulher sabia tudo e mais um pouco, e foi católica na juventude, que saudades. Essas e outras coisas me fazem gostar muito de guardar o sábado, a doutrina da IASD para mim parece a correta, pois está de acordo com a Bíblia. Abração

  4. katiamac disse:

    Luis, so hj vi o comentario do Ferraz, por isso gostaria de falar mais um pouquinho…rs sem polemizar nada. Gostei qdo vc disse q esses textos nao é pra convencer ninguem a nada…por isso nao coloquei meu email, é isso ai.
    Como vc mesmo disse:
    – “..o Sábado para mim é realmente um memorial, ou seja, me realça a memória,…”
    suas palavras realmente me fortaleceram ainda mais, pq pra mim o Domingo ou o Sabado é realmente um MEMORIAL, ou seja, me realça a memória da dedicação, da comunhao…com o meu Senhor, assim sendo vou continuar dedicando ao meu Senhor o Domingo, alem do q Ele olha o meu coração e nao estou me rebelando contra a Biblia, entendo q a tradição levou o Domingo para o descanso modificando o “dia do Senhor”. Se não aparece na biblia o dia do Senhor como domingo eu sei, mas tb sei q se assim fosse todos os adventistas deveriam trabalhar no domingo, e isso nao acorre por causa da tradição; entao nada/tudo esta certo e nada/tudo esta errado.
    O melhor de mim, eu dedico no domingo ao meu Senhor pois pra mim, esse é o dia dEle.
    Abraços humilde de uma serva em aprendizagem constante.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s