A Caminho do Éden – Mais Perto do que Nunca de Nosso Destino Final

Hoje, a igreja é militante. Estamos enfrentando agora um mundo na escuridão de meia-noite, quase inteiramente entregue à idolatria. Mas está chegando o dia em que a batalha será travada, e ganha a vitória. A vontade de Deus deve ser feita na Terra assim como no Céu. Então, as nações não terão outra lei, exceto a do Céu. Todos farão parte de uma família feliz e unida, envolvida pelas vestes de louvor e gratidão – as vestes da justiça de Cristo. Toda a natureza, em seu maravilhoso encanto, oferecerá a Deus uma incessante homenagem de louvor e adoração. O mundo será inundado pela luz do Céu. […]

Precisamos ter uma perspectiva do futuro e das bênçãos do Céu. Coloquemo-nos no limiar da eternidade e ouçamos as alegres boas-vindas àqueles que nesta vida cooperaram com Cristo, reconhecendo como privilégio e honra sofrer por Sua causa. Ao se unirem aos anjos, eles lançam suas coroas aos pés do Redentor, exclamando: “Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor. […] Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos” (Ap 5:12, 13).

Salvos pela graça – Os remidos saúdam os que os conduziram ao grande Salvador, e todos se unirão no louvor Àquele que morreu para que os seres humanos pudessem viver à semelhança de Deus. O conflito está terminado. As tribulações e lutas chegaram ao fim. Cânticos de vitória enchem todo o Céu quando os remidos estão ao redor do trono de Deus. Unidos, em júbilo, entoam: “Digno é o Cordeiro, que foi morto” (Ap 5:12), e vive outra vez, como triunfante vencedor.

Você percebe a inspiração dessa visão? Já experimentou deixar sua mente se demorar nessa cena?1

A obra da redenção será concluída. Onde abundou o pecado, superabundou a graça de Deus. A Terra, o próprio campo que Satanás alega ser seu, será não apenas redimida, mas exaltada. Nosso pequeno mundo, sob a maldição do pecado, a única mancha escura na Sua gloriosa criação, será honrado acima de todos os outros mundos do Universo de Deus. Aqui, onde o Filho de Deus habitou na humanidade; onde o Rei da Glória viveu, sofreu e morreu – aqui, quando Ele houver feito novas todas as coisas, será o tabernáculo de Deus com os homens, “com eles habitará, e eles serão o Seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus” (Ap 21:4, RC). E através dos séculos infindos, enquanto os remidos andam na luz do Senhor, hão de louvá-Lo por Seu inefável Dom – Emanuel, “Deus conosco”.2

“Vi um novo céu, e uma nova Terra. Porque já o primeiro céu e a primeira Terra passaram” (Ap 21:1). O fogo que consome os ímpios purifica a Terra. Todo vestígio de maldição é removido. Nenhum inferno a arder eternamente conservará perante os resgatados as terríveis consequências do pecado.

Apenas uma lembrança permanece: nosso Redentor sempre levará os sinais de Sua crucifixão. Em Sua fronte ferida, em Seu lado, em Suas mãos e pés, estão os únicos vestígios da obra cruel que o pecado efetuou. Diz o profeta, contemplando Cristo em Sua glória: “Raios brilhantes saíam da Sua mão, e ali estava o esconderijo da Sua força” (Hc 3:4). Suas mãos, Seu lado ferido de onde fluiu a corrente carmesim, que reconciliou o homem com Deus – ali está a glória do Salvador, ali está “o esconderijo da Sua força”. […] E os sinais de Sua humilhação são a Sua mais elevada honra; através da eternidade os ferimentos do Calvário Lhe proclamarão o louvor e declararão Seu poder.

Éden restaurado – “A ti, ó torre do rebanho, monte da filha de Sião, a ti virá; sim, a ti virá o primeiro domínio” (Mq 4:8). Chegado é o tempo, pelo qual santos homens têm esperado com anseio desde que a espada inflamada vedou o Éden ao primeiro casal – tempo “para a redenção da possessão de Deus” (Ef 1:14). A Terra, dada originariamente ao homem como seu reino, traída por ele às mãos de Satanás, e tanto tempo retida pelo poderoso adversário, foi recuperada pelo grande plano da redenção. Tudo que se havia perdido pelo pecado foi restaurado. “Assim diz o Senhor […] que formou a Terra, e a fez; Ele a estabeleceu, não a criou vazia, mas a formou para que fosse habitada” (Is 45:18).
O propósito original de Deus na criação da Terra se cumpre, quando ela é feita a
eterna morada dos remidos. “Os justos herdarão a Terra e habitarão nela para sempre” (Sl 37:29).

Na Bíblia, a herança dos salvos é chamada de “pátria” (Hb 11:14-16). Ali o Pastor celestial conduz Seu rebanho às fontes de águas vivas. A árvore da vida produz seu fruto de mês em mês, e as folhas da árvore são para a saúde das nações. Existem torrentes sempre a fluir, claras como cristal, e ao lado delas, árvores ondeantes projetam sua sombra sobre as veredas preparadas para os resgatados do Senhor. Ali as extensas planícies avultam em colinas de beleza, e as montanhas de Deus erguem seus altivos píncaros. Nessas pacíficas planícies, ao lado daquelas correntes vivas, o povo de Deus, durante tanto tempo peregrino e errante, encontrará um lar.

A dor não pode existir na atmosfera do Céu. Ali não mais haverá lágrimas, cortejos fúnebres, manifestações de pesar. “A morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor […] porque as primeiras coisas são passadas” (Ap 21:4). “Nenhum morador de Jerusalém dirá: Estou doente; porque ao povo que habita nela perdoar-se-lhe-á a sua iniquidade” (Is 33:24).

Deus habita entre nós – Ali está a Nova Jerusalém, a metrópole da Nova Terra glorificada, como “uma coroa de glória na mão do Senhor, um diadema real na mão do teu Deus” (Is 62:3). “Sua luz era semelhante a uma pedra preciosíssima, como a pedra de jaspe, como cristal resplandecente.” “As nações andarão à sua luz; e os reis da Terra trarão para ela a sua glória e honra” (Ap 21:11, 24,RC). Diz o Senhor: “Exultarei por causa de Jerusalém, e Me alegrarei no Meu povo” (Is 65:19); “Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o Seu povo, e o mesmo Deus estará com eles e será o seu Deus” (Ap 21:3, RC).

Na cidade de Deus “não haverá noite”. Ninguém necessitará de repouso nem o desejará. Não haverá cansaço em fazer a vontade de Deus e oferecer louvor a Seu nome. Sempre sentiremos o frescor da manhã, e sempre estaremos longe de seu fim. “Não necessitarão de lâmpada nem de luz do Sol, porque o Senhor Deus os alumia” (Ap 22:5). A luz do Sol será sobrepujada por um brilho que não é ofuscante e, contudo, suplanta incomensuravelmente o fulgor de nosso Sol ao meio-dia.

A glória de Deus e do Cordeiro inunda a santa cidade, com luz imperecível. Os remidos andam na glória de um dia perpétuo, independentemente do Sol.

“Nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-poderoso, e o Cordeiro” (Ap 21:22). O povo de Deus tem o privilégio de manter franca comunhão com o Pai e o Filho. “Agora vemos por espelho em enigma” (1Co 13:12). Contemplamos a imagem de Deus refletida como que em espelho, nas obras da natureza e em Seu trato com os homens; mas então O conheceremos face a face, sem um véu protetor de separação. Estaremos em Sua presença, e contemplaremos a glória de Seu rosto.

A alegria dos salvos – Ali os remidos conhecerão como são conhecidos. O amor e a compaixão que o próprio Deus plantou em cada um encontrarão ali o mais verdadeiro e suave exercício. A comunhão pura com os seres santos, a vida social harmoniosa com os bem-aventurados anjos e com os fiéis de todos os tempos, que lavaram suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro, os sagrados laços que reúnem “toda a família nos Céus e na Terra” (Ef 3:15) – tudo isso concorre para constituir a felicidade dos remidos.

Ali, mentes imortais contemplarão, com deleite que jamais se fatigará, as maravilhas do poder criador, os mistérios do amor que redime. Ali não haverá adversário cruel algum, enganador, para nos tentar ao esquecimento de Deus. Todas as faculdades se desenvolverão, serão ampliadas todas as capacidades. A aquisição de conhecimentos não cansará o espírito nem esgotará as energias. Ali os mais grandiosos empreendimentos poderão ser levados avante, alcançadas as
mais elevadas aspirações, as mais altas ambições realizadas; e surgirão ainda novas alturas a atingir, novas maravilhas a admirar, novas verdades a compreender, novos objetivos a aguçar as faculdades do espírito, da alma e do corpo.

Todos os tesouros do Universo estarão abertos ao estudo dos remidos de Deus. Livres da mortalidade, alçarão voo incansável para os mundos distantes – mundos que choravam de tristeza ante o espetáculo da desgraça humana, e ressoaram com cânticos de alegria ao ouvir as novas de uma vida resgatada. Com indizível deleite, os filhos da Terra entram de posse da alegria e sabedoria dos seres não caídos. Participam dos tesouros do saber e entendimento adquiridos durante séculos e séculos, na contemplação da obra de Deus. Com visão desanuviada, olham para a glória da criação, achando-se sóis, estrelas e sistemas planetários, todos na sua indicada ordem, a circular em redor do trono da Divindade. Em todas as coisas, desde a mínima até a maior, está escrito o nome do Criador, e em todas se manifestam as riquezas de Seu poder.

E, ao transcorrerem os anos da eternidade, trarão mais e mais abundantes e gloriosas revelações de Deus e de Cristo. Assim como o conhecimento é progressivo, também o amor, a reverência e a felicidade aumentarão. Quanto mais aprendem os homens acerca de Deus, mais Lhe admiram o caráter. Ao revelar-lhes Jesus as riquezas da redenção e os estupendos feitos do grande conflito com Satanás, o coração dos resgatados vibrará com mais fervorosa devoção e, com tamanha arrebatadora alegria, dedilharão as harpas de ouro e milhares de milhares, e milhões de milhões de vozes se unem para avolumar o potente coro de louvor.

“Ouvi a toda a criatura que está no Céu, e na Terra, e debaixo da terra, e que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre” (Ap 5:13, RC).

O grande conflito terminou. Pecado e pecadores não mais existem. O Universo inteiro está purificado. Uma única palpitação de harmonioso júbilo vibra por toda a vasta criação. DAquele que tudo criou emanam vida, luz e alegria por todos os domínios do espaço infinito. Desde o minúsculo átomo até ao maior dos mundos, todas as coisas, animadas e inanimadas, em sua serena beleza e perfeito júbilo, declaram que Deus é amor.3

Ellen G. White (1827–1915) foi uma das pioneiras da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Os adventistas acreditam que ela exerceu o dom de profecia bíblico durante mais de 70 anos de ministério ativo.

Referências
1. The Adventist Review and Sabbath Herald, 17 de dezembro de 1908.
2. O Desejado de Todas as Nações, p. 26.
3. O Grande Conflito, p. 674-678.

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Espírito de Profecia, Matérias Revista Adventista, Salvação e Temas Relacionados e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s