Santuário, Graça e Éden

Os desígnios de Deus para seu povo não serão frustrados.

Quando você ouve a palavra “santuário”, que quadro vem à sua mente? Você vê a tenda do tabernáculo construído por Moisés, o belo Templo construído por Salomão ou, talvez, o santuário em que você adora a cada semana com outros irmãos? O livro de Gênesis nos apresenta o santuário mais belo que já existiu neste planeta, no Jardim do Éden.

Alguma vez você já se perguntou: Qual é o propósito de um santuário? Aqui estão algumas sugestões: Santuário é lugar em que (1) os seres humanos se comunicam com Deus, (2) é oferecida instrução religiosa e (3) a graça de Deus é experimentada. Santuário também é (4) local de refúgio. O Éden era tudo isso.

Jardim do Éden – Ao vir à existência sob a mão criadora de Deus, a Terra era bela. Era o modelo de perfeição. Gênesis nos diz: “Deus viu tudo o que havia feito, e tudo havia ficado muito bom” (1:31, NVI)1. Este mundo perfeito também era uma expressão de amor. Estava escrito amor em cada árvore, em cada arbusto, em cada folha e flor. As várias formas de vida eram um quadro de beleza: os animais, os pássaros, os peixes e outras formas de vida nas águas. O homem, o ato de coroação da criação, foi feito justo e reto. Ele trazia a imagem de seu Criador. Seu caráter era nobre, sem inclinação para o mal, e vivia em harmonia com a vontade de Deus.

Quando o ato criativo estava completo, Deus olhou para o que havia feito e ficou satisfeito. Tudo estava perfeito como somente um Deus perfeito poderia fazê-lo. Ellen G. White descreve esse momento: “Deus olhou com satisfação para a obra de Suas mãos. Tudo era perfeito, digno de seu Autor divino; e Ele descansou, não como alguém que estivesse cansado, mas satisfeito com os frutos de Sua sabedoria e bondade, e com as manifestações de Sua glória” (Patriarcas e Profetas, p. 47).

Em meio às belezas da nova criação, Deus deu a Adão e Eva outra expressão de Seu amor. Deu-lhes um lar no Jardim do Éden. Era ali que Deus conversava com nossos pais, os anjos lhes davam instruções, e foi ali que eles começaram a entender a graça de Deus. A verdade da criação e a compreensão correta da graça de Deus e da redenção são inseparáveis. Como disse o renomado historiador eclesiástico Philip Schaff, mais de um século e meio atrás: “Sem uma correta doutrina da criação, não pode haver verdadeira doutrina da redenção.”Como está claro no registro de Gênesis, o Éden era não apenas o lar de Adão e Eva, era também seu santuário.

Éden, lugar de comunhão com Deus – Em sua inocência, Adão e Eva tiveram o privilégio de ver Deus e falar com Ele face a face. Muitas vezes, Deus os visitava no santuário do Éden. Nessas ocasiões, eles não percebiam a extensão da bênção que tinham. Foi só depois de terem sido expulsos do Éden que eles entenderam o que tinham perdido. Em seguida, com a viva lembrança de sua aberta comunhão com Deus, eles se apresentavam para adorar à entrada do Éden, pois eram impedidos de passar pela “espada flamejante” para entrar em seu antigo santuário e experimentar, uma vez mais, a emoção de ver a face de Deus. A experiência que eles haviam desfrutado no santuário do Éden era negada a eles e a seus descendentes, para ser restaurada apenas na Terra renovada.

Éden, lugar de instrução religiosa – De acordo com Ellen G. White, “o santo par não era apenas filhos sob o cuidado paternal de Deus, mas estudantes a receber instrução do Criador todo-sabedoria” (Patriarcas e Profetas, p. 50).

O Criador do Sol, da Lua e das estrelas lhes revelava as leis e operações da natureza. Mas havia outras coisas que eles precisavam saber, diretamente relacionadas com sua existência. Anjos foram enviados por Deus para explicar a Adão e Eva o grande conflito. Eles foram informados a respeito de Lúcifer, sua rebelião contra Deus, Sua lei e Seu governo. Souberam da sua expulsão do Céu e que estavam então no santuário de Deus, o Éden. Visto que Adão era o representante de Deus e vice-regente do Planeta, Lúcifer pôs em ação toda a sua sabedoria e habilidade para enganar Adão, levá-lo ao pecado e usurpar sua posição. Assim, Lúcifer raciocinou, a Terra seria dele, e ele estabeleceria aqui um governo para rivalizar com o governo de Deus e Sua lei.

Adão e Eva devem ter estremecido quando a instrução dada pelos anjos alcançou sua consciência. Mas o que eles não perceberam plenamente na época foi que a forma de Deus resolver o grande conflito deveria ser outra demonstração de Seu amor imutável (ibid., p. 33). Após a queda de Adão, o resultado do grande conflito foi decidido no próprio chão que Lúcifer reivindicava como seu, quando Adão rendeu sua posição ao grande enganador.

Como parte da instrução dada no santuário do Éden, foi dada a Adão e Eva uma visão geral do grande conflito. “Assim, foram revelados a Adão fatos importantes na história da humanidade, desde o tempo em que a sentença divina fora pronunciada no Éden, até o dilúvio e, a seguir, até o primeiro advento do Filho de Deus” (ibid., p. 67).

Era extremamente importante que Adão e Eva compreendessem a causa primária do grande conflito – a recusa da parte de Lúcifer de obedecer à lei de Deus. Rebelando-se contra a lei de Deus, Lúcifer estava se rebelando contra o governo
de Deus. Os anjos explicaram cuidadosamente “a história da queda de Satanás e suas tramas para sua destruição, explicando mais completamente a natureza do governo divino, que o príncipe do mal estava procurando transtornar” (ibid., p. 52).

Além disso, era imperativo que o santo par entendesse a natureza da lei de Deus – ela é outra expressão do amor de Deus. Também era importante que eles entendessem que, como os outros habitantes do Universo, eles estavam em liberdade condicional. Sua felicidade estava sujeita à condição de obediência à lei de Deus. “Poderiam obedecer e viver, ou desobedecer e perecer” (ibid., p. 53). Também deviam compreender que a obediência à lei de Deus por parte de Suas criaturas é uma declaração de amor e gratidão por tudo que Ele lhes tem dado. “A obediência, perfeita e perpétua, era a condição para a felicidade eterna” (ibid., p. 49). Isso Adão e Eva precisavam saber, e todos os detalhes importantes lhes foram dados no santuário do Éden.

Éden, lugar de refúgio – O santuário do Éden era um lugar de refúgio para Adão e Eva. Lúcifer estava decidido a destruí-los, mas não poderia ter acesso a eles, a não ser na árvore do conhecimento do bem e do mal. Enquanto os habitantes do Éden permanecessem distantes daquela árvore, estariam seguros. Lúcifer não poderia segui-los a outras partes do jardim e tentá-los a se afastar de seu Criador. O Éden era um refúgio de seus planos do mal.

A instrução de Deus sobre a árvore proibida foi absolutamente clara: “Coma livremente de qualquer árvore do jardim, mas não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque no dia em que dela comer, certamente você morrerá” (Gn 2:16, 17, NVI). Mas, como sabemos, Eva se afastou do refúgio e se tornou vítima dos enganos de Lúcifer. Adão, confrontado com a realidade de perder a amada esposa, seguiu na desobediência à instrução de Deus e, como resultado, a família humana foi lançada sob a escravidão do pecado.

Mas Deus não abandonou a família humana. Pela primeira vez, o santuário do Éden se tornou o local para um sermão sobre a graça redentora: “Porei inimizade entre você e a mulher, entre a sua descendência e o descendente dela; este lhe ferirá a cabeça, e você Lhe ferirá o calcanhar” (Gn 3:15, NVI). Nessa declaração tranquilizadora, foram prenunciados os serviços típicos do tabernáculo erguido por Moisés e do Templo de Salomão. A ferida do calcanhar prenunciava o sacrifício de animais que apontava para o sacrifício de Jesus na cruz. A ferida da cabeça apontava para o destino do bode expiatório no Dia da Expiação, que garantia a destruição final de Lúcifer e a cessação do pecado.

No santuário do Éden, Deus começou a revelar Seu plano para a salvação da família humana e o fim do pecado. Lúcifer havia retratado Deus como estando interessado apenas em Sua própria glória e gratificação. A questão tratada naquele terrível dia no Éden foi: Teriam o Pai e o Filho amor suficiente pela humanidade a ponto de exercer abnegação e espírito de sacrifício, a fim de resgatá-la das garras de Lúcifer? (ibid., p. 70). Em Gênesis 3:15, vemos a resposta a essa pergunta desafiadora: um retumbante sim! E o sim foi confirmado e se tornou realidade quando Jesus exclamou da cruz: “Está consumado!”

Quando Adão e Eva foram criados, eles ocupavam uma posição pouco inferior à dos anjos. Mas o plano de Deus para a restauração da raça humana inclui uma experiência incrível para os que permanecem leais a Ele: “Aqueles que, na força de Cristo, vencerem o grande inimigo de Deus e do homem, vão ocupar uma posição nas cortes celestiais acima dos anjos que nunca pecaram” (Ellen G. White, General Conference Bulletin, 1º de abril de 1899). Em um ataque de ciúmes, Lúcifer planejava a destruição da humanidade. Adão e Eva viviam em um
estado de felicidade, compartilhando o amor de Deus por eles. Lúcifer se sentia infeliz diante da perspectiva da extinção externa. Assim que Adão caiu em pecado, foi separado da comunhão com Deus e foi expulso de seu santuário do Éden, Lúcifer decidiu que, no futuro, iria manter os descendentes de Adão fora de qualquer santuário que pudesse oferecer a perspectiva de restauração.

Conclusão – A experiência de Adão e Eva no santuário do Éden tem muito a nos ensinar. Primeiramente, como Deus, em Seu amor por nossos primeiros pais, fez tudo o que podia para tornar feliz a vida deles e, por isso, Ele nos trata agora dentro do contexto do Seu amor. A prova desse amor é o dom de Seu Filho à família humana. Deus deu Seu Filho. “Não O deu somente para levar os nossos pecados e morrer em sacrifício por nós; deu-O à humanidade caída. […] Deus deu Seu Filho unigênito a fim de que Se tornasse membro da família humana, retendo para sempre Sua natureza humana” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 25).

Assim como Deus pronunciou um juízo redentivo antes de remover Adão e Eva do Éden, Ele agora julga a família humana no contexto da graça redentora concedida por Seu Filho. Tendo em vista o sacrifício que Deus fez por nós e a perspectiva do juízo, é importante completarmos a experiência que os santuários do Antigo Testamento nos ensinam. Devemos nos humilhar na presença de nosso Criador e Redentor e buscar um relacionamento vivo com Ele mediante verdadeiro reavivamento e reforma, confiando totalmente em Cristo para nossa salvação e todas as necessidades. Pela graça de Cristo e tendo o Espírito Santo habitando em nós, teremos o maravilhoso privilégio de ver o jardim que Adão e Eva chamaram de lar no passado, e nele entrar. Que privilégio proclamar a mensagem dos três anjos pelo poder de Deus a fim de ver o cumprimento final do plano de Deus de fazer Seus filhos retornarem ao lar edênico, que será novamente seu por direito!

Ted N.C. Wilson é presidente mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Referências

1. Textos creditados a NVI são da Nova Versão Internacional. Copyright © 1993, 2000, por International Bible Society. Usado com permissão. Todos os direitos reservados.
2. History of the Christian Church [História da Igreja Cristã] (Nova York: Charles Scribner’s Sons, 1903), v. 2, p. 540.

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Graça, Matérias Revista Adventista, Santuário e Temas Relacionados e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Santuário, Graça e Éden

  1. Amado Nicoli disse:

    Minha maior recompensa que eu poderia sentir em toda a sua plenitude na minha vida, é dar um abraço no SENHOR JESUS CRISTO, como se abraçasse um pai maravilhoso que a muito tempo não o vejo. Não o vejo fisicamente por enquanto , mas espiritualmente o sinto.

  2. Galhardo disse:

    Há várias coisas (…) q eles poderiam sentir falta, uma delas acredito q seria a de vigor, talvez a necessidade de força para o dia dia, o fizesse pensar: “Que falta me faz o poderoso”, muitas dificuldades como: agora terei q trabalhar com todos os esforços para ganhar meu pão, e minha comida. A mudança do clima, os cardos, os espinhos e as dores q antes não sentiram. “Antes te lembrarás do Senhor teu Deus, porque ele é o que te dá força para adquirires riquezas; a fim de confirmar o seu pacto, que jurou a teus pais, como hoje se vê. (Deuteronômio 8:18). Deus não pensou em hipótese nenhuma abandonar a humanidade maculada pelo pecado, prova disso é, enviar seu filho para o resgate da Sua criação edênica.”Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.(João 3:16). Segundo os próprios escritos proféticos diz q, seu plano redentor estava traçado antes do pecado estabelecido, e até mesmo antes da fundação do mundo. “Espera, ó Israel, no Senhor! pois com o Senhor há benignidade, e com ele há copiosa redenção(Salmos 130:7). É muito bom sabermos q Deus fez e fará um Éden restaurado, sabemos q nele não havia nada imperfeito.”Pois, como os novos céus e a nova terra, que hei de fazer, durarão diante de mim, diz o Senhor, assim durará a vossa posteridade e o vosso nome.
    (Isaías 66:22). Nosso anseio é um dia estarmos em um mundo, sem dores, fardos, doenças, aflições, angústias e mortes. Onde a ovelha estará junto com o leão e o lobo, onde nossa força será como um hipopótamo e elefante. Vem Senhor Jesus buscar o teu povo. Amém!

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s