Padres gays, orgias e filhos clandestinos

“Os dois acompanhantes lhe homenageiam, espremendo-o no meio, em um sanduíche. Envolvem-no em uma dança muito sensual. Esfregam-se, rodeiam, esmagam-se, abrem a sua camisa, o acariciam, tocam nele. Dirty dancing a três em uma variação homossexual. O grupo olha para eles de cima a baixo. Apreciam. Aplaudem. Incitam. Assobiam. Cutucam. O francês [no meio dos acompanhantes] é um padre. Poucos dias antes havia celebrado a missa da manhã na basílica de São Pedro. No Vaticano.” A cena é de uma festa em Roma, uma entre as muitas nas quais padres, bispos e cardeais exercem a sexualidade que as regras da sua própria Igreja Católica restringem e condenam, de acordo com a descrição feita pelo jornalista italiano Carmelo Abbate em seu novo livro, Sex and the Vatican – Viaggio segreto nel regno dei casti (em tradução livre, Sexo e o Vaticano – Viagem secreta no reino dos castos).

O fenômeno da sexualidade na Igreja Católica, segundo o autor, é gigantesco e complexo. Fazem parte desse mundo os padres gays que optam por uma vida dupla; os sacerdotes que se relacionam com mulheres clandestinamente; e mesmo os filhos desses relacionamentos, que são abortados, escondidos ou privados de um pai pela vida inteira, para que se evite escândalos. “Entre os sacerdotes que não respeitam a castidade, há muitos que têm uma verdadeira vida paralela, uma companhia fixa com a qual não apenas fazem sexo, mas com quem vivem uma vida escondida, como marido e mulher”, afirmou Abbate, em uma entrevista exclusiva ao UOL Notícias.

O jornalista conta que a investigação, nascida de uma reportagem publicada na revista italiana Panorama, terminou como um extenso mergulho nesse mundo, munido de uma câmera escondida para garantir “provas sobre aquilo que iria contar”. E apesar de ter seu foco em Roma, Abbate garante que o cenário que ele descreve não está restrito ao núcleo do Vaticano. “Da Alemanha à França, da Espanha à Irlanda, da Suíça à Áustria, da Polônia à África, da América Latina aos Estados Unidos e ao Canadá. Acontece a mesma coisa em toda parte do mundo”, afirma.

Procurada pela reportagem, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) disse que não tinha conhecimento do livro e por isso não poderia comentar os temas citados. Acompanhe abaixo os principais trechos da entrevista.

Em seu livro, o senhor denuncia vários casos de padres que têm uma vida religiosa tradicional ao mesmo tempo em que também exercem sua sexualidade. Como o senhor fez a investigação para chegar a essas histórias? Qual era o seu objetivo em publicar o livro?

Realizei a reportagem com uma câmera escondida, isso com o objetivo de ter provas sobre aquilo que iria contar. O objetivo do meu trabalho é trazer à tona a vida escondida de grande parte do clero católico, como padres que têm uma vida sexual secreta, tanto homossexuais quanto heterossexuais. Há padres que têm uma companhia fixa e até mesmo filhos. E me choca especialmente a atitude da alta hierarquia eclesiástica, o comportamento dos bispos, quando tomam conhecimento das relações secretas dos religiosos, as tentativas de convencer as mulheres a abortarem, dar o filho para adoção, os contratos que garantem o sustento e compram o silêncio das mães com relação à identidade dos pais dessas crianças.

O senhor diz que o Vaticano conhece a questão dos padres gays e mesmo dos abortos. Quais são as verdadeiras dimensões do fenômeno?

Coletar dados para dimensionar o fenômeno é uma tarefa difícil. Difícil porque, como é óbvio, não há estudos e tabelas oficiais, é preciso se contentar com estimativas parciais, que não têm a pretensão de trazer a verdade científica, mas que podem ajudar a entender quão grande é o terreno sobre o qual caminhamos. As tentativas mais articuladas vêm dos Estados Unidos. Segundo vários estudos do psiquiatra Richard Sipe, ex-monge beneditino e ex-sacerdote, 25% dos padres americanos tiveram relações com mulheres depois da ordenação. Outros 20% estiveram envolvidos em relações homossexuais ou se identificam como homossexuais ou se sentiram em conflito com essa questão.

No Brasil, o Centro de Estatística Religiosa e Investigações Sociais (Ceris) realizou uma pesquisa anônima com 758 padres católicos: 41% admitiram ter tido relações sexuais. Metade se diz contrária ao celibato.

Vamos à Europa. Eugene Drewermann, escritor, crítico, teólogo e ex-padre, afirma que na Alemanha, em um total de 18 mil sacerdotes, pelo menos seis mil vivem com uma mulher.

O jornal The Guardian fala de milhares de casos de filhos de padres católicos no Reino Unido. Segundo Pat Buckley, bispo irlandês que fundou um grupo de apoio para amantes de padres, pelo menos 500 mulheres na Irlanda têm uma relação com um padre católico.

E na Itália? Nada de nada. Ninguém nunca tentou esboçar qualquer levantamento. E tente entrar em contato com os psiquiatras que acompanham os casos mais difíceis de padres envolvidos em affairessexuais. Evitam você como se fosse a peste.

Então seria possível afirmar que esse é um fenômeno presente no mundo inteiro?

Da Alemanha à França, da Espanha à Irlanda, da Suíça à Áustria, da Polônia à África, da América Latina aos Estados Unidos e ao Canadá. Acontece a mesma coisa em toda parte do mundo, não só em Roma e nas vizinhanças do Vaticano.

O seu livro conta de padres que procuram espaços para expressar a sexualidade, seja em bares, seja na internet, com perfis secretos no Facebook nos quais assumem a homossexualidade, mas que ao mesmo tempo não desejam abandonar a vida religiosa. Depois de tudo que o senhor conheceu, como vê exigência do celibato?

O celibato não funciona, é óbvio. Nunca funcionou. O sexo é onipresente. Estão envolvidos nesses casos não só padres, mas bispos e cardeais. A cultura do sigilo que permeia a Igreja existe há milênios, ditada pelos eclesiásticos. Os eclesiásticos são um círculo restrito que controla toda a igreja e detém todo o poder, e o poder exige um nível de sigilo. O resto do mundo que fique na ignorância.

O Vaticano nega os casos? Como reage a Igreja?

Para o Vaticano, o centro do problema é o escândalo, não o pecado individual. Porque o escândalo vai além da questão individual e alcança a instituição, alimenta uma série de dúvidas fortes sobre quem é envolvido. O escândalo coloca o problema de uma Igreja que mantém a seu serviço aqueles que não cumprem com sua missão universal, aqueles que traem essa missão. Em resumo, o escândalo afugenta os fiéis da Igreja.

Durante o tempo em que estive envolvido com essa questão, entendi uma coisa: a Igreja não quer problemas. O respeito aos pobres fiéis ingênuos, salvo raríssimas exceções, é fator secundário. Muito diligente nas declarações de princípio, muito hipócrita nas questões práticas: esta é hierarquia vaticana. Esta é a Igreja de Roma. Seu primeiro mandamento é salvaguardar sua espécie, uma espécie a caminho da extinção.

(UOL Notícias)

Nota: Existe, sim, o dom do celibato e alguns personagens bíblicos foram celibatários. Mas é um erro querer impor esse estilo de vida a todas as pessoas, indiscriminadamente. A Bíblia recomenda que os líderes espirituais tenham uma esposa e lhe sejam fieis (o próprio Pedro, suposto “primeiro papa”, era casado). Logo na criação do mundo, antes de trazer a mulher à existência, Deus disse: “Não é bom que o homem esteja só” (Gn 2:18). Esse é o pleno de Deus. Fugir disso por conveniência ou quaisquer outros motivos, sempre traz problemas.[MB]

Fonte: Criacionismo

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Catolicismo, Notícias Mundo Religioso e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Padres gays, orgias e filhos clandestinos

  1. Wilson B. Jr. disse:

    Bem, meu nome é Wilson, estudo em um Colégio Adventista, contudo, sou Católico, mesmo assim, tenho profundo respeito para com a Instituição Adventista e fico profundamente chateado com os ataques a minha Fé.
    Quanto ao caso dos Padres, realmente, muitos fogem do caminho, seguem uma vida pecaminosa , cometem erros e mais erros, mais é ai que se insere a questão da vocação.
    Muitos entram para a vida sacerdotal sem ter consigo esta vocação, levando uma vida secreta.
    Cito aqui o caso do professor de espanhol (do Colégio Adventista em que estudo), ele foi Padre durante muitos anos, porém, se apaixonou e para viver esse romance, decidiu largar a batina, sem deixar de ser Católico.
    A personalidade de alguém não muda com a função que exerce, se alguém esta indo contra os ideais de certa função, é porque esta não é sua vocação.
    Fiquem na PAZ de Deus!!!

  2. irmão leitor disse:

    Esse é o custo de publicar artigos de cunho policial.
    Wilson, você tem razão. Nós deveríamos ser mais cuidadosos.

  3. Luiz henrik disse:

    Willian vc se sentiu triste com os argumentos uzados na matéria, pois foi de encontro com sua crença, se fosse contra a minha eu tambem ficaria assim, mas veja uma coisa:
    Deus também fica trise, e muito triste pelo fato das pessoas preferir seguir aos homens e não a Ele, Deus pede não roube, o ser humano vai la e rouba, Deus pede seja obediente a seus pais, e la vamos nós desobedecer nossos pais, Deus pede santifica o Sábado, trabalhem seis dias mas descance no setimo, isso vai ser bom pra vcs, pois terão mais saúde, e la vamos nós de volta fazer ao contrario do que Ele pede, e em vez de seguirmos a Deus estamos seguindo as tradições erradas dadas pelos homens! Todos querem um dia estar com Deus, mas ninguém faz o que ele pede, quando um pai coloca regras para o seu filho é porque ele o ama, e não quer que nada de mal aconteça com seu filho… Deus nos deu suas Leis para o nosso próprio bem, para vivermos melhor, para o nosso descanso e para nossa saúde…! Muitos dizem: Eu acredito em Deus, (Satanás também!), mas não fazer nada por Ele!”Aquele que diz eu o conheço, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso e nele não está a verdade.” (1 João 2.4) Ele tbm fica chateado pelos ataques que as pessoas fazem, fazem ataque contra Ele e contra sua Lei Moral, e adoram a criatura em vez do Criador! Como será que Ele se sente?

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s