Batismo pelos Mortos (I Coríntios 15:29)

A explicação deste verso é das mais difíceis do Novo Testamento, porque os expositores ficam quase sempre no terreno das hipóteses.

Uma distintiva doutrina dos Mórmons está baseada em I Cor. 15:29. Afirmam eles: “Sendo que o batismo é essencial para a salvação e que muitos morreram antes da restauração da igreja por Joseph Smith, é essencial que os vivos sejam batizados pelos mortos que faleceram sem o conhecimento do Evangelho. Esse batismo por imersão, realizado pelo morto é creditado em seu registro como se fosse realizado por ele mesmo”.

Os estudiosos têm apresentado muitas explicações tentando solucionar o que Paulo quis dizer nesta passagem, chegando os comentaristas a afirmarem que nenhuma passagem do Novo Testamento tem produzido tantas interpretações.

Para que haja real entendimento do problema é necessário que a análise seja firmada nas doutrinas bíblicas, sem a qual alguns têm chegado a conclusões absurdas.

Antes da exegese do texto é muito útil saber:

a)     quem o pronunciou;

b)    sob que circunstâncias ele foi escrito;

c)     com que objetivo, Paulo escreveu a primeira carta aos coríntios em Éfeso, cerca de 59 AD, perto do fim de seu ministério nesse lugar – Atos 20:31; I Cor. 16:8.

Corinto era uma cidade rica, populosa e muito imoral, situada ao sul da Grécia. Durante 18 meses, Paulo ali esteve estabelecendo uma grande igreja. Depois de partir desta cidade, surgiram múltiplos problemas e a finalidade da carta era ajudá-los na sua solução. O assunto geral da epístola é o modo correto do bom procedimento cristão. Dentro deste objetivo se encontra o tema do capítulo 15, onde ele apresenta de modo leal e franco – a verdade da ressurreição.

Uma leitura atenta de todo o capítulo 15, ou o contexto desta intrigante passagem para exegetas e comentaristas, é muito útil para a sua exata compreensão. Observe especialmente os versos 1 a 6, 12 a 16, 32.

Embora estas afirmações sejam úteis para nossa análise, admitamos com Vincent: “Nenhuma das explicações propostas está livre de contestação.”

O SDABC afirma: dois pontos importantes devem ser considerados para uma boa compreensão da passagem:

1º) Paulo está ainda falando da ressurreição e qualquer solução deve estar intimamente ligada com o tema do capítulo 15.

2º) Uma razoável interpretação deve conformar-se com a correta tradução da frase grega:

HUPER TON NECRON” (pelos mortos), e é geralmente aceito que huper (pelo) aqui significa “em favor de”.

O original, muitas vezes, nos ajuda na resolução do problema. No grego se encontra: BAPTIZOMENDI HUPER TON NECRON.

Desta frase a palavra que nos interessa mais é a preposição hiper. Ela rege o genitivo e o acusativo, estando aqui regendo o genitivo. Neste caso a tradução será: por, em favor de, por causa de.

Das explicações visando solucionar o problema as principais, incluindo as do SDA Bible Commentary, são as seguintes:

1ª) As traduções bíblicas mais comuns para o português são a Edição Revista e Corrigida e a Revista e Atualizada no Brasil. Embora ambas tenham o mesmo autor, o Padre João Ferreira de Almeida, o leitor notará que os comentaristas apresentam pontos de vista diferentes baseados nas duas traduções. A Revista e Atualizada apresenta: “por causa dos mortos e a Edição Revista e corrigida afirma: “pelos mortos’.

“Por causa dos mortos”, isto é, como resultado do testemunho que deram enquanto vivos, ou ao morrerem. Mesmo que esta exegese seja válida, aqueles que se batizavam por causa do testemunho daqueles que já haviam morrido, eles próprios não acreditavam na ressurreição do corpo. Assim sendo, o apóstolo aqui condena este vão procedimento.

2ª) Uma segunda corrente afirma que crentes vivos eram batizados em lugar de crentes mortos, porque estes, por alguma razão não puderam ser batizados. É possível que alguns desses crentes tivessem falecido repentinamente, devido a alguma praga ou outra ocorrência funesta, não tendo assim a oportunidade de se batizarem.

3ª) O Comentário de Adam Clarke sobre esta passagem é mais ou menos o seguinte:

Depois de afirmar que é o verso mais difícil do Novo Testamento e apresentar várias interpretações ele enfatiza esta: Paulo emprega a palavra batismo como sinônimo de dores, de sofrimento, que os apóstolos estavam sofrendo pelo fato de pregarem o evangelho, com a esperança de ressuscitarem um dia, à semelhança de Cristo, para herdarem a vida eterna. A palavra batismo neste verso é usada no mesmo sentido de Mar. 10:39 e Luc. 12:50.

4ª) De acordo com The Pulpit Commentary, batismo, nesta passagem é o batismo do Espírito Santo, referindo-se portanto à conversão da alma pelo Espírito de Deus.

Em outras palavras, devemos compreender a expressão batismo pelos mortos como uma referência àqueles que das trevas pagãs foram convertidos pelo evangelho e admitidos na igreja, a fim de ocuparem o lugar de crentes que pelo martírio ou qualquer outra razão tinham morrido, Assim o batismo ou a conversão compensava as perdas causadas pela morte.

5ª) Ainda uma outra sucinta idéia defendida com ardor por vários estudiosos é que a palavra “mortos” neste passo se refere a Cristo, sendo usado o plural pelo singular (sinédoque) significando – por causa do morto, isto é, Cristo. No original está mortos, e é difícil vermos como Cristo poderia representar uma “categoria” inteira de pessoas. Além disso Cristo não está morto mas bem vivo como a passagem ensina.

6ª) É uma explicação sugerida por aqueles que defendem a tese de que não havendo pontuação no original, ao colocarem esses sinais, houve uma distorção naquilo que Paulo realmente desejou dizer.

O Dr. W. E. Vine apresenta a seguinte solução: “Lembrados de que o original foi escrito sem pontuação, podemos pôr o sinal de interrogação depois da palavra “batizados” e então o versículo adquire sentido de acordo com a doutrina da Escritura. Assim ler-se-á: “Que farão os que são batizados? É para os mortos. Se os mortos não ressuscitam, por que se batizam por causa deles?”

Vejamos agora a interpretação sugerida pelos estudiosos adventistas, de conformidade com o SDABC ao comentarem I Cor. 15:29.

“Paulo neste verso retorna à sua linha principal de raciocínio concernente à ressurreição. Esta é uma das difíceis passagens nos escritos de Paulo para a qual nenhuma explicação inteiramente satisfatória tem sido encontrada. Os estudiosos têm apresentado 36 interpretações procurando solucionar os problemas deste verso. (Estas 36 diferentes explicações apareceram em Junho de 1890, em Newbery House Magazine, apresentadas por J. W. Horsley. Nota de P.A.).

Três interpretações são sugeridas:

1ª) A passagem deveria ser traduzida: “O que então farão os que são batizados? (são eles batizados) por causa dos mortos? Se os mortos não ressuscitam, por que então eles são batizados? Por que então nos expormos sempre ao perigo por eles?” No entanto, esta tradução, embora possível, não explica satisfatoriamente a frase ‘em favor dos mortos’.

2ª) Paulo está se referindo aqui a um costume herético, onde cristãos vivos eram batizados em favor dos mortos; portanto, parentes ou amigos não batizados, poderiam ser salvos por procuração.

Pais da igreja fazem várias referências a uma tal prática citando o costume dos heréticos marcionistas.

Tertuliano se refere ao festival pagão: Kalendae Februare onde os adoradores se submetiam a uma purificação, ou lavagem em favor dos mortos (Contra Marcion Verso 10). Marcion floresceu aproximadamente na metade do segundo século A.D.

Este segundo ponto de vista exige a admissão de que a prática data de dias anteriores a Paulo. A objeção que se levanta é que o apóstolo seria inconsistente em citar uma prática herética ou pagã para sustentar uma doutrina cristã fundamental. Mas Paulo, sem endossar a prática poderia dizer em essência: Se os próprios pagãos e heréticos têm a esperança da ressurreição, quanto mais nós deveríamos alimentar esta sublime esperança. Jesus usou a história do Rico e Lázaro como elemento para uma parábola, embora não endossasse sua aplicação literal.

3ª) É possível interpretar o verso 29, em termos de seu contexto (versos 12-32) como uma outra prova da ressurreição: I – A expressão se refere ao argumento dos versos 12-28 e poderia ser parafraseada, ‘mas se não há ressurreição. . .’ II – A palavra “batizado” é usada figuradamente para perigo ou morte como em Mat. 20:22 e em Luc. 12:50. III – Aqueles que são batizados “refere-se aos apóstolos, constantemente enfrentando a morte, quando eles proclamavam a esperança da ressurreição (I Cor. 4:9-13; conf. Rom. 8:36; II Cor. 4:8-12). IV – Os mortos do verso 29 são os cristãos mortos dos versos 12-18, e potencialmente todos os cristãos vivos, que, de acordo com alguns em Corinto não tinham esperança além da morte (verso 29 poderia ser parafraseado assim: “Mas se não há ressurreição, o que devem fazer os mensageiros do evangelho, se eles continuamente enfrentam a morte em favor dos homens que são destinados a perecer na morte?

Seria tolice (v. 17) para eles, enfrentar a morte pelos outros, “se os mortos não ressuscitam” (versos 16, 32). Portanto, a coragem dos apóstolos, mesmo em face da morte, é uma excelente evidência de sua fé na ressurreição. Que não é possível que os cristãos fossem batizados vicariamente em favor de parentes e amigos mortos como alguns ensinam, é comprovado pelas Escrituras que declaram que um homem deve crer pessoalmente em Cristo, e confessar seus pecados a fim de beneficiar-se com o batismo, e assim ser salvo (Atos 2:38; 8:36-37; conforme Ezeq. 18:20-24; João 3:16; I João 1:9). Mesmo o mais justo dos homens pode livrar apenas a sua própria alma (Ezeq. 14:14, 16). A morte determina o fecho da experiência humana (veja Sal. 49:7-9; Ecl. 9:5, 6, 10; Isa: 38:18, 19; Luc. 16:26; Heb. 9:27, 28)”.

 Conclusão

O livro Consultoria Doutrinária da Casa Publicadora Brasileira, pág, 246 comentando esta passagem conclui:

“Uma das soluções mais razoáveis do texto em lide é o que o apóstolo S. Paulo, ao debater a doutrina da ressurreição, cita um costume pagão ou herético de sua época, se bem que não o aprova”.

Finalizo com a sintética explicação apresentada a este versículo em A Bíblia Vida Nova: “Há umas quarenta interpretações. Seria uma prática sem fundamento bíblico que Paulo aproveita para mostrar a incoerência dos seus oponentes em Corinto”.

Texto de autoria de Pedro Apolinário, extraído da apostila Explicação de Textos Difíceis da Bíblia.

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Batismo, Explicação de Textos Difíceis e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s