Reféns do Céu: Podem os Salvos se Perder?

O pregador exortou os pecadores a se entregarem a Jesus, convidando-os ao altar, onde a paz poderia ser encontrada. Quando chegaram, ele louvou a Deus e pediu-lhes para repetirem depois dele uma simples oração de cerca de seis frases. Em seguida, parabenizou-os com as palavras: “Agora vocês estão salvos, e a partir deste momento em diante, o destino de vocês está eternamente seguro. Nada que você possa fazer jamais poderá reverter a decisão que você tomou hoje, nada pode fazer você perder sua vida eterna”. Então ele puxou uma chave do bolso e algemou a mão direita de cada pessoa ao altar. Eles foram trancados na escolha que fizeram e não poderiam revertê-la.

Embora seja muito improvável que tal situação realmente acontecesse na igreja, ainda assim, alguns têm entendido que esta seja uma representação exata do que acontece quando um pecador aceita a Cristo. De fato esta tem sido uma grande polêmica no cristianismo. Alguns ensinam que quando uma pessoa tem uma experiência de conversão, seu destino está eternamente seguro, não importando o que aconteça depois. Outros sustentam que a certeza da salvação é um subproduto de uma relação salvadora com Jesus, e que a salvação pode ser perdida se essa relação for quebrada não por escolha de Deus, mas por livre escolha do próprio indivíduo.

A questão é esta: Depois de recebermos o precioso dom da salvação, podemos fazer escolhas que podem nos fazer perder a salvação? Para encontrar a nossa resposta, vamos analisar o que a Bíblia ensina sobre a segurança eterna.

Ao abordar as multidões que se reuniam para ouvir o seu ensinamento, Jesus ilustrou as verdades espirituais do Seu reino, contando histórias ou parábolas. Mais tarde, em privado, explicou o significado delas para os discípulos. A parábola do semeador, que lança a semente fora (Lucas, capítulo 8), representa a expansão do evangelho em nosso mundo. Os vários tipos de terreno em que a semente cai representam as diferentes condições do coração das pessoas. Todos os que ouvem têm a chance de receber a mensagem de que Deus perdoa o pecado por amor de Cristo. Todos podem passar da morte para a vida e se reconciliar com Deus, acreditando na promessa e recebendo a Cristo como seu Salvador pessoal. Na parábola, algumas sementes caem à beira do caminho, representando os corações que não estão preparados para receberem a graça de Deus. Como o solo batido que era muito duro para fornecer uma cama para a semente, essas pessoas são tão calejadas pelo mundo e enganos de Satanás que rejeitam a mesma coisa que os teria colocado em uma relação salvadora com Cristo. O diabo facilmente arrebata o dom da salvação para longe do coração que não o aceita, assim como os pássaros pegam as sementes que se encontram na superfície do solo duro.

Jesus passou a contar então sobre a semente que cai em solo rochoso. Assim como a planta brota, ela murcha, devido a falta de umidade. “Os que estão sobre a pedra são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria; mas estes não têm raiz, apenas crêem por algum tempo, mas na hora da provação se desviam” (Lucas 8:13). Essas pessoas de bom grado aceitam a verdade maravilhosa de que Cristo morreu para expiar os seus pecados. Elas acreditam, e são, portanto, salvas. Mas observe o que acontece com esses crentes quando a vida continua. Eles não conseguem criar raízes fortes na Palavra de Deus e acreditam somente “por um tempo.” Quando Satanás traz a tentação em suas vidas, eles caem fora.

O que os faz cair?

É importante saber que a mesma palavra grega que é traduzida como “desviar” em Lucas 8:13 é traduzida como “apostatar” em 1 Timóteo 4:1, onde Paulo nos diz “que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios”. De acordo com a parábola de Jesus e a advertência do apóstolo, os crentes podem se desviar. Eles podem afastar-se da fé por meio da qual eles são salvos.

Aqueles que pensam que uma decisão uma vez tomada, torna a salvação de uma pessoa eternamente garantida, muitas vezes argumentam que os indivíduos que se desviaram, nunca foram realmente salvos. Mas se eles não eram realmente salvos, o que os fizeram se “desviar” da salvação? Você não pode cair de uma altura de onde você nunca esteve. E é impossível afastar-se de Chicago sem nunca ter estado lá!

Vamos imaginar um médico de emergência que acredita que é impossível cair de um penhasco. Quando seu paciente se encontra na mesa de exames com os ossos quebrados, múltiplas lacerações e contusões, o doutor balança a cabeça em descrença. “estou receoso de que não posso ajudá-lo” ele diz ao alpinista. “Você disse que sua lesão foi provocada pela queda de um penhasco. Mas se você tivesse realmente estado naquele penhasco, não haveria nenhuma maneira de você cair dele. Minha opinião profissional é que você nunca esteve realmente sobre o penhasco. Por conseguinte, você está liberado”.

Se fosse impossível cair do precipício, e não houvesse o perigo de uma queda, não haveria necessidade de sinais de advertência ou de trilhos de segurança. Da mesma forma, se aqueles que são salvos não podem se perder, não haveria necessidade de tantos avisos contra a apostasia ou afastamento da fé. As advertências de Jesus e Paulo seriam falsos alarmes, avisos sem significado.

Claramente, as advertências da Bíblia são para aqueles que acreditam e aceitam o dom da salvação. Na verdade, sequer Paulo se considerava isento do perigo de perder a salvação. Ele queria ter certeza de que estava preparado para os ataques do inimigo, para que depois de “pregar aos outros” não viesse “a ficar reprovado” (1 Coríntios 9:27). A linguagem das Escrituras é demasiadamente simples para ser mal interpretada.

Em João, capítulo 6, Jesus chama a si mesmo de “o pão do céu”. Ele disse: “Se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos” (João 6:53). Jesus não quis dizer que seus seguidores deveriam comer e beber, a Sua carne e o Seu sangue literalmente, mas sim que eles deveriam participar de Suas palavras. “as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida” (João 6:63). No entanto, mesmo depois de Jesus explicar seu significado, “muitos dos seus discípulos voltaram para trás e não andaram mais com ele” (João 8:66).

Paulo advertiu os crentes de que isso poderia acontecer. “Mas o meu justo viverá da fé; e se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós, porém, não somos daqueles que recuam para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma” (Hebreus 10:38-39). Se um indivíduo salvo pode recuar para a perdição, isso significa que é perfeitamente possível para ele perder a sua salvação.

Pedro dá um outro exemplo. “Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que pelo engano dos homens perversos sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza” (2 Pedro 3:17). Quando alguém que sabe a verdade é levado por um erro do diabo, ele cai de sua firmeza e, eventualmente, se afasta da fé. Por isso, “aquele, pois, que pensa estar em pé, olhe para que não caia” (1 Coríntios 10:12).

Outra causa para o afastamento da fé é o retorno ao estilo de vida do mundo. “Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo pelo pleno conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, ficam de novo envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior que o primeiro. Porque melhor lhes fora não terem conhecido o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado” (2 Pedro 2:20-21). Aqui Pedro nos diz que é possível para aqueles que conheceram Cristo e souberam que Ele é a vida eterna, enredarem-se novamente com o mundo, e com isso, negarem ao seu Senhor.

Demas havia aceitado a Jesus como seu Salvador pessoal e foi listado entre os companheiros de trabalho de Paulo (Filemom 24), que tiveram seus nomes escritos no livro da vida (Filipenses 4:3). No entanto, Demas era aparentemente um exemplo do que Jesus chamou de um ouvinte do solo espinhoso. A semente começou a crescer no seu coração, mas as coisas do mundo, como os espinhos, sufocaram a vida da semente que cresceu de modo que não produziu frutos (Marcos 4:18, 19). Demas, “tendo amado o mundo presente”, abandonou o apóstolo (2 Timóteo 4:10). De um cristão devoto, que trabalhou com Paulo, ele se tornou enredado novamente nas coisas deste mundo e deixou não somente a Paulo, mas a Jesus também.

Separados do Salvador

Se os cristãos que recuam deixando de seguir a Jesus não voltarem, pedirem perdão, e passarem a segui-lo novamente, eles serão classificados com os incrédulos quando Cristo voltar. O próprio Jesus deixou isso bem claro na parábola do “mordomo fiel e prudente” (Lucas 12:42-48), que representa aqueles que O seguem, pouco antes da segunda vinda. Ele disse: “se aquele servo disser em teu coração: O meu senhor tarda em vir; e começar a espancar os criados e as criadas, e a comer, a beber e a embriagar-se, virá o senhor desse servo num dia em que não o espera, e numa hora de que não sabe, e cortá-lo-á pelo meio, e lhe dará a sua parte com os infiéis” (Versos 45 e 46).

Alguns acreditam que deliberadamente ignorar a Palavra de Deus pode afetar a nossa comunhão com Deus, mas não afeta nossa relação com Ele. No entanto, Isaías 59:2 diz que o pecado nos separa de Deus. Em João capítulo 15, Jesus ensinou que a nossa conexão com Ele, a qual Ele comparou na relação do ramo com à videira, pode ser cortada. “Eu sou a videira, vós sois os ramos” (versículo 5). Um ramo tem a vida apenas enquanto ele estiver conectado à videira. “Sem mim nada podeis fazer”, disse Jesus. Assim como o ramo que está ligado à videira é capaz de dar frutos, o cristão que está ligado a Jesus irá produzir o fruto do Espírito. No entanto, os ramos que não dão fruto são cortados da videira pelo lavrador. Não tendo nenhuma fonte de vida, eles ressecam e “são recolhidos, lançados no fogo e queimados” (versículo 6).

Embora não devemos viver em constante preocupação que podemos cometer um erro, ainda é verdade que a comissão voluntária de um único pecado conhecido pode começar a definir os nossos pés sobre um caminho descendente. Se não recuarmos, este caminho acabará por nos levar à perdição. “desviando-se o justo da sua justiça, e cometendo a iniqüidade, fazendo conforme todas as abominações que faz o ímpio, porventura viverá? De todas as suas justiças que tiver feito não se fará memória; pois pela traição que praticou, e pelo pecado que cometeu ele morrerá” (Ezequiel 18:24).

Foi uma longa cadeia de escolhas erradas que mudou o rei Saul de um homem cheio do Espírito, confiante no dom de profecia (1 Samuel 10:9-11) em um homem com quem Deus se recusou a falar. Nesta situação desesperada, o rei inclinou-se para procurar o conselho de uma bruxa. Eventualmente ele cometeu suicídio (1 Samuel 28:6, 7; 31:4, 5).

Há esperança de que aquele que se separou do Salvador enxergará a loucura de tal curso e começará a segui-lo novamente. Paulo ensinou isto em Romanos capítulo 11, onde cita a experiência da nação de Israel. Alguns haviam sido cortados da oliveira por causa da incredulidade, mas poderiam ser transplantados de volta se renunciassem à sua incredulidade. Foi seu próprio curso de ação que os levou a serem cortados, mas pela misericórdia de Deus, eles puderam ser reintegrados. Deus está procurando salvar as pessoas, e qualquer que possa ter sido a nossa experiência passada, nós podemos escolher hoje nos entregar a Cristo.

Mas Jesus não disse que nenhum homem pode nos arrancar da Sua mão? Sim, Ele disse. E no verso anterior Jesus identifica os que estão guardados de forma segura em Suas mãos. “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem; eu lhes dou a vida eterna, e jamais perecerão; e ninguém as arrebatará da minha mão” (João 10:27-28). Os que não podem ser arrancados das mãos de Cristo são as ovelhas que ouvem a Sua voz e O seguem. Elas são obedientes aos Seus ensinamentos.

Aqueles que estão tentando garantir o dom da vida eterna, sem seguir a Jesus são ladrões e salteadores (João 10:1). Jesus advertiu: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus” (Mateus 7:21). Jesus deixou bem claro que não são aqueles que apenas ouvem a Palavra que serão salvos, mas aqueles que ouvem e a seguem.

Se não houvesse possibilidade de uma pessoa perder a salvação, um julgamento seria desnecessário para os cristãos. Mas Paulo disse: “todos havemos de comparecer ante o tribunal de Deus” “pois, cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus” (Romanos 14:10-12). A conclusão inevitável é que os cristãos podem escolher afastar-se Jesus tão certo quanto eles podem optar por segui-Lo. Receber a Cristo não tira a nossa liberdade de escolha. Na verdade, conhecer a Jesus, a Verdade, nos tornará mais livres do que éramos antes! Porque nós somos livres e não forçados a seguir a Jesus, nós podemos escolher nos perder tão certo como podemos escolher sermos salvos.

Por que, então, é o ensino da segurança eterna tão prevalente? A idéia de que nossa vida eterna está garantida apenas porque nós aceitamos Cristo como nosso Salvador pessoal, em algum momento no passado, independentemente de nós agora O seguirmos ou não é baseada em uma idéia falsa do evangelho. Este não é o evangelho apresentado na Bíblia. A salvação bíblica não é meramente uma profissão de Jesus como Senhor e Salvador, mas a posse de Jesus na vida diária.

Como ter a garantia

A música mais suave para o ouvido de um pecador arrependido é a voz de Jesus dizendo: “Tende bom ânimo, teus pecados estão perdoados” (Mateus 9:2).

Jesus disse: “Em verdade vos digo que qualquer que disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar; e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, assim lhe será feito” (Marcos 11:23). De quais “montanhas” você acha que o Senhor estava falando? O profeta Miquéias diz: “Pisarás aos pés as nossas iniquidades, e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar” (Miquéias 7:19).

Não é excitante? Apenas por diversão, eu fiz algumas pesquisas e descobri que o pico mais alto do mundo, o Monte Everest, está a 8.850 metros acima do nível do mar. E a Fossa das Marianas, no Oceano Pacífico, é o local mais profundo dos oceanos, atingindo 11.034 metros de profundidade. Isso significa que você pode facilmente cobrir a montanha mais alta do pecado com o fundo do oceano da misericórdia de Deus.

Quando confessamos os nossos pecados e recebemos o perdão que nos é oferecido tão livremente, ainda que a um custo infinito, a morte de Cristo provê plena expiação pelos nossos pecados. Aos olhos do céu nós aparecemos como se tivéssemos vivido a vida perfeita de Cristo, que nunca pecou em pensamento, palavra ou ação. Somos aceitos por Deus por nossa fé em Cristo. O fato glorioso é que “Aquele que tem o Filho, tem a vida” – a vida eterna (1 João 5:12). Se algo acontecer que coloque um fim em sua vida mortal, nesse momento, a salvação está garantida por toda a eternidade. Essa é a surpreendente graça.

Assim, como pode você realmente saber se Jesus está em sua vida? Como você pode ter a certeza de que você está em uma relação salvadora com Ele?

Não há nada que você possa fazer para mudar seu próprio coração. Você pode não ser capaz de dizer exatamente quando ou onde o Espírito Santo começou uma nova vida em você. O Espírito, como o vento, não pode ser visto. Mas sua presença é conhecida pelos seus resultados. Se o seu coração foi mudado e renovado pelo Espírito de Deus, sua vida vai testemunhar esse fato.

Quem conquistou seu coração? De quem você ama falar? Se você se deu a Cristo, seus mais doces pensamentos serão dEle. Tudo o que você tem e é será entregue a Ele. Você terá muito tempo para ser como Ele, para agir como Ele agiria, e para agradá-Lo em tudo o que faz.

Não coloque sua confiança naquilo que você pode fazer. Em toda a sua impotente indignidade, confie nos méritos de Jesus apenas. Continuamente se entregue a Cristo, e permaneça em constante comunhão com Ele. Esteja disposto a segui-Lo para onde quer que Ele o conduza, e não magoe Seu Salvador pela teimosa e desobediência deliberada.

Você pode não ter sempre o sentimento de alegria de que é aceito por Deus. Mas quando você ir a Ele, acredite que Ele o aceita porque Ele prometeu. Aprenda a se inclinar sobre a Sua Palavra, mesmo quando o sentimento de segurança estiver ausente (ver Filipenses 1:6). Compreenda as promessas que você encontra lá. Quando Jesus retornar para lhe dar o dom da imortalidade, a garantia absoluta será sua. Sua vida Nele estará eternamente segura.

Texto de autoria de Kim Kjaer. Publicado no site Amazing Facts. Crédito da Tradução: Blog Sétimo Dia https://setimodia.wordpress.com/

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Artigos traduzidos - Amazing Facts, Salvação e Temas Relacionados e marcado , . Guardar link permanente.

2 respostas para Reféns do Céu: Podem os Salvos se Perder?

  1. Luzia Fernandes Lopes disse:

    VAMOS PEDIR A DEUS EM NOME DE JESUS CRISTO QUE NOS LIVRE DESTAS BESTAS PORQUE É VEREDICO QUE ELASVIRÃO PORQUE VOU AVIDADO POR DEUS , ENTÃO NÓS PEDIMOS A VÓS TENDE PIEDADE DE NÓS QUE CONFIAMOS EM VÓS E EM SEU FILHO AMADO LIVRE-NOS PAI DE AMOR E BONDADE.

  2. Pingback: BlogAdventista.com.br » Blog Archive » Reféns do Céu: Podem os Salvos se Perder?

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s