Ensina-nos a Orar – Parte 02

Um fato surpreendente: Na Segunda Guerra Mundial, um soldado britânico foi flagrado rastejando de volta das linhas de frente. Ele foi capturado por seu exército e acusado de conspirar com o inimigo porque não tinha recebido permissão para voltar. Ele confessou: “Eu estava na floresta orando.” Seus companheiros soldados troçaram dele e imediatamente ordenaram que lhes oferecesse alguma prova. Ele disse que estava sozinho e que precisava orar. Seus captores ameaçaram acusá-lo como um traidor, dizendo: “Você será executado a menos que você ore agora e nos convença de que você realmente estava orando.” O prisioneiro em seguida, caiu de joelhos e começou a oferecer uma prece eloqüente, sincera como daquele que estava prestes a encontrar seu Criador. Mas, no final da oração, o comandante responsável disse que ele estava livre para ir. “Eu acredito em sua história”, disse ele. “Se você não tivesse gasto tanto tempo treinando, você não teria atuado tão bem durante a revisão”. Em seguida, ele acrescentou, “eu posso dizer, pela maneira que você orou, que você está em condições regulares de falar com Deus”.

Os momentos de nossas orações devem ser frequentes e regulares, mas mais importante ainda, o conteúdo deve ser passivo. Eu freqüentemente me pego iniciando uma oração com “Me dê”: “Querido Senhor, me dê isso, me dê aquilo”, e perto do fim, eu acrescento, “Deus, eu louvo o Teu nome.” Deus tem me convencido de que minhas orações são egoístas demais, e que eu preciso manter a Ele e aos outros em primeiro lugar na mente quando eu oro. Apesar de estarmos prestes a nos concentrar na oração por nós mesmos, penso que antes de nos aprofundarmos nessas facetas absolutamente necessárias da oração, precisamos garantir que temos a ordem correta da oração em mente. Obviamente, devemos orar por nossas necessidades, mas, como Jesus indicou, quando oramos, devemos reconhecer o santo nome de Deus, Seus propósitos, e Seu reino antes de todas as outras coisas. E todas as nossas necessidades devem ser consideradas no contexto de Sua vontade. Com este lembrete, podemos continuar nosso estudo e descobrir o que acontece quando pedimos ao Senhor: “Ensina-nos a orar!”

“Dá-nos hoje …”

O pão representa muitas coisas na Bíblia. Primeiro, o “pão de cada dia” significa as provisões necessárias para sustentar a vida no dia a dia. Claro, este é um padrão de oração, e isso não quer dizer que você não possa orar também por água, roupas e outras necessidades. Quando oramos pelo pão nosso de cada dia, estamos realmente pedindo a Deus para suprir as necessidades básicas de nossas vidas cotidianas. (Deve uma pessoa com os seus armários cheios continuar a orar: “Dá-nos hoje o pão nosso de cada dia?” Sim, absolutamente. Nunca tome qualquer coisa que Deus lhe deu por garantia. Lembre-se, os celeiros cheios de Jó foram todos perdidos em um dia).

Deus está nos dizendo que devemos nos sentir confiantes para irmos diante de nosso Senhor, pedir-lhe para satisfazer as nossas necessidades. Claro, Ele já está bem ciente destas necessidades, mas Ele quer que nós saibamos que Ele é quem supre todas as coisas boas para seus filhos. Por exemplo, quando os judeus atravessaram o deserto, eles oraram por comida, e Deus fez chover maná do céu, mostrando sua contínua e amorosa provisão. Não tenha medo ou vergonha de pedir – Ele quer que você o faça! Lembre-se, porém, que quando oramos, “Dá-nos … o pão nosso de cada dia”, isso não significa que Deus espera que nós não saiamos para conquistá-lo. Algumas pessoas pensam que podem orar a Oração do Senhor e depois sentar e não fazer nada, esperando que Ele responda. Quando o Senhor fez chover maná, os judeus saíram para buscá-lo. Eles não se deitaram com a boca aberta, esperando que ele caísse diretamente em suas bocas. Observe também que o maná caiu fora do campo, mas não choveu sobre as suas tendas.

Parte de conseguir o pão está em sair e colhê-lo onde trabalhamos. Depois disso, os judeus tinham que amassar e assar o maná, só depois de trabalharem podiam consumir o seu pão diário. De igual modo, devemos nos investir no processo e não nos tornar preguiçosos com as bênçãos do Senhor. Não se esqueça que Aquele que nos dá o pão nosso dia-a-dia também inclui esta ressalva: “. Seis dias trabalharás”……

“… o Pão Nosso de Cada Dia”

A comida é tudo o que está implicado no “pão de cada dia”? Como a maioria dos ensinamentos da Bíblia, “o pão nosso de cada dia” tem uma aplicação espiritual muito importante. Em Mateus 4:4, Jesus ensina: “O homem não vive somente de pão, mas de toda palavra que procede da boca de Deus”, usando a palavra “pão” para descrever todas as necessidades temporais da humanidade.

Mais importante, ele diria mais tarde: “Eu sou o pão da vida” (João 6:35). Cristo não estava falando somente de nossas necessidades físicas, mas instruindo-nos a convidar a Deus em nossos corações a cada dia. O pão representa Jesus, nosso alimento espiritual, que é muito maior e mais gratificante do que qualquer pão físico na Terra.

Quantas vezes precisamos ser alimentados espiritualmente? Através de todas suas páginas sagradas, a Bíblia fala da oração diária. “De tarde e de manhã e ao meio dia orarei” (Salmo 55:17). O pão, a comunhão diária com o Senhor, deve ser a nossa prioridade. Por que não dizer: “Senhor, dá-me um mês de abastecimento”? A maioria de nós não se preocupa, dia a dia se a geladeira vai estar vazia, por isso não costumam apreciar as implicações de orar pelo pão diário. Apesar de todos aqueles que viveram a Grande Depressão compreenderem tal conceito, hoje, poucos americanos, vivendo em uma sociedade de abundância massiva, nunca realmente se esforçam dia a dia em busca de algo para comer. Na verdade, alguns de nós temos meses de comida na despensa.

Mas muitos de nós não temos sequer alguns minutos de alimento espiritual armazenado em nossos corações e mentes. Que pão é mais importante, o físico ou o espiritual? Quantos de nós temos um mês de abastecimento de pão espiritual? Precisamos coletar alguns todos os dias. Você não pode viver o amanhã somente com o que você coletou hoje. Alguns têm poucas calorias armazenadas, tendo a Escritura memorizada, mas se você quiser que sua experiência cristã seja vital e cheia de vida, você deve ter devoções diárias. Você tem que sair e reunir aquele maná espiritual.

Um pensamento final: “A Bíblia não diz, “Me dê hoje o meu pão de cada dia. Pelo contrário, Jesus nos ensina a orar, “Dá-nos hoje o pão nosso de cada dia”. É o nosso pão. Não é o meu pão. Devemos estar preocupados com as necessidades dos outros, tanto quanto, ou até mais, do que nossas próprias necessidades. A Escritura ensina: “Levai as cargas uns dos outros” (Gálatas 6:2). Nós deveríamos estar fazendo isso fisicamente, ajudando os fracos, oferecendo nossos recursos e nossas forças para ajudá-los. Também devemos fazê-lo espiritualmente, levantando-nos mutuamente em oração, oferecendo um ao outro súplicas sobre nossos joelhos. E devemos fazê-lo diariamente, persistentemente. “E não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que dia e noite clamam a ele, já que é longânimo para com eles?” (Lucas 18:7).

“perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores”.

Você sabia que Jesus fez apenas um comentário direto sobre a Oração do Senhor? Em Mateus, quando termina o ensino da oração, Ele acrescenta: “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas.” (Mateus 6:14-15). Bem no meio da Oração do Senhor, Cristo revela uma conexão entre o relacionamento vertical e o horizontal. Talvez devêssemos ouvir!

Deus está dizendo, “Vou fazer um trato: Vocês todos perdoem uns aos outros – sem rancor, sem ressentimentos, não mais falando sobre as coisas ruins que fizeram uns aos outros – e Eu lhes perdoarei? é isso que Deus quer dizer? É isso o evangelho? Não, não é isso que leva ao nosso perdão. Nós não somos salvos baseados em nossas obras. Em vez disso, diz o evangelho que nos apresentando assim como estamos a Deus, Ele nos perdoará. No entanto, Deus diz: “Agora que você está perdoado, espero que se perdoem uns aos outros.” No entanto, embora você não seja salvo pelas suas obras, Se você continuar a viver em desafio, você estará perdido, porque isto evidencia que você não é sério quanto a seguir Jesus. A misericórdia e a graça de Deus não podem ser cultivadas no coração daquele que está abraçando um espírito amargo e implacável. Você já foi traído por um amigo? Alguém já falou mal de você? Todos nós já fomos magoados. E, muitas vezes, nós nos tornamos defensivos e começamos a ver essa pessoa de forma restritiva, e podemos até pensar se nós podemos cavar um pouco de sujeira para igualar o placar. É este o espírito de Jesus, “que quando o injuriavam, não injuriava”?

A Bíblia diz que quando percebemos o alto preço que Cristo pagou pelo nosso perdão, torna-se mais fácil para nós perdoarmos uns aos outros. “Assim vos fará meu Pai celestial, se de coração não perdoardes, cada um a seu irmão” (Mateus 18:35). Precisamos estar dispostos a perdoar uns aos outros, e Deus aponta isso para nós repetidamente nas Escrituras. “Quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que também vosso Pai que está no céu, vos perdoe as vossas ofensas.[Mas, se vós não perdoardes, também vosso Pai, que está no céu, não vos perdoará as vossas ofensas.]” (Marcos 11:25-26).

Você pode perdoar mentalmente uma pessoa mesmo que você possa não sentir isso? Sim, assim como você pode aceitar o perdão, mesmo que você não se sinta perdoado. Isto é feito através da fé. Você pode optar por perdoar os outros que lhe prejudicaram. Mesmo que você não possa ser capaz de esquecer o que aconteceu, você pode dizer: “Senhor, por tua graça eu vou perdoá-los.” Você faz essa escolha consciente, então, a graça de Deus o segue. Quando você aceita o perdão de Deus, Sua graça o segue naturalmente. Primeiro, você deve ter fé que Deus vai ajudá-lo a perdoar. “Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia” (Mateus 5:7). Se não podemos perdoar uns aos outros, Deus não pode nos perdoar, porque nossos corações não estão abertos tanto para dar como para receber o perdão. Isso é grave, não é? E é necessário um ato de graça, um milagre, para sermos capazes de fazer isso.

“E não nos deixeis cair em tentação”

Esta petição especial é aquela que é a mais incompreendida. Num relance, quase parece que estamos pedindo a Deus para não nos tentar. “Por favor, Senhor, nós sabemos que você não quer nos tentar. No entanto, se eu não pedir-lhe para não me tentar, você vai me tentar”. Essa é uma tradução muito pobre. Na verdade, Tiago 1:13 diz: “Ninguém, sendo tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele a ninguém tenta” (Tiago 1:13).

Nós não estamos pedindo: “Senhor, por favor, não me tente.” Então o que estamos realmente dizendo com isto? Bem, porque somos naturalmente propensos a caminhar em direção a tentação, nós estamos pedindo a Deus para nos levar para longe dela. Traduzida mais precisamente, a oração seria mais ou menos assim: “Leva-nos para longe de nossa tendência natural de sermos tentados”.

Será que precisamos orar esta oração? Pode apostar que sim! Somos propensos a jogar muito perto do abismo. Um ministro disse que quando o Senhor diz para fugirmos da tentação, nós muitas vezes rastejamos esperando que ela nos alcance. É como se a gravidade dentro de nossos corações, nos atraísse para o pecado. Então, temos que suplicar a Deus para nos ajudar a resistir a essa força.

O diabo gosta quando nós rastejamos, porque é mais fácil nos pegar com esse pouco comprometimento. O espião condenado Aldrich Ames disse que ele não acordou num dia e disse: “Eu acho que serei um espião. Eu acho que entregarei tudo para os russos por dinheiro”. Um dia, muito inocentemente, ele conheceu um russo que lhe perguntou: “Você poderia me dar uma lista telefônica? Te darei muito dinheiro”. Mas depois pouco a pouco, deu-lhe mais e mais até que um dia ele lhe vendeu segredos nucleares. Assim é como o diabo trabalha com a tentação. O rei Davi cometeu adultério com Bate-Seba, assassinando Urias, e mentindo ao seu povo. E isso começou com um pequeno e demorado olhar lascivo. Devemos orar, “Senhor, me leve para longe até mesmo das pequenas coisas, porque é assim que as grandes começam.”

“mas livra-nos do mal”

Eu realmente gosto da sétima petição, que diz: “mas livra-nos do mal”. Vivemos em um mundo afogado na tenebrosa escuridão do pecado. A única coisa que realmente dá aos cristãos esperança de longo prazo é que Deus promete que as coisas nem sempre serão assim. Estamos à procura da libertação final, e quando nós dizemos “livra-nos”, estamos falando da vinda de Cristo sobre o cavalo branco – o Rei dos reis e Senhor dos senhores, estabelecendo o Seu reino e eliminando qualquer vestígio do mal que reina no mundo hoje.

Nós devemos estar orando não apenas para que Deus nos guarde da tentação, mas que também liberte nossos irmãos, porque o diabo é poderoso e astuto. É por isso que tão desesperadamente precisamos de Deus para nos conduzir.

Ao falar da segunda vinda, Cristo disse: “Orai sem cessar” (Lucas 21:36). O texto completo diz: “Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que hão de acontecer, e estar em pé na presença do Filho do homem.” Você está orando sempre? Jesus também disse que devemos orar para que nossa fuga não seja no inverno, nem no dia de sábado (Mateus 24:20). Você já fez esta oração? Todo dia, toda hora, devemos orar para sermos libertos do mal para que possamos escapar do que está para acontecer neste mundo. Orar para que estejamos finalmente libertos e salvos do mal dentro e ao redor de nós. Você não pode ser salvo de um mundo mal até que você esteja primeiro salvo de um coração mau.

“Porque Teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre.”

Esta poderosa culminação é encontrada somente em Mateus, e o que ela fala é fascinante. Estamos no meio de uma grande controvérsia. O diabo diz que ele é o legítimo rei e que ele tem o poder. No entanto, Cristo, antes de ascender aos céus, estabeleceu Sua preeminência: “É-me dado todo o poder no céu e na terra” (Mateus 28:18). Esta oração reforça que nunca devemos esquecer quem está no comando deste universo. A oração não diz, “Teu será o reino”, mas sim, “Teu é o reino”. Na verdade, todas as petições da Oração do Senhor são possíveis somente porque Cristo é o poder. Ele tem o controle sobre todas as coisas agora.

O diabo vive por orgulho, para trazer glória a si mesmo. O motivo do cristão é honrar a Deus, dar a Ele a glória. É por isso que Satanás anseia ser um deus, porque ele quer a glória que ele não merece. O fim desta oração registra em nossas mentes e corações que confessamos diante de Deus que conhecemos o Seu caráter e bondade o qual será em breve vindicado.

“Amém”

Jesus disse: “Orem desta maneira”. Esta não é tanto a Sua oração, mas a nossa oração. É a oração daqueles que querem segui-Lo. Isso é também porque esta oração deve ser algo que flui de um coração verdadeiramente convertido. Deve ser uma definição do seu espírito e atitude. Um autor coloca desta forma:

“Eu não posso dizer “nosso” se eu viver só para mim. Eu não posso dizer “Pai” se eu não me esforçar a cada dia para agir como Seu filho. Eu não posso dizer “que estais no céu” se eu não coloco nenhum tesouro lá. Eu não posso dizer “santificado seja o Teu nome” se eu não estou me esforçando pela santidade. Eu não posso dizer “venha o vosso reino” se eu não estou tentando apressar a bendita esperança. Eu não posso dizer “seja feita Sua vontade” se eu sou desobediente. … Eu não posso dizer “assim na terra como no céu ‘se eu não estou a servi-Lo aqui e agora. Eu não posso dizer “dá-nos hoje o nosso pão de cada dia” se eu sou egoísta entesourando para o futuro. Eu não posso dizer “perdoai as nossas dívidas”, se guardo rancor contra alguém. Eu não posso dizer ‘não nos deixeis cair em tentação’ se eu deliberadamente me coloco em seu caminho. Eu não posso dizer “livrai-nos do mal ‘se eu não ambiciono a santidade. Eu não posso dizer “Teu é o reino” se eu não der a Jesus o trono do meu coração. Eu não posso atribuir a Ele ‘o poder’ se tenho medo do que os homens podem fazer. Eu não posso atribuir a Ele ‘glória’ se eu estou buscando a minha própria honra. Eu não posso dizer “para sempre” se eu estou vivendo apenas para as temporárias recompensas terrenas.”

Quando oramos a oração do Senhor, devemos fazê-la em um espírito de entrega total. E se nós estamos nos preparando para quando Jesus vier, precisamos aprender a orar como Jesus ensinou. A essência da oração está ligada em amar a Deus com todo nosso coração, pois não podemos amá-Lo se não estamos nos esforçando em conhecê-Lo. Se não estamos comunicando as nossas dores e nossas alegrias, até mesmo os nossos segredos mais íntimos, como podemos amá-Lo?

Exorto-os a investir mais tempo sobre seus joelhos, mas se você não pode estar de joelhos, peço-lhe apenas que ore. Reconheça que é essencial passar tempo de qualidade com Cristo em suas orações e devoções, pessoais ou coletivas, assim você pode implementar essas mudanças em sua vida e glorificar a Deus. Aproveite o “pão” da Palavra de Deus, e comunique a Ele seu desejo de ser transformado de egoísta em altruísta. Vamos orar uns pelos outros mais do que qualquer outra coisa. Vamos ficar juntos e levantar nossas vozes para o céu para que estejamos mais unidos na irmandade de Jesus.

Como o soldado britânico cuja oração o libertou, seremos em breve inspecionados por nosso Comandante no céu. Precisamos passar tempo em preparação para o evento principal. Precisamos dizer: “Senhor, ensina-nos a orar”. Ele nos deu o padrão em Sua Palavra, para termos a certeza de permanecer nela. Minha esperança é que você nunca veja esta oração da mesma forma novamente.

Texto de autoria do pastor Doug Batchelor, publicado no site amazing facts. Crédito da Tradução: Blog Sétimo dia https://setimodia.wordpress.com/

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Artigos traduzidos - Amazing Facts, Cristianismo Prático, Oração e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s