Graça, Livre-arbítrio e Juízo

O nome Jacobus (James) Arminius (1560-1609) e os termos Arminiano e Arminianismo nem sempre foram prontamente reconhecidos pelos Adventistas do Sétimo Dia. Na verdade, muitos têm inicialmente confundido estes termos com os Armênios da Turquia e seu estigma de Cristianismo Ortodoxo ou com o grande herege anti-trinitariano Arius e seus ensinamentos arianos. Mas, apesar da obscuridade e confusões relacionadas a esta terminologia, Armínio e o Arminianismo têm desempenhado um papel muito importante como parte da herança protestante da teologia adventista.

É interessante, e até um pouco surpreendente, descobrir que Arminius e Arminianismo não foram sequer mencionados por Ellen White em O Grande Conflito (ou em qualquer outro lugar em seus escritos). Tal omissão, porém, foi provavelmente porque a maioria de suas idéias importantes foram transmitidas à Ellen White e o adventismo através da influência de John Wesley (1703-1791) [1]. Seja como for, as idéias de Armínio provaram ser bastante fundamentais para a chave dos ensinamentos doutrinários adventistas. Mas antes de nos voltarmos a uma revisão dessas idéias importantes, nós precisamos saber mais sobre a pessoa Jacobus Arminius e seus posteriores discípulos arminianos.

Esboço Biográfico

Jacobus Arminius nasceu em Oudewater, perto de Utrecht, na Holanda. [2] Sua família de classe média foi devastada durante a infância de Jacobus pela morte de seu pai. Mas essa tragédia foi agravada pela morte de sua mãe e irmãos durante o massacre espanhol de Oudewater em 1575. O jovem Arminius foi posteriormente ajudado por amigos da família que viram que ele recebera uma educação universitária muito boa.

Sua educação superior começou em Marburg, na Alemanha, em 1575 e na Universidade de Leiden, na Holanda, de 1576 à 1581. Seu talento como estudante chamou a atenção de um número de ricos comerciantes de Amsterdan, que patrocinaram seus estudos teológicos posteriores. Este longo período iniciado no Ano Novo de 1582 na Academia de João Calvino de Genebra continuou até 1586, com uma pausa para estudos adicionais em Basileia (1582-1583). O destaque de sua educação teológica o capacitou a estudar com o renomado estudioso Theodore Beza (1519-1605).

Beza se tornou o sucessor de João Calvino em Genebra, especialmente no seu papel como professor de teologia líder na famosa academia (agora Universidade de Genebra). Durante os estudos de Arminius em Genebra, Beza (então com 62 anos) já era muito respeitado entre os crentes calvinistas / reformados em toda a Europa. Beza era um Calvinista ferrenho e tomou a posição mais radical sobre a doutrina da predestinação irresistível. Estas idéias provaram ser muito importantes mais tarde, no desenvolvimento teológico de Armínio e nos eventos subseqüentes no calvinismo e protestantismo em todo o mundo.

Após uma breve visita de estudo à Itália em 1587 (incluindo a Universidade de Pádua), Armínio voltou para Amsterdã, na Holanda para iniciar a sua carreira ao longo da vida como um pastor / erudito. Depois de sua ordenação como pastor da influente “Igreja Velha” (o centro da vida da Igreja Reformada em Amesterdam), Armínio serviria aquela congregação com grande fidelidade e distinção até 1603. Em 1590 casou-se com Lijsbet Reael, uma filha proeminente da aristocracia de Amsterdam, garantindo assim a estabilidade financeira e o contínuo apoio dos comerciantes e líderes mais influentes da cidade.

Em 1603 foi nomeado professor de teologia em sua “alma mater”, a Universidade de Leiden. Esta foi a nomeação mais importante de sua carreira, que só findaria com a sua morte prematura em 1609. Estes seis últimos anos de sua carreira incluem sua eleição como reitor da universidade (presidente), os trabalhos em curso como pastor, e a publicação de sua madura obra teológica, “Declaração de Sentimentos”.[3]

Os acontecimentos mais memoráveis da sua carreira docente foram as “controvérsias teológicas” (formalmente chamadas de “disputas”) com seu colega e professor de teologia, Franciscus Gomarus (1563-1641). Estes controversos, mesmo amargos debates, forneceram a definição das contribuições mais duradouras para o posterior avanço do arminianismo na Europa, América do Norte e Mundo Protestante.

Antecedentes Históricos

Enquanto o ponto de vista de Arminius causava uma divisão na tradição Reformada ou Calvinista, ele sempre alegou (e com razão) ser um calvinista em sua teologia básica. As maiores diferenças, entretanto, centravam-se em sua interpretação controversa da predestinação e suas implicações para outras doutrinas intimamente relacionadas. É interessante notar que todos os anteriores e grandes reformadores protestantes da Reforma Protestante na Europa no século XVI, haviam adotado as idéias de Agostinho de Hipona (Fim do quarto, início do século V dC) da irresistível “dupla predestinação” [4]. Lutero, Zuínglio, Calvino, Bucer e Ballinger, todos entendiam que todo ser humano era predestinado para a danação eterna ou para a salvação pela irresistível e inescrutável sabedoria de Deus. Além disso, não havia nada que qualquer pessoa pudesse fazer sobre isso (Exceto clamar que estavam dispostas a serem salvas ou condenadas, tudo para a glória de Deus).

Quase a única exceção a esse consenso antes de Armínio foi o suplente e sucessor de Lutero Filipe Melanchthon (1497-1560). Mas, enquanto a dissidência de Melanchthon criou uma controvérsia relativamente pequena entre os Luteranos, as idéias de Arminius criaram uma grande comoção que mudaria para sempre as direções teológicas do protestantismo mais tarde, especialmente na Grã-Bretanha e na América do Norte.

Armínio e os Arminianos Remonstrantes

Os principais temas teológicos de Armínio tiveram todos implicações importantes para a doutrina e a experiência da salvação.[5] Como já mencionado, a chave da controversa doutrina, que abriu o caminho para o que hoje chamamos arminianismo doutrinário foi a rejeição de Armínio à doutrina Agostiniana / Calvinista da eleição irresistível através da absoluta predestinação. Defronte dos “alto calvinistas”, Arminius ensinava que a predestinação é baseada na presciência divina da utilização que os homens fariam dos meios da graça”. [6] Intimamente relacionado com a predestinação absoluta do “alto-calvinismo”, estava a doutrina da “expiação limitada”, o conceito de que apenas os eleitos seriam irresistivelmente salvos, e que Cristo morreu apenas pelos “eleitos”.

Contra essa idéia restritiva, Armínio “afirmou que Ele [Cristo] morreu por todos, embora nem todos recebem os benefícios da Sua morte, exceto os crentes”. [7] Além disso, Armínio e seus seguidores arminianos se opunham contra a “doutrina calvinista da graça irresistível” e “ensinavam que a graça pode ser rejeitada”. [8] E, finalmente, Armínio e companhia, declararam a incerteza em relação ao ensino calvinista da perseverança, mantendo a possibilidade de que os homens podem perder a graça uma vez recebida”. [9] Em outras palavras, o “uma vez salvo, sempre salvo”, foi questionado por muitos e rejeitado mais tarde pela maioria dos arminianos.

Após a morte de Armínio em 1609, 41 de seus seguidores mais fiéis compuseram uma declaração de fé em 1610, chamada de “Remonstrance” (Forte Protesto). Assim é a partir deste título que o grupo que formaria a gênese do partido arminiano no protestantismo recebeu o nome de “Remonstrantes”. A publicação deste documento teria posto em marcha uma série de forças religiosas, políticas e sociais muito complexas que, resultariam na evocação do famoso Sínodo de Dort (Dordrecht, na Holanda) no final de 1618 e início de 1619.

O Sínodo de Dort foi importante por uma série de razões, não menos do que foi o primeiro e verdadeiramente formal, encontro internacional dos calvinistas, com representação não só da Holanda, mas também da Alemanha, Suíça, França e Grã-Bretanha. Por causa da ascendência política dos “alto calvinistas,” não foi nenhuma surpresa que os “remonstrantes arminianos” fossem veementemente rejeitados e seguiram-se terríveis perseguições, incluindo execuções de um número de líderes remonstrantes e exílio forçado da maioria dos que restaram.

Mas para ambas as gerações posteriores de calvinistas e arminianos, as deliberações do Sínodo de Dort ajudaram a esclarecer totalmente as idéias-chave em conflito e suas respectivas posições anteriormente delineadas
 no início deste artigo. Os arminianos claramente rejeitaram cinco pontos-chave dos calvinistas. A resposta aos calvinistas era identificada pelo acróstico conhecido como TULIP (T – Total depravação; U – Uma eleição incondicional; L – Limitada expiação; I – Irresistível Graça; P – Perseverança, ou nenhuma perda da salvação).

Como isso afetou mais tarde a teologia protestante

 

Embora as idéias básicas do Arminianismo representavam o consenso da igreja primitiva dos primeiros quatro séculos do cristianismo, elas eram, certamente um claro afastamento do “alto Calvinismo”, inspirado no pensamento de Agostinho de Hipona. Mas as principais influências que moldaram o Arminianismo, encontraram seu solo mais fértil no Anglicanismo Evangélico, que ficou conhecido por causa de seus filhos mais famosos, John e Charles Wesley, no século XVIII – Como arminianismo wesleyano [10]. Foi esta forma de Arminianismo evangélico de “coração” que foi a grande influência do avivamento do século XIX do qual o adventismo do sétimo dia surgiu.

A Importância de Arminius para o adventismo

O apanhado dos conceitos-chave do arminianismo foi implicitamente, se não explicitamente, abraçado pela grande maioria dos adventistas do sétimo dia. Nosso entendimento da salvação ressoa fortemente com as idéias da liberdade humana que resultam das iniciativas criativas e re-criativas da graça de Deus. Tutelados pela ex-metodista e muito Wesleyana Ellen White que abraçamos a conversão da graça, que vem da soberana e redentora iniciativa de Deus. Mas essa graça sempre se desdobra persuassivamente, não coercitivamente. Deus bate insistentemente na porta do coração, mas ele nunca chuta esta porta sagrada. Temos afirmado a doutrina da depravação humana e da corrupção, mas temos geralmente mantido que há uma piedosa graça dotada da liberdade de uma “livre vontade”.[11]

Além disso, temos sempre desconfiado da perseverança irresistível, ou a doutrina do “uma vez salvo, sempre salvo”. Essas noções parecem constituir um local pré-fabricado para a “graça-barata” que leva a presunção de pecar e a atitudes de desprezo para com a santa lei de Deus.

Mas em um nível mais elementar, embora possivelmente mais sutil, provavelmente não haveria a doutrina adventista do Juízo (especialmente a doutrina do juízo investigativo pré-advento) se não houvesse a doutrina da graça gratuita e o livre arbítrio. De fato, uma das razões muito fortes do porque arminianos vieram a rejeitar a doutrina da eleição irresistível, ou predestinação determinista, foi a alegação de que esta lógica de ensino efetivamente faz Deus ser o autor do pecado! Assim, no cerne dessa forte e negativa reação à eleição está um irresistível desejo de defender a graça do amor de Deus.

Esta noção arminiana da Livre graça, parece implicitamente levar a uma forte ênfase no chamado, convicção, justificação e graça santificante – cujos frutos serão plenamente exibidos no público e final julgamento de Deus. Será, portanto, esta exibição do “fruto” da prova da fé, que irá persuassivamente contribuir para a vindicação final de Deus das relações com o pecado e os pecadores através de Seu juízo de investigação. Para colocar de forma bem simples: sem “livre graça” e “livre vontade”,  sem Deus-vindicando “o tema do Grande Conflito” para o Adventismo do Sétimo Dia.

Talvez a questão possa ser dita retoricamente: Por que deveria haver qualquer questionamento das decisões de Deus, se todas as suas decisões de salvação já foram pré-determinadas? Assim, tudo o que sugere um julgamento público seria simplesmente um processo de revelar as inexplicáveis, inescrutáveis, irresistivelmente pré-determinadas decisões de salvação ou condenação de Deus.

Bom Conselho

E finalmente com a introdução de uma forte doutrina da santificação, ou graça transformadora emanada do Arminianismo, especialmente dos Wesleyanos e adventistas do sétimo dia, não deve causar nenhuma surpresa que até mesmo o próprio Arminius era levado a refletir sobre questões da garantia pessoal de salvação e assuntos intimamente relacionados mas sempre desafiadores a respeito do tema da perfeição cristã. Sua sabedoria sensata convida a uma leitura atenta e uma resposta ponderada:

“Mas, embora eu nunca afirmei que um crente possa perfeitamente manter os preceitos de Cristo nesta vida, eu nunca neguei, mas sempre deixei isso como uma questão que ainda tem de ser decidida.” Assim, embora não preocupado com a perfeição, ele ofereceu algum conselho sábio sobre as disputas aparentemente intermináveis sobre a questão perfeição que deve repercutir positivamente nos Adventistas do Sétimo Dia arminianos de “coração”:

“Acho que o tempo pode ser muito mais feliz e útil se empregado em orações para obter o que falta em cada um de nós, e em admoestações sérias para que cada um se esforce para prosseguir e avançar para a marca da perfeição do que quando gasto em tais disputas”. [12] Poderia esta prática sabedoria ser reivindicada na vida dos “filhos de Arminius” que vão levá-la ao coração? Nós fervorosamente esperamos que sim.

Enquanto Armínio não teve muita audiência consciente entre os adventistas, oro para que esta breve introdução à sua vida e pensamento e suas positivas influências sobre o subsequente progresso entre os nossos mais próximos antepassados protestantes e adventistas desperte a sua curiosidade espiritual e teológica. Sem a influência da vida e do pensamento deste fiel e prudente servo de Deus, nossa doutrina e experiência de salvação seriam muito pobres e o amor de Deus gratuitamente concedido (incluindo a doutrina muitas vezes incompreendida dos juízos de Deus) seria muito desvalorizada.

Referências

1 For an authoritative, concise, yet readable account of the life of Wesley, see Kenneth J. Collins, A Real Christian: The Life of John Wesley (Nashville, Tenn.: Abingdon, 1999).
2 The name Jacobus Arminius is a Latinized form of his birth name, Jacob Harmenszoon. The best scholarly biography of Arminius is still Carl Bangs, Arminius: A Study in the Dutch Reformation, 2nd ed. (Grand Rapids, Mich.: Zondervan, 1985). The following biographical sketch was basically drawn from (1) Carl Bangs’ article entitled “Arminius, Jacobus,” in Mircea Eliade, ed., The Encyclopedia of Religion (New York: MacMillan, 1987), vol. 1, pp. 419, 420; (2) Victor Shepherd’s article entitled “ARMINIUS, Jacobus,” in Timothy Larsen, ed., Biographical Dictionary of Evangelicals (Downers Grove, Ill.: InterVarsity, 2003), pp. 18-20; and (3) J. K. Grider’s article entitled “Arminius, James,” in Walter A. Elwell, ed., Evangelical Dictionary of Theology, 2nd ed. (Grand Rapids, Mich.: Baker, 2001), pp. 98, 99.
3 These writings, along with the rest of his literary pieces, are included in the most recent edition, entitled The Works of James Arminius, 3 vols., translated and edited by James Nichols and William Nichols (Grand Rapids, Mich., Baker, 1996).
4 The phrase “double predestination” marks the view that God chose who would be saved and who would be lost, and that His decision is infallibly to come to pass.
5 The following theological developments have been greatly informed by the concise comments of Williston Walker, A History of the Christian Church, rev. ed. (New York: Charles Scribner’s Sons, 1959), pp. 399-401; the clearly written and helpful insights of Justo L. Gonzalez in his A History of Christian Thought, Vol. III, rev. ed. (Nashville, Tenn.: Abingdon, 1975), pp. 279-288; and J. K. Grider’s article entitled “Arminianism,” in Evangelical Dictionary of Theology, pp. 97, 98.
6 Walker, p. 400.
7 Ibid.
8 Ibid.
9 Ibid.
10 Grider, “Arminianism,” p. 98.
11 This is theologically expressed by the technical term “prevenient grace,” which literally means the grace of God that comes before (pre-venio) sinners would ever think to go to God for help.
12 Cited by Carl Bangs, Arminius: A Study in the Dutch Reformation, p. 347.

__________
Artigo de Woodrow W. Whidden, publicado na Adventist Review de 14 de Outubro de 2010. Crédito da Tradução: Blog Sétimo dia https://setimodia.wordpress.com/

 

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Artigos Traduzidos - Adventist Review, Graça, Justificação pela Fé, Livre Arbítrio, Predestinação - Livre Arbítrio e Temas Relacionados e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Graça, Livre-arbítrio e Juízo

  1. Pingback: BlogAdventista.com.br » Blog Archive » Graça, Livre-arbítrio e Juízo

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s