Anticristo: Do Dualismo Persa ao Cristianismo Contemporâneo

Graças a Tim LaHaye e Jerry B. Jenkins da série “Left Behind – Deixados para trás” a representação mais popular do “anticristo” é Nicolae Carpathia, um rico empresário romeno descrito como o diabo encarnado num governante das Nações Unidas e tirânico adversário das forças do bem. Sua meta é alcançar a dominação mundial e esmagar o cristianismo. Apesar do fato desse personagem ser fictício, a maioria dos cristãos estão convencidos de que o anticristo será como Carpathia. Carpathia representa o anticristo arquetípico, um único homem dotado com todo o mal do diabo, que trabalha contra as forças do bem.

A antiga cultura do Oriente Médio teve seu equivalente a Nicolae Carpathia, o conhecido Beliar. Beliar ou Belial em hebraico, significa uma pessoa sem valor. O termo passou a ser associado a Satanás e ao anticristo durante o período intertestamentário (200 d.C- 4 a.C). 1 O conceito Belial / anticristo foi originalmente derivado do clássico dualismo persa e incorporado nos escritos judaicos apocalípticos não-canônicos: “Este conceito fantasioso parece ter tido sua origem na escatologia persa, onde a batalha entre Ahura Mazda, o deus da luz, e Angra Mainyu, o deus das trevas, desempenha um papel predominante. E de lá ele encontrou o seu caminho na literatura apocalíptica judaica, onde a oposição entre Deus e o diabo, é introduzida sob os vários nomes de Belial, Satanas, Diabolus, Pneuma Aerion. . . . Belial, que originalmente era, provavelmente, nada mais do que a encarnação do diabo, e foi logo expandido, sob a influência de certas condições históricas para ser o opositor de Deus nos últimos tempos”2.

Embora a descrição de Belial evoluiu através da literatura antiga, algumas características permaneceram para criar o conceito moderno do anticristo. A maioria das descrições de Belial nos escritos intertestamentais eram baseadas sobre o paralelismo dualista entre o Messias e o anticristo. As descrições encontradas nestes escritos da figura do Messias eram mutuamente aplicadas ao anticristo e vice-versa. Aparente nos Salmos de Salomão, 3 este tema de paralelismo dualista descreve o “Ungido” como um literal “Filho de Davi”, um homem, que depende da ajuda de Deus para derrotar os inimigos de Deus e salvar o Seu povo (Salmos de Salomão 17:23-25). Reciprocamente, descreve o anticristo como sendo um gentio auxiliado por Satanás para destruir o povo de Deus (Salmos de Salomão 2:24-29;. 17:13-15). Em outro lugar, impera a figura do Messias, com misericórdia e justiça (Salmos de Salomão 17:23, 32), enquanto que o anticristo continua a ser um tirano (Salmos de Salomão 17:13-17). Assim, G. W. Lorien conclui, “No Salmo de Salomão 17, o tema do Ungido espelha quase completamente o tema do Anticristo” 4.

Este tema não se limita aos Salmos de Salomão. Nos Oráculos Sibilinos, o paralelismo dualista também existe.

Deus enviará um messias que irá eliminar alguns através da guerra e a outros irá ligar a si mesmo por lealdade. Ele fará isso na forma de uma figura humana, e na total dependência de Deus. Tem sido afirmado que a forma como o Anticristo é retratado é determinada em parte pela figura do Messias. . . . Da nossa leitura desta descrição do messias, podemos concluir sobre o Anticristo: “Um Anticristo definido por Satanás irá eliminar alguns por meio de guerras e vincular outros para si mesmo por lealdade, ele fará isso em uma figura humana e na total dependência de Satanás” 5.

Reconhecendo este tema na Ascensão de Isaías, LJ Lietaert Peerbolte escreve: A descrição de Belial deixa claro que ele é pensado como uma figura divina. Ele vai “descer na forma de um homem” (4, 2). Esta é provavelmente uma alusão à encarnação de Cristo. A passagem 10, 9-11 é uma descrição de como Cristo transformou-se no exemplo daqueles que visitou em sua descida pelas abóbadas do céu, e como no final, ele tomou a forma de homem. Da mesma forma Beliar disfarça-se como um homem. Mas a imitação vai muito além disso. Como o v. 6 diz: “Ele vai agir e falar como o Amado e dirá: Eu é que sou o Senhor, e antes de mim não houve nenhum outro”. Belial nomeia-se como o Cristo, provando ser um enganador. 6

Similares e recíprocas comparações entre o Messias e o Anticristo são encontradas em vários lugares, mas vamos observar apenas três. De acordo com o testamento de Dan, Belial, o anticristo, é um homem imbuído de poder satânico, enfrentando o “Senhor”, um homem imbuído de santo poder.7 No mesmo livro, os autores descrevem Belial como um judeu da tribo de Dan que oprimirá os judeus, enquanto que o Messias surge tanto de Judá como de Levi para salvá-los. 8 Na Assunção de Moisés, o anticristo possui o título de “rei dos reis”, um título geralmente reservado para o Messias.9 No Pseudo Ezequiel, o anticristo é chamado de “filho de Belial” que se opõe ao “filho de Deus” 10.

Influência sobre os pais da igreja

A influência do mito Belial sobre os Pais da Igreja tornou-se bastante pronunciado.11 Embora certas características variam de testemunha para testemunha, o conceito de um único e poderoso tirano do mal permeia seus escritos.

Pegue Irineu, por exemplo. Explicando a visão de Irineu sobre o anticristo, Gregory C. Jenks conclui: “No caso de Irineu, a relação entre o Anticristo e Satanás foi expressa em termos de sua doutrina da recapitulação. Assim como Cristo apanhou toda a humanidade em si mesmo para a justificação, assim a figura do Anticristo foi entendida como uma pessoa que recapitularia em sua existência humana, todo o pecado e apostasia da história terrestre e celeste” 12.

Este tema de paralelismo dualista é ainda mais acentuado nos escritos de Hipólito, um ex-aluno de Irineu. Os escritos de Hipólito transparentemente revelam a influência do mito de Belial. Observe a abrangência do tema do paralelismo dualista em sua descrição do anticristo: o enganador procura tornar-se semelhante em todas as coisas ao filho de Deus. Cristo é um leão; assim o Anticristo é também um leão; Cristo é um rei, assim o Anticristo é também um rei. O Salvador se manifestou como um cordeiro, assim ele também nos mesmos moldes, aparecerá como um cordeiro, embora por dentro ele seja um lobo. O Salvador veio ao mundo na circuncisão, e ele virá da mesma maneira. O Senhor enviou os apóstolos entre todas as nações, e ele da maneira enviará os falsos apóstolos. O Salvador reuniu as ovelhas que estavam dispersas, e ele da mesma maneira vai reunir um povo que andava disperso. O Senhor deu um selo para aqueles que acreditaram nele, e ele dará um nos mesmos moldes. O Salvador apareceu na forma de um homem, ele também virá na forma de um homem. O Salvador ressuscitou e mostrou a sua carne como um templo santo, e ele levantará um templo de pedra em Jerusalem.13

Irineu e Hipólito eram figuras importantes, porque suas interpretações do anticristo estabeleceram um precedente importante que muitos dos pais da Igreja seguiram.

Idéias sobre o anticristo foram emprestadas e melhoradas. Por exemplo, Orígenes, descrevendo o anticristo, argumentou que desde que Jesus era o Filho de Deus, então o anticristo seria o filho do demônio. 14 Vitorino inspirado pelo precedente patrístico acredita que o anticristo seria uma reaparição de Nero, um personagem pseudomoral, que enganaria o povo de Deus. 15 João Crisóstomo, também acreditou no mito de Nero, afirmando: “Pois o mistério da iniqüidade já trabalha. [Paulo] fala aqui de Nero, como se ele fosse um tipo do Anticristo”. 16 Ambrósio era da opinião de que “Como o Filho de Deus, em Seu humilde nascimento manifestou a sua natureza divina, assim também Satanás aparecerá em forma humana”. 17 Da mesma forma, Teodoreto escreveu: “O perseguidor dos homens simula a encarnação de Deus, nosso Salvador; assumindo como ele nossa natureza humana, realizando nossa salvação, de modo que também faz a escolha de um homem capaz de receber a plenitude de seu poder, o qual seduzirá os homens”. 18 Jerônimo, sendo completamente doutrinado pelos pais da Igreja, escreveu: “Também não vamos pensar que ele [o Anticristo]. . . é o diabo ou um demônio, mas um dos homens em que Satanás habita inteiramente e corporalmente”. 19 Apesar de os primeiros pais fazeram suas próprias inovações aqui e ali, eles não se afastaram do script derivado de testemunhos não-bíblicos.

Os pais da igreja foram claramente influenciados pelo mito Belial e procuraram interpretar o registro bíblico com as lentes adquiridas com os apócrifos e pseudo-epígrafes. Suas interpretações influenciaram uma geração de cristãos após a outra até a Reforma. No entanto, desde a Reforma, o mito Belial têm recuperado seu destaque.

O Mito Belial e sua influência contemporânea

Antes da Reforma, a maioria dos cristãos, abraçava a visão do mito Belial/Anticristo. No entanto, com o advento da Reforma, essa visão começou a desmoronar. Os reformadores, cujo grito de guerra era a sola scriptura, desenvolveram uma interpretação profética independente dos pais da igreja. Concentrando-se na Bíblia e na história, eles foram levados a uma visão distinta do anticristo. Essa nova interpretação do anticristo foi um dos baluartes da Reforma.

Estes ataques contra a autoridade [da Igreja Católica] eram apoiados por uma apropriação dos sectários do final da Idade Média de duas ideias devastadoras: escatologia e predestinação. Lutero, como os sectários, acreditava no rápido advento de Cristo, para derrubar o seu grande inimigo Anticristo, identificado como o papa. Houve essa diferença, entretanto, entre o ponto de vista de Lutero e de seus precursores. Eles equiparavam os papas em particular com o Anticristo, por causa de suas vidas perversas. Lutero declarou que mesmo os papas exemplares eram Anticristos porque [eram] os representantes de uma instituição que se opunha à Cristo. 20

A visão de Lutero do anticristo como um sistema ou instituição ao invés de uma pessoa era uma clara ruptura dos pais da igreja, cuja visão era baseada no mito de Belial. A visão de Lutero do anticristo influenciou o protestantismo, não só na “Alemanha, mas na Suíça, Inglaterra, Escandinávia e até mesmo na França”. 21 A teoria do anticristo como indivíduo único estava desmoronando, porque os teólogos procuraram ler a Bíblia de novo.

O distinto entendimento protestante do anticristo exerceu uma grande influência, e o papado tentou inventar novos meios para combatê-lo. Para fazer isso, o papado decidiu inventar dois falsos sistemas de interpretação profética para eliminar os ensinamentos protestantes sobre o anticristo.

Rumo ao fim do século da Reforma, dois de seus [Igrejas Católicas] médicos mais instruídos, definiram a si mesmos a tarefa, esforçando-se cada um por diferentes meios para atingir o mesmo fim, ou seja, o de desviar a mente dos homens de perceber o cumprimento das profecias do anticristo no sistema papal. O jesuíta Alcasar dedicou-se a pôr em destaque o método de interpretação preterista. . .assim, se esforçou para mostrar que as profecias do Anticristo foram cumpridas antes de os papas governarem em Roma, e, portanto, não se poderia aplicá-las ao Papado. Por outro lado o jesuíta Ribera, tentou definir o sistema futurista, que afirma que essas profecias não se referem a carreira do papado, mas a um futuro indivíduo sobrenatural que ainda estaria para aparecer, e continuaria no poder por três anos e meio anos.22

Para vender estas interpretações forjadas, uma nova ênfase foi colocada sobre os Pais da Igreja e seus conceitos do anticristo Belial, de inspiração evidente nos escritos do cardeal jesuíta Bellarmino e Malvenda Thomas, que citam as autoridades patrísticas para apoiarem as suas conclusões de uma única pessoa anticristo decorrente dos judeus.23

Os esforços dos jesuítas para reintroduzir as visões escatológicas dos pais da igreja, que eram inspiradas pelo mito Belial, tiveram um efeito incomensurável no Protestantismo. Isso pode ser claramente visto a partir do sucesso da série “Deixados para Trás”.

Mudar a identidade protestante tradicional do anticristo não foi uma tarefa fácil. Foi feita em grande parte, convencendo os protestantes a receberem a escatologia dos pais da Igreja sobre os seus imediatos antecessores protestantes. A maioria dos argumentos seguem o raciocínio de John Henry Hopkins, que escreveu em seu livro Um Cândido Exame da Questão Se o Bispo de Roma é o grande Anticristo das Escrituras:

Os mais antigos Pais viviam mais próximos dos apóstolos, e, portanto, eles eram mais propensos a reterem o sentido dos Apóstolos em suas interpretações da Escritura. . . . Esta é a declaração dos principais escritores primitivos (que o Anticristo é um homem único, inspirado por Satanás, da tribo de Dan). E, portanto, é indiscutível que eles estão totalmente opostos aos nossos intérpretes modernos, que têm trabalhado tão engenhosamente para fazer o Anticristo corresponder ao Papa de Roma. Mas aqui devemos perguntar: Quem eram os mais qualificados para entender estas profecias? Os eminentes Pais que viveram mais próximo dos tempos apostólicos, examinando as Escrituras, sem qualquer interesse ou prejuízo para deformar o seu julgamento? Ou os homens dos dias modernos, sem dúvida, igualmente honestos e sinceros, mas que formaram suas opiniões sob o potente viés produzido pelas lutas da Reforma, quando havia tão forte incentivo para associar o espírito autoritário e perseguidor do papado com as previsões sobre o homem do pecado e do filho da perdição? 24

Infelizmente, entre os professos portadores da Bíblia padrão, este argumento de embarcações eventualmente venceu. Sem apelar para a história da Bíblia, ou a evidência que os reformadores haviam compilado, Hopkins com um golpe amplo revogou um dos princípios fundamentais do protestantismo. Descansando na tradição e na memória dos pais da igreja, Hopkins e outros foram capazes de anular uma das principais doutrinas da Reforma – que o catolicismo era o sistema do anticristo. Teólogos contemporâneos e líderes cristãos acreditam em um único, anticristo humano, inspirado por Satanás e têm essencialmente reciclado os argumentos de Hopkins. Ignominiosamente, os protestantes que aceitam essa interpretação dos Pais da Igreja estão ignorantemente defendendo a mitologia pagã. Assim, o ideal Nicolae Carpathia – um diabo homem encarnado, evoluíu a partir do antigo dualismo persa e foi incorporado nos escritos apocalípticos não canônicos sob a forma de um personagem mítico chamado Belial. Os pais da igreja adotaram este arquétipo dando-lhe uma reforma cristã. Durante a Reforma, a investigação da Bíblia levou os protestantes a negação de Belial como anticristo e a visualização do anticristo como um sistema corrupto. No entanto, devido aos esforços dos jesuítas, que colocaram uma ênfase nos pais da igreja, o conceito Belial agora desfruta de um renascimento. A popularidade de Nicolae Carpathia representa uma triste tendência da cristandade contemporânea, demonstrando que os cristãos são mais propensos a aceitarem a tradição pagã, como verdade bíblica.

Referências:

1 T. K. Cheyne and J. Sutherland Black, Encyclopædia Biblica: A Critical Dictionary of the Literary, Political and Religious History, the Archæology, Geography, and Natural History of the Bible (New York: Macmillan, 1899–1913), 525.

2 LeRoy Edwin Froom, The Prophetic Faith of Our Fathers, vol. 1, Early Church Exposition, Subsequent Deflections, and Medieval Revival (Washington, DC: Review and Herald, 1950), 299.

3 See G. Buchanan Gray’s translation of Psalm of Solomon in The Apocrypha and Pseudepigrapha of the Old Testament in English Oxford, ed. R. H. Charles (London: Clarendon Press, 1913), 2:631–652.

4 G. W. Lorein, The Antichrist Theme in the Intertestamental Period (London: T & T Clark International, 2003), 106.

5 Ibid., 56.

6 L. J. Lietaert Peerbolte, The Antecedents of Antichrist: A Traditio-Historical Study of the Earliest Christian Views on Eschatological Opponents (Leiden, Netherlands: Brill, 1996), 201.

7 R. H. Charles, The Apocrypha and Pseudepigrapha of the Old Testament (Oxford: Clarendon Press, 1913), 2:282–367.

8 Ibid.

9 G. W. Lorein, The Antichrist Theme, 141.

10 Ibid., 151.

11 Froom, The Prophetic Faith, 1:468.

12 Gregory C. Jenks, The Origins and Early Development of the Antichrist Myth (New York: Walter de Gruyter, 1991), 51.

13 Alexander Roberts and James Donaldson, eds., Ante-Nicene Fathers: The Writings of the Fathers Down to A.D. 325 (Peabody, MA: Hendrickson Publishers, 2004), 5:206.

14 Jenks, Origins and Early Development, 53.

15 W. Bousset, The Antichrist Legend: A Chapter in Christian and Jewish Folklore, trans. A. H. Keane (Atlanta, GA: Scholars Press, 1999), 29.

16 Philip Schaff and Henry Wace, eds., A Select Library of Nicene and Post-Nicene Fathers of the Christian Church (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1983), 389.

17 Ibid., 142.

18 Ibid.

19 Bousset, The Antichrist Legend, 129; brackets in the original.

20 Roland H. Bainton, The Reformation of the Sixteenth Century (Boston, MA: Beacon Press, 1952), 43, 44.

21 Froom, The Prophetic Faith of Our Fathers, vol. 2, Pre-Reformation and Reformation Restoration, and Second Departure (Washington, DC: Review and Herald, 1950), 356.

22 Joseph Tanner, Daniel and the Revelation: The Chart of Prophecy and Our Place in It; A Study of the Historical and Futurist Interpretation (London: Hodder and Stoughton, 1898), 16, 17.

23 Froom, The Prophetic Faith, 2:499, 501, 502, 504, 505.

24 John Henry Hopkins, A Candid Examination of the Question Whether the Bishop of Rome is the Great Anti-Christ of Scripture (New York: Hurd and Houghton, 1868), 112, 113.

Artigo escrito por Timothy Perenich e publicado no site da Revista Ministry Magazine. Crédito da tradução: Blog Sétimo Dia https://setimodia.wordpress.com/

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Anticristo, Artigos Traduzidos - Ministry Magazine e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Anticristo: Do Dualismo Persa ao Cristianismo Contemporâneo

  1. Pingback: BlogAdventista.com.br » Blog Archive » Anticristo: Do Dualismo Persa ao Cristianismo Contemporâneo

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s