Anjos: O que a Bíblia diz sobre eles

Por Loren Seibold

Clara Barton, fundadora da Cruz Vermelha Americana, nunca professou a típica fé cristã. Ela considerava-se deísta – aquele que crê em um Deus Criador que criou um mundo em movimento, e em seguida, deixou de interferir nos assuntos humanos. Mas em abril de 1884, aconteceu algo que mudou seu pensamento.

Barton estava supervisionando um esforço humanitário a uma terrível inundação do rio Mississippi a partir do convés do barco Mattie Bell. O rio estava cheio de detritos, de grandes árvores e construções. Pior eram os perigos submersos: pedras e o rompimento de barragens que poderiam destruir um barco em instantes.

Pouco antes da partida, um de seus associados disse a Clara que um desconhecido estava insistindo para embarcar no Mattie Bell, embora tenha sido, bastante “incomum”, e vago no seu propósito. Clara não tinha tempo para passeios. “Permissão negada”, disse ela. Mas no momento que ela deu essa ordem, o barco afastou-se com o passageiro extra a bordo.

O estranho foi logo esquecido, pois estavam navegando através de uma cena trágica. A água estava repleta de corpos inchados de gado, homens, mulheres e crianças, tudo flutuando em direção ao Golfo do México. Às vezes, eles ouviam o rugido de uma fenda – um dique rompido formando uma cachoeira que poderia arrastar o barco e fazê-lo naufragar.

Perto do pôr do sol, Clara notou o estranho. Embora ele estivesse olhando para frente do rio e sem incomodar ninguém, ela lembrou o capitão que ela queria o estranho fora. O capitão não estava pronto para parar. Ele queria continuar até um ponto onde pudesse ancorar com segurança.. Clara concordou relutantemente. Mas como a noite caiu, o navio foi envolto em uma espessa neblina que os deixou navegando cegamente num rio cheio de entulho. Clara, de pé, estava apavorada e, apesar disso, começou a orar.

A voz do estranho a interrompeu. “Dentro de momentos o barco estará em uma fenda mortal”, disse ele. “O capitão não vai me escutar. Você deve ordenar-lhe que arranque para tráz imediatamente!”

Havia algo no tom do estranho que impressionou Clara. Ela deu a ordem, e o capitão a respeitou, revertendo os motores e ancorando do lado oposto do rio.

Ao amanhecer, todos viram que tinham escapado da morte por pouco: uma rachadura de 500 pés, com toda a força do Mississippi por trás dela, emergiu de um dique à 15 pés de altura. Como tinha o estranho percebido? Clara pediu à sua equipe procurá-lo para que pudessem agradecer-lhe. Após uma busca minuciosa no pequeno barco, veio a notícia, “Ele não está a bordo.”

Até o dia de sua morte, Clara Barton acreditou que um anjo tinha salvo o Mattie Bell de uma catástrofe.

Se você acredita na Bíblia, você sabe que os anjos são reais. Então, o que a Bíblia diz sobre eles?

Ajudantes de Deus

Os anjos são chamados de diversas formas na Bíblia. Além da palavra anjo em si, esses seres são chamados de “querubins” e “serafins” “(Gênesis 3:24, Ezequiel 10:01, Isaías 06:02, NVI)1, e a palavra arcanjo é muitas vezes aplicada ao próprio Cristo (1 Tessalonicenses 4:16; apesar de Cristo ser um Ser Divino e, portanto, não um anjo criado). A Bíblia ainda dá nomes pessoais, a pelo menos, dois anjos: Gabriel e Apoliom (Daniel 9:21, Lucas 1:26; Apocalipse 9:11).

A palavra anjo vem da palavra grega aggelos, que significa “mensageiro”. Muito sobre os anjos é misterioso, mas não o seu trabalho. Eles são ajudantes de Deus.

Como nós, os anjos foram criados por Deus. “Porque nele foram criadas todas as coisas que estão no céu, e que estão na terra, visíveis e invisíveis”, explica Paulo (Colossenses 1:16, KJV). Embora não saibamos quantos anjos Deus criou, a Bíblia nos dá uma dica. Apocalipse 5:11 descreve “…milhões de milhões e milhares de milhares” ao redor do trono de Deus. O número desses anjos provavelmente permanece inalterado desde que foram criados, pois esses seres celestiais não reproduzem nem morrem (veja Mateus 22:30).

Os anjos têm poderes e habilidades muito além das nossas. Livre de corpos físicos, a Bíblia os chama de “espíritos ministradores” (Hebreus 1:14), eles podem influenciar nossas vidas, mesmo quando nós não os vemos. Em muitos relatos bíblicos eles aparecem e desaparecem à vontade. Certa vez, quando Eliseu e seu servo foram cercados por forças hostis, Deus os deixou ver uma grande infantaria de anjos invisíveis lutando a seu lado contra o inimigo (2 Reis 6:15-17).

Na sua forma visível, os anjos aparecem ocasionalmente com asas (Isaías 6:2) ou brilhando com uma luz gloriosa (Mateus 28:3). Mas eles podem aparecer em qualquer forma que Deus desejar que eles apareçam, mesmo que seja falando pela boca de uma jumenta (Números 22:28)! Eles freqüentemente aparecem como seres humanos, como quando os anjos ficaram na casa do idoso Abraão prometendo-lhe um filho (Gênesis 18). É por isso que a Bíblia nos adverte que se fizermos uma bondade a um desconhecido, podemos ter hospedado “anjos sem o saber” (Hebreus 13:2).

Os anjos nunca são descritos na Bíblia como crianças bochechudas aladas, como alguns artistas o descrevem. Estes mini-querubins refletem uma concepção errônea de que os bebês que morrem se transformam em anjos, uma idéia que não é encontrada na Bíblia.

Anjos Maus

Em comum com nós, os anjos têm livre-arbítrio, uma qualidade que tem desempenhado um papel importante na nossa história espiritual humana. Foi na época da criação da humanidade que um anjo, nutrindo um orgulho perverso por sua exaltada posição, declarou: “serei semelhante ao Altíssimo” (Isaías 14:14 ). Ele convenceu um terço dos anjos para acompanhá-lo em uma rebelião contra Deus e tudo o que Deus representa (ver Apocalipse 12:3, 4). Este vilão tornou-se, a quem chamamos de Satanás, conseguiu fazer Adão e Eva desobedecerem a Deus e assim trouxe a maldição do pecado no mundo todo.

Assim, torna-se evidente que nem todos os anjos são bons. Satanás e seus anjos rebeldes são responsáveis por toda a dor e infelicidade no mundo, guerras, catástrofes, doenças e até a própria morte. Nós, seres humanos somos capturados nesta batalha cósmica, pelos anjos de Satanás que são mestres da tentação: eles conseguem influenciar a todos nós, em algum momento ou outro, a desobedecer a Deus. “porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne”, adverte Paulo, mas “contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais” (Efésios 6:12).

Os Anjos de Deus

Felizmente, os anjos de Deus são mais do que um jogo de Satanás e seus anjos. A Bíblia retrata os anjos bons ajudando os seres humanos de várias maneiras.

Proteção e livramento: Anjos retiraram Pedro da prisão e, quando Daniel foi confinado em uma cova de leões famintos, um anjo impediu que as feras o atacassem (ver Daniel 6:22). Deus promete que “O anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem e os livra” (Salmo 34:7).

Orientação: Na época do nascimento de Jesus, José, Maria, e os pastores receberam a orientação de anjos (Mateus 1:20, Lucas 1:26, 27; 02:08, 9). Depois que Jesus voltou ao céu, anjos aconselharam os apóstolos sobre o trabalho da recém-fundada Igreja Cristã (Atos 8:26).

Conforto e ajuda: Quando Jesus foi tentado por Satanás, “anjos vieram e o serviram” (Mateus 4:11). E anjos trouxeram alimentos a Elias quando ele se escondeu do ímpio rei Acabe (1 Reis 19:6).

Comunicação: Anjos entregam as mensagens de Deus. Moisés recebeu os Dez Mandamentos “por meio de anjos” (Atos 7:53; ver Gálatas 3:19). Eles também trazem respostas às orações, como aconteceu muitas vezes com Daniel (Daniel 9:20-22).

Anjos e Deus

Embora mais potentes do que os seres humanos, os anjos não são deuses. A Escritura diz que há um só Deus (Deuteronômio 6:04), que é todo-poderoso, onisciente e presente em todos os lugares ao mesmo tempo, qualidades que os anjos não têm. Os anjos recebem suas atribuições de Deus, que sempre está no comando (Salmo 91:11). Eles falam apenas o que Deus lhes dá para dizer e fazem apenas o que Deus pede que eles façam.

Certa vez conheci uma mulher que tinha enchido a sua casa com fotos e figuras de anjos. Ela alegou que ela podia sentir a presença de anjos e que ela às vezes conversava com seu anjo da guarda pessoal. Era quase como se ela tivesse escolhido os anjos de Deus como estando acima de Deus! Pensei um pouco em sua obsessão perigosa. Satanás tem sabido explorar a confusão humana sobre os seres espirituais, razão pela qual a Bíblia adverte que não devemos adorar ou orar a qualquer criatura ou objeto, não importa o quão impressionante seja. Devemos render nossa homenagem a Deus somente (Êxodo 20:3-5).

Apesar de Paulo reconhecer a importância dos anjos, ele teve o cuidado de salientar que quando Deus “levantou [Jesus] dentre os mortos fazendo-o assentar-se à sua direita, nas regiões celestiais”, ele o colocou “…acima de todo governo e autoridade, poder e domínio, e de todo nome que se possa mencionar” (Efésios 1:20, 21). É por isso que Jesus, que começou sua vida na terra como um de nós, agora é adorado pelos anjos (Hebreus 1:6).

Existe uma maneira em que nós seres humanos temos uma vantagem sobre os anjos. Como os anjos nunca cairam em pecado, a alegria de aceitar a Cristo e receber o Seu perdão é uma experiência que eles nunca conhecerão. Deus chama a esses poderosos seres celestiais, que tem acesso ilimitado à justiça celestial, para “servir aqueles que hão de herdar a salvação” (Hebreus 1:14).

Anjos e Adoração

Quando não estão em missão divina, os anjos passam suas vidas em adoração. O livro do Apocalipse descreve a essência do serviço da igreja celestial, onde João o revelador ouviu a voz de milhões de anjos cantando, “Digno é o Cordeiro que foi morto, de receber o poder e riqueza e sabedoria, força e honra e glória e louvor ! “Este coro era acompanhado por “todas as criaturas existentes no céu, na terra, debaixo da terra e no mar, e tudo o que neles há” (Ap 5:11-13).

O Apocalipse também nos assegura que o domínio de Satanás sobre esta terra é limitado. João viu três anjos voando pelo céu anunciando o julgamento final de Deus e a queda e punição de Satanás (Apocalipse 14:6-12). Esta profecia se tornará realidade na batalha final da Terra, quando Satanás reunirá suas forças para um ataque contra a Cidade Santa. Eles “cercaram o acampamento dos santos e a cidade amada” (Apocalipse 20:9), escreveu João. Mas a destruição de Satanás é certa, pois “…um fogo desceu do céu e os destruiu. E o Diabo, que os havia enganado, foi jogado no lago de fogo e enxofre” (Apocalipse 20:9, 10).

E quando isso estiver feito, eu e você teremos a eternidade para nos tornar amigos com os anjos de Deus!

Artigo escrito por Loren Seibold, publicado na Revista Signs of The Times – Edição de Julho/2010.

About these ads

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Anjos, Artigos Traduzidos - Signs of the Times e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Anjos: O que a Bíblia diz sobre eles

  1. Maravilhoso e emocionante! Quão importante são os anjos! Impressionante como nosso Pai pensou em tudo, além de termos a Trindade, nos enviou esses seres tão especiais que são os anjos! Parabéns pelo magnífico artigo!

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s