É o Jesus Histórico o Jesus Real?

Por Bruce Manners,

“Os Dez Mandamentos, um dos documentos mais negativos já escritos”. Essa foi a mensagem, colocada no lugar mais alto de duas ruas da cidade, que recentemente saudava o povo de Melbourne, na Austrália. Foi o lançamento, disse Francis McNab, de uma nova fé para o século XXI. McNab é o ministro-executivo da Igreja Unida de St. Michael, em Melbourne. Ele também é membro do Seminário Jesus, que faz uma abordagem liberal da Bíblia. Ele disse a um jornal local que Abraão foi uma mera farça, que Moisés foi um assassino em massa, e Jesus foi um camponês judeu, e não Deus. Na verdade, ele disse que não há divindade chamada Deus.

Ataques à Deus

Deus tornou-se um alvo popular nos últimos tempos, com vários best-sellers e documentários atacando sua existência. Deus, um Delírio, de Richard Dawkins é provavelmente o livro mais conhecido. É uma estridente distorção de Deus e da história bíblica. No entanto, ele não contém nada de novo, exceto, talvez, o veneno em seus ataques.

As origens deste tipo de pensamento veio com a era científica. O Século XVI ao século XIX trouxeram uma nova visão do mundo, com a ciência gradualmente substituindo Deus. Ironicamente, os primeiros cientistas nesse período eram cristãos devotos que romperam com o pensamento dominante grego de que a ciência estava debruçada sobre o pensamento dedutivo ao invés da experimentação.

Ao longo do tempo, o cristianismo trouxe uma percepção de que Deus criou um universo de ordem. Os cientistas cristãos começaram a experimentar e descobrir como Deus trabalha ordenadamente, e assim fazendo, eles desenvolveram o método científico de investigação. A prova de que o método funciona pode ser encontrada em qualquer cozinha moderna, escritório ou loja de departamento.

Esta revolução nas ciências naturais, com suas relações de causa e efeito, também influenciou a visão das pessoas sobre a história e a Bíblia. Afinal, por que deveria ser a nossa compreensão da história, incluindo a história da Bíblia, menos científica do que a nossa compreensão do mundo natural? Assim, tornou-se fácil concluir que se a causa e o efeito poderiam acabar com a necessidade de milagres no mundo natural, eles poderiam fazer o mesmo com a história e a Bíblia. Eles poderiam explicar o sobrenatural como mito ou lenda, ou mesmo como histeria e alucinações. Esta abordagem, obviamente, anula o nascimento virginal de Jesus, os milagres em Seu ministério e Sua ressurreição.

Até o final do século XIX, com os avanços da ciência e da popularidade da teoria da evolução, vários pensadores estavam concordando com Friedrich Nietzsche, que, em A Gaia Ciência, teve um louco correndo pela praça da cidade gritando “Deus está morto! Deus está morto! Nietzsche se alegra nesta realização. Poucos anos depois, o poeta Thomas Hardy escreveu um poema intitulado “O Funeral de Deus”, onde Deus é uma “figura projetada pelo homem. . . . que não podemos continuar a manter viva. “

Na mesma ocasião, dentro do próprio cristianismo, começou a busca pelo “Jesus histórico”, o que geralmente significa um Jesus sem milagres. A encarnação mais recente dessa tentativa começou em 1985 com um grupo de estudiosos que se chamava “Jesus Seminário”. Seu fundador, Robert Funk, disse: “O Deus da idade metafísica está morto. Não há nenhum Deus pessoal lá fora, externo ao ser humano. . . . Milagres são uma afronta à justiça e integridade de Deus. . . . Deus não interfere com as leis da natureza. “

Encontrando o Jesus Real

Por outro lado, tem havido alguns recentes, e muito cuidadosos trabalhos, embora menos divulgados, sobre as histórias de Jesus encontradas em Mateus, Marcos, Lucas e João. Estes estudos surgiram como resultado de uma crescente preocupação sobre a direção que a busca pelo Jesus histórico por estudiosos seculares tomou.

Por exemplo, Richard Baukham nota “um fato bastante negligenciado” que toda a história se baseia no testemunho de alguém, e os quatro Evangelhos na Bíblia contém o depoimento de testemunhas. Testemunho, segundo ele, é simultaneamente um “único e excepcionalmente valioso instrumento de acesso à realidade histórica”.

Ele ilustra isso, referindo-se a relatos de testemunhas do Holocausto. Ele ressalta que os relatos pessoais do que aconteceu nos campos de concentração de Hitler são indispensáveis para o nosso conhecimento do que realmente aconteceu. Depoimento de testemunha ocular é particularmente crítico para a compreensão de importantes eventos de “excepcionalidade desse tipo.” Em ambos os casos, do Holocausto e do Cristo ressuscitado “A [singularidade dos eventos] exigia as testemunhas como o único meio pelo qual os eventos poderiam ser adequadamente conhecidos”.

Importante, Baukham reconhece que, mesmo utilizando as geralmente aceitas datações dos Evangelhos, Marcos foi escrito bem dentro do tempo de vida de muitas testemunhas oculares. Os outros três foram escritos num momento em que estas testemunhas estavam se tornando escassas, no “momento em que seu testemunho poderia perecer com eles caso não fossem escritos.”

Ver os evangelhos como relatos de testemunhas oculares, não só lhes dá um valor acrescentado, mas também nos adverte a tomarmos cuidado para não permitirmos que algum tipo de racionalismo e ceticismo de nosso século controle nossa leitura. Precisamos admitir que nossa naturalista, visão científica do mundo não fornece todas as respostas. Há muito em jogo para cometermos esse tipo de erro.

Um Jesus Lendário?

Além disso, se adotarmos uma abordagem verdadeiramente crítica, significa que devemos descartar em seguida todas as reivindicações de todas as ocorrências sobrenaturais na história, “como poderíamos explicar a rápida ascensão da fé em Jesus ressuscitado, como Divino Salvador, em um contexto judaico do primeiro século? “

Ao fazerem esta pergunta, Paul Eddy e Gregory Boyd atacam a abordagem que faz de Jesus algum tipo de lenda de ficção. Eles argumentam contra esta visão “do Jesus lendário” em várias frentes.

A Palestina judaica do primeiro século não fornece um ambiente que daria origem a essa lenda. A alegação de que a identidade de Jesus estava ligada à do Senhor Deus, que Ele devia receber adoração, e que Ele era o Messias crucificado e ressuscitado, não foi bem aceita na sociedade judaica de 30 dC.

Jesus atraiu uma multidão repugnante, e alguns dos aspectos mais embaraçosos da história são difíceis de explicar se a história é lendária.

A origem dessa história enquanto a mãe, irmãos, discípulos, e os oponentes de Jesus estavam vivos, torna a teoria do mito implausível, pois eles poderiam ter exposto a fraude.

As cartas de Paulo revelam que tanto ele quanto seus leitores acreditavam que Jesus tinha vivido num passado recente e que sabiam muito sobre sua vida e ensinamentos.

Embora as informações sobre Jesus em antigos escritos seculares é limitada, o que existe confirma a história de Jesus registrada na Bíblia.

Recentes estudos de tradições orais dão provas convincentes de que as primeiras histórias sobre Jesus foram transmitidas em uma forma historicamente confiável e que os escritores do Evangelho “escreveram por normas antigas com intenção e competência histórica”.

É certo que os escritores do Evangelho são tendenciosos em suas narrativas, mas não mais que outros historiadores, antigos ou modernos, cujos escritos são normalmente considerados confiáveis. Os Evangelhos contêm detalhes incidentais e informações casuais que são uma evidência da sua historicidade. E eles se comportam bem com as histórias antigas transmitidas oralmente.

Para quem procura o Jesus histórico fora dos Evangelhos, James Dunn avalia: “Se estão insatisfeitos com o Jesus da tradição sinótica [encontrado nos evangelhos], então simplesmente teremos de calar, não há outro Jesus verdadeiramente histórico”. Ele acrescenta que, muitas vezes, a busca para encontrar o Jesus enterrado nos “Evangelhos e à espera de ser exumado”, revela menos sobre o Jesus real e muito mais sobre as “agendas individuais dos buscadores”.

Ataques contra Deus e contra a história do Evangelho de Jesus podem virar manchetes e atrair a atenção da mídia, mas há uma revolução silenciosa nos bastidores questionando as bases desses ataques. Levará algum tempo para ver como esta luta vai ser jogada fora.

Entretanto, as evidências são fortes de que os relatos dos Evangelhos de Jesus são muito confiáveis.

………………………………………………………………………………………………………

Artigo escrito por Bruce Manners para a Adventist Review. Traduzido pelo blog http://www.setimodia.wordpress.com

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Artigos Traduzidos - Adventist Review, Ateísmo, Jesus Cristo Histórico e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para É o Jesus Histórico o Jesus Real?

  1. lUZIA FERNANDES LOPES disse:

    DEUS, O NOSSO CRIADOR, NÃO DEVEMOS NEM PENSAR COMO UMA COISA QUE ELES TANTO FALAM, ATÉ MOISÉS ELE AINDA FALAVA COM ELES FACE A FACE, DEPOIS DE MUITOS PECADOS QUE O POVO PRATICAVAM ELE SEAFASTOU E ENVIOU OS PROFETAS QUE ELE NOS ORIENTOU, ATÉ A VINDA DE JESUS CRISTO, QUE NASCEU E FEZ MUITO PELA HUMANIDADE FEZ O QUE DEUS QUERIA O MELHOR PARA TODOS, MAS NÃO ACEITARAM E JESUS VEIO A SER MORTO E AO TERVEIRO DIA RESSUSCITOU DENTRE OS MORTOS E MUITAS GENTES RESSUSCITOU JUNTO COM ELE, E EMOS OS APOSTOLOS QUE DEIXARAM TUDO ESCRITO PARA NOS, GLÓRIA A VÓS O DEUS DE AMOR E BONDADE E GLÓRIA A VÓS O JESUS CRISTO O NOSSO SALVADOR. AMÉM

  2. irmão leitor disse:

    Programa Canal Livre, TV Band, domingo 25-12-2011.
    Tema: A Existência de Jesus.
    Entrevistado: Mário Sergio Cortella, mestre e doutor em Educação, filósofo e teólogo, professor-titular do Departamento de Teologia e Ciências da Religião da PUC-SP.
    Entrevistadores: Jornalistas Fábio Pannunzio, Fernando Mitre e Antonio Teles.
    Parte 1
    http://www.band.com.br/canallivre/videos.asp?v=2c9f94b62f699cdc012f6a8d040506f0&pg=1

    Parte 2
    http://www.band.com.br/canallivre/videos.asp?v=2c9f94b62f699cdc012f6a8e34c706f5&pg=1

    Parte 3
    http://www.band.com.br/canallivre/videos.asp?v=2c9f94b62f699cdc012f6a8f9d8306fa&pg=1

    Parte 4
    http://www.band.com.br/canallivre/videos.asp?v=2c9f94b62f699cdc012f6a91053406ff&pg=1

    Parte 5
    http://www.band.com.br/canallivre/videos.asp?v=2c9f94b62f699cdc012f6a9386bb0704&pg=1

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s