Lidando com a Demora da Volta de Cristo

Um fato surpreendente: Durante a II Guerra Mundial, os combatentes da resistência na França acreditavam que a ocupação nazista era temporária. Estes bravos homens e mulheres lutaram arduamente e sofreram tortura quando foram capturados, mas eles continuaram a sua campanha implacável contra as terríveis dificuldades, estimulados pela fé de que as forças aliadas algum dia iriam chegar e libertar a França de seus opressores cruéis.

Mas como os dias se transformaram em semanas, e então em meses e em anos, alguns combatentes se cansaram da vida de resistência constante e se escondendo. Para muitos, começou a parecer que os Aliados nunca viriam – que eles estavam ocupados demais lutando contra os nazistas em outras frentes. Parecia-lhes que a França sempre estaria sob o controle do inimigo.

Com o tempo, alguns combatentes da liberdade descobriram que era muito mais fácil para eles cooperarem com os alemães. Eles até começaram a fazer amizade com os seus opressores e a trair os seus compatriotas franceses em troca de favores e posição. Então, de repente, veio o dia “D”. A França foi libertada, e os combatentes da liberdade que perseveraram até o fim foram heróis, e os traidores foram publicamente humilhados e até mortos.

Lidando com a Demora

Será que os eventos finais da Igreja se assemelham àqueles na França durante a II Guerra Mundial?

Um dos maiores perigos que enfrenta o povo de Deus nos últimos dias não é o momento de dificuldade, nem é a ameaça de prisão, tortura ou fome. Pelo contrário, é a aparente demora da volta do Senhor, que levará a uma apatia paralisante entre os crentes professos. Para muitos, parece mais fácil se juntar ao mundo do que rejeitá-lo. Mas advertimos: “Mas, se aquele servo, sendo mau, disser consigo mesmo: Meu senhor demora-se, e passar a espancar os seus companheiros e a comer e beber com ébrios, virá o senhor daquele servo em dia em que não o espera e em hora que não sabe (Mateus 24:48-50).

O mau servo diz no seu coração: “Meu senhor tarda em vir.” Não é um anúncio externo, é uma erosão interna de sua fé. Esta perda da crença no retorno de seu Mestre em breve poderá ser evidente em tudo, desde a freqüência esporádica à igreja até o dar menos ofertas para a missão. Logo ele começa a espancar os seus conservos (principalmente com a língua) e comer e beber com os bêbados (encontrando sua amizade e diversão no mundo). Finalmente, o servo mau espera que seu mestre não venha, porque ele se alinhou com o inimigo.

Anunciado por Cristo

O dia da volta de Cristo tem demorado mais do que a maioria esperava, mas isso não deve nos surpreender. A Palavra de Deus anunciou este atraso e a reação geral que causaria. “Sabendo primeiro isto, que virão escarnecedores nos últimos dias, andando segundo as suas próprias concupiscências, E dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o início do criação” (2 Pedro 3:3-4).

Você vê a conexão entre o duvidar de sua vinda e o caminhar após nossas próprias concupiscências? Nós estaremos em perigo se alguma vez deixar-mos de acreditar e de anunciar o retorno iminente de Jesus!

Por outro lado, a fé na vinda iminente de Jesus tem um efeito santificante. “Por essa razão, pois, amados, esperando estas coisas, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis,” (2 Pedro 3:14). E 1 João 3:3 afirma: “E todo aquele que tem essa esperança em Cristo purifica-se a si mesmo, assim como Cristo é puro”. Não podemos perder a fé em sua promessa, “Virei outra vez”.

“Mas aquele que perseverar até o fim, esse será salvo” (Mateus 24:13). Apenas aqueles que amam profundamente a sua vinda vão resistir até o final desta prova, somente os que tiverem “a paciência dos santos” (2 Timóteo 4:8, Apocalipse 14:12).

Por favor, não esqueça que imediatamente depois de Jesus ter anunciado os sinais de Sua vinda em Mateus 24, Ele amplia esses ensinamentos com a parábola das dez virgens. “E tardando o noivo, cochilaram todas, e dormiram” (Mateus 25:5). Jesus nos advertiu que haveria um tempo de tardança.

Estou dizendo isso porque uma aparente demora foi profetizada e devemos por isso sentar e assistir os anos passarem? Deus nos livre! Eu estou dizendo que nós temos estado no tempo de atraso, há muitos anos. Estamos quase no fim, e muitos parecem estar prestes a perder o coração e jogar a toalha antes do sino passado. “Não nos cansemos de fazer o bem. Pois, se não desanimarmos, chegará o tempo certo em que faremos a colheita” (Gálatas 6:9, NTLH).

À igreja de Deus dos últimos dias tem sido dada a mensagem mais preciosa que já foi confiada aos mortais. Agora, mais do que nunca, não podemos perder nossas amarras e ficarmos a deriva pelo mundo. Jesus está para vir!

Em suma, devemos esperar e nos preparar para este segundo advento de Cristo! Estes avisos foram escritos de forma que devemos estar despertos e prontos, com o petróleo em nossos navios.

Lições de Noé

Mateus 24:37 nos lembra que “Como foi nos dias de Noé, assim também será na vinda do Filho do homem”.

Nos dias de Noé, muitos acreditavam na sua primeira mensagem de julgamento iminente e ainda o ajudaram a preparar a arca. Mas quando o tempo passou e a inundação prevista não chegou, eles perderam a fé e se juntaram às fileiras dos escarnecedores.

Eclesiastes 8:11 declara: “Visto como se não executa logo a sentença sobre a má obra, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto a praticar o mal”. Há aqueles que dizem – não apenas em seus corações, mas no seu comportamento – “Meu Senhor atrasou Sua vinda.” Como nos dias de Noé, aqueles que tiveram grande luz irão revelar sua inconsistência. Porque a vinda de Cristo foi há muito anunciada, eles concluem que há um equívoco em relação a esta doutrina. Mas o Senhor diz: “Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque, certamente, virá, não tardará.” (Habacuque 2:3).

Duas formas de lidar com a Demora

Há dois provérbios populares ainda que conflitantes que descrevem como as pessoas geralmente respondem a um atraso. O primeiro é “A ausência faz o coração crescer mais afeiçoado”, e o segundo é “Longe da vista, longe do coração”. Estas atitudes opostas são evidentes nos seguintes exemplos de Saul e Davi.

Este último provérbio é ilustrado pela história de Saul em Gilgal (1 Samuel 13:1 a 14). O Senhor disse ao rei Saul para esperar sete dias antes de se aventurar na batalha. No final da semana, o profeta Samuel foi se encontrar com Saul em Gilgal para apresentar uma oferta ao Senhor e interceder pelas tropas. Mas por alguma razão, Samuel demorou. O povo tinha se tornado inquieto pela espera e estava começando a desanimar e a abandonar o exército, então Saul sentiu-se justificado para desrespeitar o comando de Samuel. Ele impacientemente tomou as coisas em suas próprias mãos e alterou as regras, usurpando a posição do sacerdote, e oferecendo um sacrifício.

As Escrituras declaram: “Mal acabara ele de oferecer o holocausto, eis que chega Samuel…” (1 Samuel 13:10). Se apenas Saul esperasse mais um pouco! Assim, muitos desistem pouco antes da linha de chegada. Assim, muitos ambém abandonarão a igreja pouco antes de Jesus voltar. Ralph Waldo Emerson disse: “Um homem não é um herói porque ele é mais corajoso do que algum outro, mas porque ele é corajoso por dez minutos a mais”

Quando Samuel chegou, Saul foi ao encontro dele. “Então, disse Samuel a Saul: Procedeste nesciamente em não guardar o mandamento que o SENHOR, teu Deus, te ordenou; pois teria, agora, o SENHOR confirmado o teu reino sobre Israel para sempre. Já agora não subsistirá o teu reino. O SENHOR buscou para si um homem que lhe agrada e já lhe ordenou que seja príncipe sobre o seu povo, porquanto não guardaste o que o SENHOR te ordenou” (1 Samuel 13:13-14). Deus permitiu esse atraso para testar a Saul, e quando o rei tornou-se impaciente, ele perdeu a fé e falhou no teste. Assim, ele perdeu o reino. Temo que isso esteja acontecendo com muitos nestes últimos dias.

Creio que um dos motivos pelo qual o Senhor está permitindo este tempo de tardança é para peneirar Seus servos verdadeiros dos falsos e para separar o trigo de precioso valor do joio.

Agora vamos contrastar a experiência de Saul com a resposta de Davi à demora. Muitos anos se passaram entre o tempo em que Davi foi ungido por Samuel para ser rei até ele ser realmente coroado. Durante esses anos, Davi esperou por Deus para dar-lhe a coroa de Saul. Ele teve várias oportunidades de tornar-se impaciente e tomar as rédeas em suas próprias mãos. Em mais de uma ocasião, Davi segurou a vida de Saul como um pássaro indefeso em suas mãos. Tudo o que ele tinha que fazer era dizer uma palavra e Saul seria morto, e ele instantaneamente se tornaria rei. Mas Davi esperou pacientemente pelo tempo de Deus.

“Disse mais Davi: Como vive o Senhor, ou o Senhor o ferirá, ou chegará o seu dia e morrerá, ou descerá para a batalha e perecerá” (1 Samuel 26:10-11). Davi não entendia a demora, mas ele confiava na promessa de Deus: “Você vai ser o rei!” E a sua paciência foi ricamente recompensada.

Aproxima-se a Terra Prometida

O atraso tende a deixar um vácuo que deve ser preenchido – seja com fé e paciência ou com esforço pessoal para mudar a situação, talvez até mesmo criando um novo deus.

Êxodo 32:1 diz: “Mas, vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte, acercou-se de Arão e lhe disse: Levanta-te, faze-nos deuses que vão adiante de nós; pois, quanto a este Moisés, o homem que nos tirou do Egito, não sabemos o que lhe terá sucedido”. Esta história dos filhos de Israel fazerem um bezerro de ouro é um dos exemplos mais marcantes das tendências atuais, e temo que ele está prestes a ser repetido pelo povo de Deus, ao  aproximar-se a terra prometida.

Nesta passagem, Moisés é um tipo de Jesus. Moisés disse: “O SENHOR, teu Deus, te suscitará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, semelhante a mim; a ele ouvirás” (Deuteronômio 18:15). Quando Moisés foi chamado até a montanha para receber as tábuas de pedra do Senhor, disse ele ao povo que iria voltar. Mas, evidentemente, ele não disse exatamente quando. Eles nunca sonharam que levaria tanto tempo. “Quarenta dias? Porque, se demorou menos do que isso as 10 pragas e o êxodo do Egito!”

No entanto, Moisés tardava, e para alguns o inesperado atraso era insuportável. Arão disse-lhes: “Tirai as argolas de ouro das orelhas de vossas mulheres, vossos filhos e vossas filhas e trazei-mas. Então, todo o povo tirou das orelhas as argolas e as trouxe a Arão. Este, recebendo-as das suas mãos, trabalhou o ouro com buril e fez dele um bezerro fundido. Então, disseram: São estes, ó Israel, os teus deuses, que te tiraram da terra do Egito” (Êxodo 32:2-4).

Antes dos filhos de Israel sairem do Egito, Deus lhes permitiu saquear os egípcios, como pagamento por seus anos de serviços não remunerados. Pouco tempo depois, no Monte Sinai, descobrimos que eles estavam vestindo orgulhosamente o seu dinheiro para expor as suas riquezas.

Soa familiar? Quase posso ouvir as desculpas usadas pelos filhos de Israel para persuadir Arão para o pecado. “Os jovens estão a ficar inquietos e estão clamando para voltarem para o Egito. Precisamos fazer alguns compromissos ou vamos perdê-los!” Na sua inquietação, começaram a retornar aos estilos de culto pagão dos povos em torno deles.

Será que estamos cometendo o mesmo erro hoje em dia? Como viajo pela América do Norte e visito várias igrejas e universidades, parece que os padrões cristãos para uma vida santa não são muito diferentes dos do mundo. Quando pergunto a alguns líderes porque não mantém a linha, eles geralmente respondem, “Precisávamos fazer alguns ajustes para alcançar a juventude”.

Êxodo 32:6 diz: “No dia seguinte, madrugaram, e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo assentou-se para comer e beber e levantou-se para divertir-se.” Os filhos de Israel fizeram uma rápida transição do culto para a diversão. Isto pode acontecer conosco? Tem isto acontecido conosco? Nosso culto sagrado, que deveria ser dedicado com reverência, oferecendo adoração a um Deus santo e o ensino da doutrina bíblica, tem, em alguns casos se desencaminhado em profanas festas para entreter o rebanho.

“Ora, ouvindo Josué a voz do povo que jubilava, disse a Moisés: Alarido de guerra há no arraial” (Êxodo 32:17). Na verdade, a guerra teria sido preferível ao que realmente estava acontecendo! O que deveria ter sido um louvor que chamava os anjos para se aproximarem, se degenerou no que Josué interpretou como o som confuso e desconcertante de uma guerra. Mas Moisés disse: “…Não parece um barulho de vitória, nem um grito de derrota; o que estou ouvindo é gente cantando.” (Êxodo 32:18 NTLH).

Se o povo estivesse gritando louvores pela vitória sobre o pecado e para a alma vencida, teria sido bom. Ou mesmo se estivessem chorando em arrependimento, por terem cedido à tentação, isso teria sido preferível. Jesus diz em Apocalipse 3:15, “Quem dera fosses frio ou quente.”

Mas, se levantarem e darem uma festa em um momento tão solene? Moisés estava prestes a descer a montanha com um concerto do Todo-Poderoso, escrito de próprio punho. O povo de Deus tinha se cansado de esperar e, quando Moisés retornou eles estavam despreparados. Como resultado, alguns foram executados, e alguns exaltados. Isso vai acontecer novamente. “Por isso, ficai também vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá.” (Mateus 24:44).

Vamos Apenas Esperar?

Muitos anos atrás, na Nova Inglaterra, quando os marinheiros saiam ao mar nos navios mercantes ou nos navios baleeiros, o testemunho de uma cena tocaria o estaleiro. Enquanto os marinheiros lançavam suas despedidas as suas esposas e filhos, eles prometiam um retorno seguro com presentes exóticos dos portos distantes. Tais viagens muitas vezes levavam semanas ou até meses, e o tempo exato de retorno era impossível de prever.

Muitas mulheres diziam: “Vou manter uma luz acesa na janela, até você chegar em casa.”

A parte mais difícil dessa separação era o silêncio. Isso foi antes da época dos telefones ou do serviço normal dos correios, por isso, sempre que qualquer novo navio entrava no porto, as esposas corriam para o cais e perguntavam: “Você tem alguma notícia do navio do meu marido?”

Às vezes, os capitães dos navios alargavam as suas viagens para a Califórnia, a fim de obterem mais lucros. O Canal do Panamá ainda não tinha sido construído, assim um desvio poderia alongar a jornada em meses ou anos! Enquanto isso, as mulheres dos marinheiros, às vezes se cansavam de esperar e apagavam a luz na janela. Algumas declaravam seus maridos como mortos para que elas pudessem se casar com outros. Outras, no desespero, deixavam de cuidar de seus filhos ou limpar a casa.

Há um provérbio fiel que diz, “As mulheres que amam seus maridos, a maioria espera o melhor.” Eu li de uma mulher fiel que manteve acesa a luz em sua janela por todas as noites, durante 50 anos – até sua morte – por um marido que nunca mais voltou do mar.

Quando um navio retornava após uma viagem excepcionalmente longa, um drama agridoce era exibido no cais! Alguns marinheiros cumprimentam suas esposas e filhos com alegria indizível, longos abraços e muitos presentes. Outros, na angústia e lágrimas, jogavam seus presentes para o mar, ao ouvirem que suas esposas não os tinha esperado, mas tinham tomado outro marido. Quão embaraçoso e humilhante deve ter sido para as mulheres impacientes quando souberam que seus maridos tinham retornado, como prometido, com sua bagagem cheia de dinheiro e tesouros – apenas para encontrá-las nos braços de outro.

Amigo, como vai Jesus nos encontrar quando Ele vier?

“O SENHOR me respondeu e disse: Escreve a visão, grava-a sobre tábuas, para que a possa ler até quem passa correndo. Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque, certamente, virá, não tardará. Eis o soberbo! Sua alma não é reta nele; mas o justo viverá pela sua fé.” (Habacuque 2:2-4).

O servo mal e o escarnecedor culparão a Deus pelo atraso (Mateus 24:48; 2 Pedro 3:3-4). Acabe similarmente acusou a Elias, quando lhe perguntou: “És tu o perturbador de Israel?” (1 Reis 18:17).

É fácil culpar a Deus ou outra pessoa, mas talvez a culpa recaia sobre nós por não levarmos a sério a grande comissão evangélica. Por este motivo, Deus em Sua misericórdia adiou sua vinda.

Que Deus amoroso! Ele ama cada pessoa na Terra tanto quanto Ele ama você e eu, e Ele é longânimo, não querendo que ninguém pereça (2 Pedro 3:9). Ele queria vir há muitos anos, mas a sua misericórdia para aqueles que não ouviram e os que não acreditam tem atrasado o seu retorno.

Um escritor cristão afirmou: “É a incredulidade, o mundanismo, a não consagração e a contenda entre o professo povo do Senhor que nos tem mantido neste mundo de pecado e tristeza por tantos anos”. O teste básico nesses últimos dias vai ser a fé no mestre – a fé em seu retorno, em Sua Palavra, e em Sua promessa: “E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também.” (João 14:3).

Temos de colocar diariamente a nossa fé n’Ele através da oração, estudo e serviço. Mantenha a fé! Jesus está voltando em breve. A demora está quase a acabar! “Quem é, pois, o servo fiel e prudente, a quem o senhor confiou os seus conservos para dar-lhes o sustento a seu tempo? Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor, quando vier, achar fazendo assim. Em verdade vos digo que lhe confiará todos os seus bens.” (Mateus 24:45-47).

Que a nossa oração seja: “Vem, Senhor Jesus”.

Artigo escrito pelo pastor Doug Batchelor, traduzido pelo blog http://www.setimodia.wordpress.com, do original “Dealing With Delay”

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Artigos traduzidos - Amazing Facts, Segunda Vinda de Jesus e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Lidando com a Demora da Volta de Cristo

  1. LIndofo disse:

    Lidando com a Demora?
    Muito interessante!
    Quando suergem os indicios da volta de JESUS, os pastores pedem para orar, para que Deus, em Sua misericórdia retarde a Sua vinda!
    ENTENDA SE QUISER!

  2. Seventh Day disse:

    Olá Lindolfo,

    Não conheço nenhum pastor, pelo menos nenhum que seja adventista que ore pelo atraso da Vinda do Senhor, tais obreiros estão ainda trabalhando para ganhar almas, o maior número possível, mas essa obra não é apenas deles, mas de cada um de nós que atendemos ao Ide de Cristo. Quanto ao tempo, Deus é misericordioso, e na sua benevolência para com nós pecadores, profetizou ele mesmo sua aparente demora em prol do seres humanos que quer salvar e remir.

    Deus o abençoe !

  3. Salomão disse:

    “Aparente” demora? Estamos aqui falando de quase dois mil anos! Civilizações desapareceram nesse ínterim, ao passo que o prometido regresso era aguardado ainda pelos primeiros cristãos, durante o período de vida dos discípulos originais. Não se trata de uma demora “aparente”. A demora é real. Como lidar com ela, bom, aí sim a questão se coloca no plano da fé de cada cristão.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s