10 Razões Por Que Lucas 23:43 não Serve Para Provar a Teoria da Imortalidade da Alma

Diz o texto: “E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso” (Lucas 23:43) Versão Almeida—Corrigida e Revisada.

1º – Porque parte de um pressuposto não comprovado: de que o homem foi dotado por Deus de uma alma imortal na criação—informação não fornecida na Bíblia—e que após a morte tal alma continua consciente e viaja rumo ao local de seu destino eterno, havendo, porém dúvida entre cristãos se os condenados já vão para o inferno e os salvos para o céu, ou se ficam num local intermediário de espera até o dia do juízo, quando se definiria definitivamente a sorte de cada um.

2º – Porque a nota tônica da escatologia bíblica no que tange ao galardão dos justos é que ele ocorre unicamente por ocasião da volta de Jesus: Mat. 16:27; 25:31-34; II Tim. 4:8; 1 Ped. 5:4; Apo. 22:12; 1 Tes. 4:17, além de inúmeras outras passagens.

3º – Porque boas traduções rezam que o ladrão pedia a Jesus que se lembrasse dele “quando vieres no Teu reino”. Assim, por exemplo o fazem Matos Soares, a Trinitariana, a Versão Italiana de G. Deodatti, a francesa de L. Sègond, a inglesa de King James e outras. “Quando vieres no Teu reino” e não “quando entrares”. “Quando vier . . . então Se assentará no trono da Sua glória. . . ”. Mat. 25:31. Para essa ocasião pedia o ladrão um lugar no reino, e não para aquele dia em que agonizava ao lado de Jesus. A expressão “hoje” ligada ao verbo não é redundante, mas enfática, como em Deu. 20:18; Zac. 9:12; Atos 20:26, e outros passos. Jesus dá certeza ao moribundo naquele hora extrema que não seria esquecido quando Ele retornasse em glória.

4º – Porque Jesus não poderia estar no mesmo dia com o malfeitor arrependido porque três dias depois disse à Madalena: “Não me detenhas que Eu ainda não subi para o Meu Pai” (João 20:17). Se não havia ainda subido para o Pai como poderia estar no mesmo dia com aquele homem?

5º – Porque uma análise cuidadosa da cena do Calvário revela que o ladrão não morreu naquele mesmo dia, pois S. João 19:31-33 nos diz que os judeus pediram a Pilatos para que os corpos não ficassem no sábado na cruz, e assim foi ordenado que lhes quebrassem as pernas.

Por que “quebrar as pernas” dos justiçados? Porque o crucificado não morria no mesmo dia. Cristo não morreu dos ferimentos ou da hemorragia, mas de quebrantamento do coração por suportar os pecados do mundo. Mas os outros, não, e as crônicas descrevem o condenado esvaindo-se lentamente durante dias.

Se era necessário quebrar as pernas aos dois malfeitores, antes do pôr-do-sol, é porque não haviam, morrido ainda. Na pior das hipóteses viveram ainda, pelo menos, um dia a mais que o Mestre. Como podia, um deles, estar no mesmo dia junto de Jesus?

6º – Porque há traduções bem autorizadas que vertem o texto de Luc. 23:43 de forma a harmonizá-lo com o teor da Bíblia a respeito do galardão no reino, quando Jesus voltar. E vamos citá-las:

A) Tradução Trinitariana, em português, editada em 1883, pela “Trinitarian Bible Society” de Londres. Diz: “Na verdade te digo hoje, que serás comigo no Paraíso”.

B) Emphasized New Testament, de Joseph B. Rotherham, impresso em Londres, em 1903, assim reza: “Jesus! Lembra-te de mim na ocasião em que vieres no Teu reino. E Ele disse-lhe: Na verdade, digo-te neste dia: Comigo estarás no Paraíso”.

C) The New Testament, de George M. Lamsa, de acordo com o Texto Oriental, traduzido de fontes originais aramaicas, diz: “Jesus lhe disse: Na verdade te digo hoje, estarás comigo no Paraíso”.

D) A chamada Concordant Version, em inglês, assim traduz: “E Jesus lhe disse: ‘Na verdade a ti estou dizendo hoje, comigo estarás no Paraíso”.

E) O famoso Manuscrito Curetoniano da Versão Siríaca, existente no Museu Britânico assim reza: “Jesus lhe disse: Na verdade te digo hoje, que comigo estarás no Jardim do Éden”.

F) O comentário da Oxford Companion Bible, que diz: “’Hoje’ concorda com ‘te digo’ para dar ênfase à solenidade da ocasião; não concorda com ‘estarás’”.

G) No Apêndice n°. 173, o famoso Oxford Companion Bible, esclarece: “A interpretação deste versículo depende inteiramente da pontuação, a qual se baseia toda na autoridade humana, pois os manuscritos gregos não tinham pontuação alguma até o nono século, e mesmo nessa época somente um ponto no meio das linhas, separando cada palavra. . . . A oração do malfeitor referia-se também àquela vinda e àquele Reino, e não a alguma coisa que acontecesse no dia em que aquelas palavras foram ditas”.

H) Conclui o mesmo comentário, no final do mesmo Apêndice: “E Jesus lhe disse: ‘Na verdade te digo hoje’ ou neste dia quando, prestes a morrerem, este homem manifestou tão grande fé no Reino vindouro do Messias, no qual só será Rei quando ocorrer a ressurreição – agora, sob tão solenes circunstâncias, te digo: serás comigo no Paraíso”.

7º – Porque a profecia sobre a natureza humana que Cristo prevê: “Por isso, entrando no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste, mas corpo Me preparaste” (Heb. 10:5). Como a premissa de o homem ser dotado de uma alma imortal não foi comprovada, como poderia Jesus ter recebido algo assim. E se recebeu uma “alma imortal” humana estaria por toda a eternidade preso a isso?

8º – Porque o conceito bíblico de Paraíso é a Nova Terra restaurada, quando os que nela habitarão terão corpos transformados, e não um ambiente de espíritos desincorporados. Em 2 Coríntios 12:2-4, Paulo relata uma experiência extática de ter sido “arrebatado ao paraíso”, que ele localiza no “terceiro céu” (2 Cor. 12:2) mas não dá detalhes a respeito. Em Apocalipse 2: 7, o Senhor oferece esta promessa: “Ao vencedor dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus”.

Aqui o paraíso é associado com a árvore da vida, que, segundo Apocalipse 22:2, será encontrada na Nova Jerusalém: “No meio da sua praça, de uma e outra margem do rio, está a árvore da vida, que produz doze frutos, dando o seu fruto de mês em mês, e as folhas da árvore são para a cura dos povos”. Tudo isso sugere que o Paraíso é a eterna habitação dos remidos no Éden restaurado.

Portanto, quando Jesus assegurou ao ladrão penitente de um lugar com Ele no “paraíso” estava-Se referindo às “muitas moradas” na “casa” de Seu Pai e ao tempo em que Ele for “preparar lugar” para receber os Seus para Consigo estarem para sempre (João 14:1-3).

9º – Porque o conceito de imortalidade da alma é incompatível com o teor do ensino bíblico sobre o estado dos mortos. A Bíblia não ensina que os mortos estão conscientes, e sim o contrário disso—ensina a inconsciência, o sono, o total alheamento do que se passa. O que a Bíblia tem a ensinar sobre o estado de uma pessoa morta como segue:

Está dormindo. Que a morte é um sono ocorre 75 vezes nas Escrituras, sendo 47 vezes no Velho Testamento e 18 no Novo Testamento. A teologia popular procura em vão desembaraçar-se desta verdade, alegando ser uma “aparência”, mas Jesus afirma que o sono é a morte real e não a aparência dela. João 11:13 e 14.

Está na sepultura. João 5:28 e 29; Mat. 28:6; João 11:43.

Está no pó da Terra. Gên. 3:19; Sal. 22:15; Isa. 26:19; Jó 7:21; Dan. 12:2, e outros textos.

Está inconsciente, sem ação mental em absoluta inatividade. Sal. 6:5; 146:3 e 4; Ecl. 9:5,6 e 10; 3:20; Isa. 38: 18 e 19.

Não está no Céu. João 3:13; 7:33 e 34; Atos 2:34.

O mau não está no inferno. Está “reservado” no túmulo até o dia do juízo. Jo 21:30; II S. Ped. 2:9, e outros passos.

Estão num mesmo lugar, bons e maus. Ecl. 3:20; 6:6.

O morto será despertado pelo milagre da ressurreição. Isa. 26:19; Dan. 12:2; Eze. 37:12; Luc. 20:37 e 38; João 5:28 e 29; I Cor. 15:42, 44 e 52:; I Tes. 4:16; Apo. 20:6, 13 e outros passos.

A recompensa de cada um só será dada quando Cristo voltar. Mat. 16:27; Apo. 22:14; I Ped. 5:4; 5. Luc. 14:14b; II Tim. 4:1, e outros passos. Os heróis da fé, que dormem desde tempos remotos, alcançarão a recompensa também nessa ocasião. Heb. 11:39 e 40. Só o que vence adquire a imortalidade. Apo. 2:7 e 11.

10º – Porque a crença na imortalidade da alma é característica de TODOS os povos pagãos, em vista de desconhecerem as verdades evangélicas. Daí, por ignorarem a promessa da ressurreição dos mortos, desenvolvem idéias de sobrevivência de um espírito no homem que prossegue vivendo após a morte. Até atribuem espíritos a coisas inanimadas como rios, montanhas, árvores. Não se sabe de nenhum povo pagão, antigo ou moderno, que tenha a concepção de que “vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação”. – João 5:28, 29.

Azenilto Brito

Anúncios

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Estado do Homem na Morte e marcado , . Guardar link permanente.

4 respostas para 10 Razões Por Que Lucas 23:43 não Serve Para Provar a Teoria da Imortalidade da Alma

  1. Oldrich Tomaz de Almeida Wait disse:

    Gostaria de perguntar o seguinte: Sabendo que o inferno (sheol/hades) é citado várias vezes na Bíblia como um lugar para onde vão as almas das pessoas sem Jesus/Deus, e, somando-se a isso os fatos de que o inferno não é o Lago de Fogo e Enxofre e a Parábola do Rico e Lázaro, tal parábola é realmente só uma alegoria ou, de fato, pessoas boas ao morrerem vão para o seio de Abraão (uma espécie de paraíso no mundo dos mortos) e pessoas más ou sem Deus ficam na parte de tormento, como o Rico estava?

  2. Olá Oldrich,

    Primeiro de tudo, a Bíblia é clara como cristal que o inferno é real, ao invés de ser apenas um lugar mítico de reflexões imaginárias. Usando uma linguagem simples, Jesus Cristo declarou que um dia todos “os que cometem iniqüidade” serão lançados na “fornalha de fogo” onde “haverá choro e ranger de dentes” (Mateus 13:41-42). Sim, o inferno é real, não uma ilusão. Mas note cuidadosamente, o esclarescimento do Mestre de quando tais chamas irão ocorrer. “assim será na consumação deste mundo” (verso 40). Em outras palavras, de acordo com Jesus Cristo, a “fornalha de fogo”, predita na Bíblia Sagrada será acesa somente no final da história humana. Ela não está queimando agora. Pedro concordou quando advertiu:

    “Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão” (2 Pedro 3:10).

    Assim, o tempo previsto ainda está no futuro, tanto o céu acima como a Terra abaixo irão literalmente pegar fogo, se “desfarão” abrasados​​, e “se queimarão”. Esta é a “fornalha de fogo” da qual Jesus falou. Assim se você tiver sido ensinado que o total da soma da mensagem bíblica sobre o Inferno aponta para um lugar fumegante que queima agora em algum lugar abaixo de Los Angeles ou Tóquio, pense novamente. Pedro esclareceu que “a fornalha” ainda é futura e que todo o nosso planeta poluído pelo pecado, está destinado às chamas. No entanto, ele concluiu com uma garantia consoladora:

    “Mas nós, segundo a sua promessa [de Deus], aguardamos novos céus e nova terra, onde habita a justiça” (2 Pedro 3:13).

    Aniquilação Total

    O que acontecerá com os perdidos, naquele dia terrível? Observe com atenção:

    “assim como a cera se derrete diante do fogo, assim pereçam os ímpios diante de Deus” (Salmo 68:2).

    “os ímpios perecerão…, e em fumaça se desfarão” (Salmo 37:20).

    O próprio Deus também declara:

    “Porque eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como a palha; e o dia que está para vir os abrasará, diz o SENHOR dos Exércitos, de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo. E pisareis os ímpios, porque se farão cinza debaixo das plantas de vossos pés, naquele dia que estou preparando, diz o SENHOR dos Exércitos.” (Malaquias 4:1-3).

    Aqui “o Senhor dos Exércitos” fala, não o homem. Ao Colocar estes versos juntos descobrimos que, em vez de serem infinitamente torturados em chamas eternas (como muitos erroneamente ensinam hoje), aqueles que estão perdidos, finalmente irão “perecer”, “desaparecer”, “queimar”, e ser reduzidos a “cinzas” para que “nem raiz nem ramo” permaneça. Agora pense com sensatez. Se uma planta é destruída de forma que nenhuma raiz ou ramo permaneça, quanto resta dessa planta? Absolutamente nada. Isto é o que Deus diz que acontecerá a “todos os que cometem impiedade.”

    A PARÁBOLA DO HOMEM RICO E LÁZARO. A estória contada por Cristo, a respeito do homem rico e Lázaro, tem sido utilizada para ensinar o estado inconsciente na morte (S. Luc. 16:19-31). Infelizmente, aqueles que interpretam a passagem dessa forma não reconhecem que a estória é uma parábola que, tomada literalmente em seus detalhes, seria absurda.

    Os mortos, nesse caso, iriam para o lugar de sua recompensa como seres reais, com partes físicas tais como olhos, língua e dedos. Todos os justos estariam no seio de Abraão, e o Céu e o inferno estariam tão próximos que seria possível duas pessoas – uma em cada um desses lugares – falarem uma com a outra. Ambas as classes receberiam suas recompensas por ocasião da morte, em contraste com o ensino de Cristo, de que isto acontecerá por ocasião do Segundo Advento (S. Mat. 26:31-41; Apoc. 22:12).

    A estória, contudo, era uma parábola – um dos métodos favoritos de ensino utilizados por Jesus. Cada parábola visava ensinar determinada lição, e o que Cristo estava ensinando não tinha nada a ver com o estado do homem na morte. A moral dessa parábola é viver pela Palavra de Deus. Jesus mostrou o descuido do homem rico com relação aos pobres, por causa do materialismo. O destino eterno é decidido na presente vida e não existe um segundo período de provação. A Escritura é o guia para o arrependimento e a salvação. Foi por isso que Jesus encerrou a parábola com as palavras: “ Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tão pouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos” (S. Luc. 16:31).

    Cristo apenas empregou os elementos de uma história judaica na qual os mortos desenvolvem conversação. Similarmente encontramos na Bíblia uma parábola em que as árvores conversam (juí. 9:7-15; cf. II Reis 14:9). Ninguém utilizaria essa parábola para provar que as árvores são capazes de falar. Da mesma forma deveria a pessoa refrear-se de utilizar a parábola de Cristo para dar-lhe significado que contradiz abundantes evidências escriturísticas e os próprios ensinamentos de Cristo, de que a morte é um sono.

  3. jrmao2010 disse:

    É importante levar o entendimento do estado dos mortos, pois muitas denominações Cristãs e não Cristãs creem que há uma consciência após a morte, o que é contrário ao ensinamento bíblico.

    Um debate interessante sobre esse tema, ocorreu a alguns anos, creio que muitos já viram…Mas vale a pena deixar o link. De um lado, um jornalista adventista e de outro um Dr. Teólogo Presbiteriano. Vale a pena:

    parte 1-> http://youtu.be/HiNZ1reZzGI

    parte 2-> http://youtu.be/8Wb5dQBxf6A

    parte 3–> http://youtu.be/Yk5sxDiwzl0

    parte 4-> http://youtu.be/xOhI5eqW21w

    parte 5-> http://youtu.be/ytDU3mons1Q

  4. Jean disse:

    Caro amigo do Blog, Eu gostaria q vc explicasse mais a passagem de II Coríntios 12:2-4 q fala do terceiro céu,pois parece dar enfase ao espiritismo e a conciencia da alma após a morte,OBG, Graça e Paz

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s