A Criação Faz Sentido

Por Graeme Loftus

Após a formatura no Colégio de Cristo, Cambridge, onde se preparou para ser um ministro, Charles Darwin, em 1831, zarpou, como passageiro, a bordo do H.M.S. Beagle, para uma direção que impactaria o mundo.

Sua viagem de cinco anos levou-o à costa ocidental da América do Sul, onde observou várias espécies de animais exóticos e desconhecidos. Um par de criaturas, em particular, os tentilhões de Galápagos, chamou a atenção de Darwin. Ele estudou os animais, coletou amostras e observou que tinham bicos de vários tamanhos e formatos. A observação dessas variações foi a inspiração para o desenvolvimento da sua teoria das origens.

Darwin voltou à Inglaterra em 1836 e, em 1842, começou a rascunhar seu livro: A Origem das Espécies pela Seleção Natural, ou a Preservação das Raças Favorecidas na Luta pela Vida (conhecido simplesmente como A Origem das Espécies), publicado em 1859.

Logo após a publicação de seu livro, Darwin correspondeu-se, por longo período, com seu colega, Asa Gray, falando sobre suas dúvidas e perplexidades em relação ao resultado final da evolução: “Tenho consciência de que estou em uma confusão absolutamente desesperada”, ele confessa. “Não consigo pensar que o mundo, como o vemos, é o resultado do acaso, e, no entanto, não posso olhar para cada coisa, em separado, como resultado de uma concepção.” (www.darwinproject.ac.uk/darwinletters/calendar/entry-2998.html)

“Não consigo pensar
que o mundo, como vemos,
é resultado do acaso”
CHARLES DARWIN

A confusão de Darwin surgiu quando tentou conectar tudo o que observou nas maravilhas do mundo natural com a desarmonia existente paralelamente a essa beleza. Ao observar toda força destrutiva, escolheu rejeitar a Deus em lugar de investigar, na Bíblia, uma interpretação para aquelas distorções no mundo criado.

Cada um de nós enfrenta esse mesmo dilema enquanto lutamos para compreender as origens. Não podemos evitar perguntas como: “De onde vim?” “Como cheguei até aqui?” e, “Como dar sentido à minha existência?”

Finalmente, Darwin adotou a teoria ateísta das origens. Em outras palavras, ele eliminou Deus do cenário. Como nenhum de nós estava lá para testemunhar pessoalmente como tudo começou, temos que examinar as evidências disponíveis e decidir por nós mesmos.

Hipóteses da Evolução

A evolução baseia-se em determinados pressupostos, delineados, como a seguir, pelo Dr. G. A. Kerkut, da Universidade de Southampton, na Inglaterra (Implicações da Evolução [Pergamon, 1960):

• Nenhum elemento sem vida deu origem à matéria viva.
• Essa geração espontânea ocorreu apenas uma vez.
• Vírus, bactérias, plantas e animais estão todos interligados.
• Os organismos unicelulares deram origem a organismos multicelulares.
• Todos os organismos invertebrados estão relacionados.
• Todos os organismos invertebrados deram origem aos vertebrados.
• Os peixes deram origem aos anfíbios, que deram origem aos répteis, que a seguir originaram os pássaros e finalmente os mamíferos.

Deixo os leitores tirarem suas próprias conclusões sobre a probabilidade de essas hipóteses terem, realmente, ocorrido. A Bíblia, no entanto, dá-nos fortes evidências que nos ajudam a tirar outras conclusões a respeito de nossas origens.

O apóstolo Paulo diz, com razão, que todos os seres humanos conhecem algo de Deus pela natureza, mesmo quando não têm conhecimento das Escrituras: “Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o Seu eterno poder, como também a Sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis” (Rm 1:20).

Podemos não conhecer tudo a respeito de Deus por meio do estudo da natureza, diz Paulo, mas há duas coisas que podemos descobrir sobre Suas qualidades invisíveis. A primeira é que Ele é eternamente poderoso e a outra, Ele é divino. Darwin pode não ter escolhido associar o poder que rege a sua “seleção natural” com o Deus da Bíblia, mas ele ainda a descreve como eterna, em termos equivalentes e divinos em sua essência. Em certo sentido, Sua divindade foi ignorada.

A Bíblia declara, sem desculpas, a verdadeira natureza do Deus “desconhecido”: “O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe, sendo Ele Senhor do Céu e da Terra […] Pois Ele mesmo é quem a todos dá vida, respiração e tudo mais, de um só fez toda a raça humana para habitar sobre toda a face da Terra […] ‘Pois nEle vivemos, e nos movemos, e existimos,’ […] Porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um Varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-O dentre os mortos” (At 17:24-31).

Poder Criativo em Jesus

A questão das origens é decidida pelo fato de aceitarmos ou não a ressurreição de Jesus e Sua reivindicação de ser o Criador de tudo o que existe e, como tal, nosso Senhor (veja Jo 1:13, 14). Quando, no evangelho de João, Jesus é chamado de “Palavra”, que nunca teve um princípio, o Único, que é tanto Deus como o Pai e que criou tudo o que existe, temos que decidir se essa é uma afirmação autêntica ou um delírio.

A história da criação, no Gênesis, descreve a Palavra chamando as coisas à existência com a repetição de: “E disse Deus…” afirmando que tudo o que existe não existia e, de repente, passou a existir.

Há uma qualidade intangível na natureza das palavras ditas por Cristo que, intrinsecamente, trouxe vida. Na presença de um homem que estivera morto por quatro dias e cujo corpo estava em decomposição, Jesus chamou com alta voz: “ ‘Lázaro, vem para fora!’ [e] Saiu aquele que estivera morto” (Jo 11:43 e 44). Alguém disse que, se Jesus não tivesse limitado Sua ordem a Lázaro, todos os mortos nas sepulturas teriam ressuscitado com Suas palavras.

A Criação

Deus é o Criador de todas as coisas e revelou, nas Escrituras, a autêntica importância da Sua atividade criadora. Em seis dias fez o Senhor “os céus e a terra” e todas as coisas que nela vivem, e descansou no sétimo dia dessa primeira semana. Assim, Ele estabeleceu o sábado como memorial perpétuo ao completar Sua obra criativa. O primeiro homem e a primeira mulher foram feitos à imagem de Deus como coração da criação, e foi dado a eles o domínio sobre o mundo e a responsabilidade de cuidar dele. Quando o mundo foi concluído, “eis que era muito bom”, e declarava a glória de Deus. (Gn 1; 2; Êx 20:8-11; Sl 19:1-6; 33:6, 9; 104; Hb 11:3.)

O que Darwin Viu Não foi Sempre Assim

Até mesmo uma leitura casual do relato de Gênesis sobre a criação revela o coração de Deus em relação às Suas criaturas e à criação: “Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom” (Gn 1:31). Não havia nada na criação que refletisse a destruição que confundiu Darwin. Todos os animais, todas as plantas e todos os aspectos do planeta recém-criado refletiam a glória de Deus e Seu benevolente propósito para com Suas criaturas. Somente depois de a humanidade ter rejeitado a palavra do doador da vida, Jesus, seu Criador, foi que apareceram os cardos sobre a terra e tudo o mais foi amaldiçoado (veja Gn 3:1-16).

Essa compreensão nos ajuda a concluir que faz sentido o estado atual da Terra e tudo que há nela. Mas esse mesmo Senhor criativo, que originalmente falou ao mundo e tudo se fez, diz: “Pois eis que Eu crio novos céus e nova terra” (Is 65:17).

Até lá, escreve o apóstolo Paulo, “a ardente expectativa da criação aguarda a revelação dos filhos de Deus.” Toda a criação geme, diz ele, “e está com dores de parto até agora”, aguardando “a nossa adoção, a saber, a redenção do nosso corpo” (Rm 8:19-23).

Jesus é tão bom quanto  Sua Palavra.

______________________________________________

*Este artigo é uma versão resumida (e ligeiramente editada) do original publicado na revista The Signs of the Times (Austrália), em setembro de 2005. 

Graeme Loftus é pastor adventista do sétimo dia aposentado e mora em Charlestown, New South Wales, Austrália.

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Ateísmo, Crenças Fundamentais, Criacionismo e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para A Criação Faz Sentido

  1. Fábio disse:

    Muito instrutiva e importante esta postagem!
    Um abraço!

  2. Frederico Franco disse:

    Olá amigo,

    Muito interessante a forma como defende o criacionismo, mas devo te dizer que você esta enganado quanto a Darwin… ele não era ateu nem renegou a Deus… pelo contrário, ele morreu cheio de pesar por saber que sua teoria estava em contradição com sua fé em Deus…

    Cada um tem direito em acreditar no que seu coração disser que é verdadeiro, e a Biblia é um bom caminho… no entanto o que Darwin observou através de estudos sérios depois de vários anos não podia ser ignorado apenas por que ele tinha fé no contrario… foi um ato muito corajoso partindo de alguem religioso… e independente da fé de cada um não deixa de ter uma base verificavel coerente e lógica (e todos sabemos que fé não se trata disso não é).

    Só para frisar não quero negar a crença de ninguem nem fazer burburinho, mas o que percebo é que pessoas religiosas não tem o mesmo apreço pelas opniões contrarias…

    Abraços

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s