Os anjos desde a ressurreição de Cristo até sua ascensão

A manhã da ressurreição

Os discípulos descansaram no sábado, entristecidos pela morte de seu Senhor, enquanto Jesus, o Rei da glória, jazia no túmulo. Aproximando-se a noite, soldados posicionaram-se para guardar o lugar de repouso do Salvador, enquanto anjos, invisíveis, pairavam sobre o local sagrado. — Primeiros Escritos, 181.

Lentamente passara a noite do primeiro dia da semana. Havia soado a hora mais escura, exatamente antes do raiar da aurora. Cristo continuava prisioneiro em Seu estreito sepulcro. A grande pedra estava em seu lugar; intacto, o selo romano; a guarda, de sentinela. Vigias invisíveis ali estavam também. Exércitos de anjos maus se achavam reunidos em torno daquele lugar. Houvesse sido possível, e o príncipe das trevas, com seu exército de apóstatas, teria mantido para sempre fechado o túmulo que guardava o Filho de Deus. Uma multidão celeste, porém, circundava o sepulcro. Anjos magníficos em poder o guardavam, esperando o momento de saudar o Príncipe da Vida. — O Desejado de Todas as Nações, 779.

E, enquanto ainda era escuro, os anjos vigilantes sabiam que o tempo para o livramento do amado Filho de Deus, seu querido Comandante, era quase vindo. Enquanto esperavam com a mais profunda emoção a hora de Seu triunfo, um poderoso anjo veio voando rapidamente do Céu. — Primeiros Escritos, 181.

O anjo mais poderoso do Céu, aquele que ocupava o lugar antes pertencente a Satanás, recebeu ordens do Pai e, revestido da armadura celestial, afastou as trevas de seu caminho. Seu rosto lembrava um relâmpago, e suas vestes eram tão alvas como a neve. — The S.D.A. Bible Commentary 5:1110.

Um dos anjos que havia testemunhado a humilhação de Jesus e que agora guardava Seu sagrado local de repouso, uniu-se ao anjo vindo do Céu, e juntos vieram ambos ao sepulcro. A terra sacudiu-se e tremeu quando eles se aproximaram, produzindo-se um poderoso terremoto. — Spiritual Gifts 1:66.

O rosto que [os soldados romanos] contemplam não é o de um guerreiro mortal; é a face do mais poderoso dos exércitos do Senhor. Este mensageiro é o que ocupa a posição da qual caiu Satanás. Fora aquele que nas colinas de Belém proclamara o nascimento de Cristo. A terra treme à sua aproximação, fogem as multidões das trevas. — O Desejado de Todas as Nações, 779, 780.

O anjo aproximou-se da tumba, removeu a pedra como se fosse um pequeno seixo, e sentou-se sobre ela. A luz do Céu circundou a tumba, e o Céu inteiro foi iluminado pela glória dos anjos. — The S.D.A. Bible Commentary 5:1110.

O comandante angélico tomou a pedra cuja colocação naquele lugar requerera a participação de muitos homens fortes, rolou-a para o lado e sentou-se sobre ela. Seu companheiro entrou no sepulcro e desatou os lençóis que envolviam a face e a cabeça de Jesus.

Então o poderoso anjo, com voz que fez a terra tremer, disse: “Jesus, Filho de Deus, Teu Pai Te chama!” Aquele que havia adquirido o poder de vencer a morte e a sepultura, saiu da mesma como Conquistador, em meio às contorções da terra, o clarão dos relâmpagos e o rugido dos trovões. — The Spirit of Prophecy 3:192.

Aquele que dissera: “Dou a Minha vida para tornar a tomá-la” (João 10:17), saiu da tumba para a vida que nEle mesmo se encontrava. A humanidade morrera, porém não a divindade. Em Sua divindade, possuía Cristo o poder para quebrar os laços da morte. — The Youth’s Instructor, 4 de Agosto de 1898.

A Divindade resplandeceu através de Cristo enquanto Ele saía da sepultura e Se erguia triunfantemente sobre a morte e o sepulcro. — The Signs of the Times, 30 de Maio de 1895.

A guarda romana… foi capacitada a suportar o espetáculo, pois tinha de apresentar a mensagem como testemunha da ressurreição de Cristo. — The S.D.A. Bible Commentary 5:1110.

Os guardas encheram-se de terrível temor. Onde ficara o seu poder para guardar o corpo de Jesus? Já nem pensavam em seu dever, tampouco em que os discípulos houvessem roubado o corpo. Seu temor e assombro devia-se à excessiva glória da luz dos anjos, que os rodeava mais intensa que a do sol. Os guardas romanos viram os anjos, e caíram como mortos ao solo. — Spiritual Gifts 1:66.

Em solene admiração a multidão angélica presenciou a cena. Quando Jesus saiu majestosamente do sepulcro, aqueles radiantes anjos se prostraram até o chão e O adoraram. Glorificaram-nO, então, com cânticos de vitória e triunfo. — Spiritual Gifts 1:66, 67.

Os soldados… ouviram os habitantes celestiais cantando com grande regozijo e triunfo: “Venceste Satanás e os poderes das trevas!” “Tragada foi a morte na vitória.” 1 Coríntios 15:54. “E ouvi uma grande voz no Céu, que dizia: Agora chegada está a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derribado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite.” Apocalipse 12:10. — The Spirit of Prophecy 3:194.

Quando a multidão angélica regressou aos Céus e sua luz e glória se dissiparam, [os guardas romanos] ergueram-se para constatar se lhes era seguro olhar à volta. Encheram-se de assombro quando viram a grande pedra removida da porta do sepulcro, onde Jesus já não Se achava. — Spiritual Gifts 1:68.

Satanás não triunfara. Seus anjos haviam fugido diante da intensa e penetrante luz dos anjos celestes. Queixaram-se amargamente a seu rei, de que a presa lhes fora arrebatada com violência, e que Aquele a quem tanto odiavam havia ressuscitado dentre os mortos. — Spiritual Gifts 1:67.

Imediatamente após a ressurreição de Cristo

Por um momento Satanás pareceu mostrar preocupação e desânimo. Convocou um concílio com seus anjos a fim de considerar quais deveriam ser os passos seguintes em sua obra contra o governo de Deus. Satanás disse: Devemos apressar-nos em retornar aos sacerdotes e príncipes. Fomos bem-sucedidos em enganá-los, em cegar-lhes os olhos, e em endurecer-lhes o coração contra Jesus. Nós os fizemos crer que Ele era um impostor. A guarda romana levará a odiosa notícia de que Cristo ressurgiu. Levamos os sacerdotes e príncipes a odiarem Jesus e a assassiná-Lo. Agora, mostrem claramente que eles, assassinos que são, se a notícia da ressurreição de Cristo se tornar conhecida, virão a ser apedrejados pelo povo por haverem matado um homem inocente. — Spiritual Gifts 1:67, 68.

[Os guardas romanos] deixaram o sepulcro surpresos com o que haviam visto e ouvido, apressando-se em ir até a cidade e relatando a todos que encontravam as maravilhosas cenas que haviam testemunhado. … Enquanto isso, um mensageiro foi enviado aos sacerdotes e príncipes, anunciando-lhes: Cristo, a quem vocês crucificaram, ergueu-Se dentre os mortos!

Um servo foi imediatamente enviado com uma mensagem particular, ordenando que os guardas romanos se apresentassem no palácio do sumo sacerdote. Foram intensamente interrogados, sendo que apresentaram um completo relato daquilo que haviam presenciado no sepulcro: Que um majestoso mensageiro viera do Céu com a face brilhando como relâmpago e trajando vestimentas alvas como a neve; que a terra sacudira e tremera, e eles haviam perdido as forças; que o anjo rolara a pesada pedra da porta do sepulcro como se fosse um pequeno seixo; que um Ser de imensa glória saíra do sepulcro; que um coro de vozes havia enchido os Céus e a Terra com cânticos de alegria e vitória; que ao a luz se dissipar e as vozes musicais cessarem, eles haviam recuperado as forças, encontrando vazia a tumba. Não mais haviam visto o corpo de Jesus em parte alguma. — Redemption: Or the Resurrection of Christ, and His Ascension, seção 6:14, 15.

Os guardas romanos apressaram-se em ir aos príncipes e sacerdotes com a extraordinária história que haviam presenciado. Quando aqueles assassinos ouviram o maravilhoso relato, seus rostos empalideceram. Encheram-se de horror pelo que haviam feito. Compreenderam que, se o relato fosse correto, estariam eles perdidos. Por breves momentos sentiram-se estupefatos, em silêncio, sem ter o que fazer ou dizer. Crer naquilo que ouviam, significava sua própria condenação.

Retiraram-se para consultar quanto a que deveriam fazer. Concluíram que se o relato da ressurreição de Jesus se espalhasse, que se o povo chegasse a saber da tremenda glória que deixara os guardas como mortos, certamente a multidão se enfureceria contra eles e os mataria. Decidiram subornar os guardas para manter o assunto em segredo. Ofereceram-lhes muito dinheiro para que dissessem que, enquanto dormiam, os discípulos haviam vindo para roubar o corpo de Cristo. Quando os guardas perguntaram o que lhes aconteceria por dizerem que haviam dormido no posto do dever, os príncipes e sacerdotes lhes asseguraram que persuadiriam o governador a poupá-los. — Spiritual Gifts 1:68.

As mulheres vão ao sepulcro

As mulheres que estiveram junto à cruz de Cristo esperaram, atentas, que passassem as horas de sábado. No primeiro dia da semana, muito cedo, fizeram o caminho para o sepulcro, levando consigo preciosas especiarias para ungirem o corpo do Salvador. …

Ignorantes do que se passava mesmo então, aproximaram-se do horto, dizendo: “Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro?” Marcos 16:3. Sabiam não lhes ser possível afastá-la, todavia continuaram adiante. E eis que os céus se iluminaram de repente com uma glória que não provinha do sol nascente. A terra tremeu. Elas viram que a pedra fora removida. O sepulcro estava vazio.

As mulheres que foram ao sepulcro, não partiram todas do mesmo lugar. Maria Madalena foi a primeira a chegar ao local; e ao ver que a pedra fora retirada, correu para anunciá-lo aos discípulos. Enquanto isso, chegaram as outras mulheres. Havia uma luz em volta do sepulcro, mas o corpo de Jesus não se achava ali. Enquanto andavam em torno, viram de repente não se encontrarem sós. Um jovem de vestes brilhantes estava sentado junto ao túmulo. Era o anjo que rolara a pedra. Tomara a forma humana, a fim de não atemorizar essas discípulas de Jesus. Todavia, brilhava-lhe ainda em torno a glória celestial. — O Desejado de Todas as Nações, 788, 789.

As mulheres sentiram-se terrivelmente amedrontadas e inclinaram-se com o rosto em terra, pois a visão do ser celestial era mais do que podiam suportar. O anjo foi compelido a ocultar ainda mais sua glória antes de poder conversar com elas. — The Youth’s Instructor, 21 de Julho de 1898.

“Não tenhais medo”, disse ele; “pois eu sei que buscais a Jesus, que foi crucificado. Ele não está aqui, porque já ressuscitou, como tinha dito. Vinde e vede o lugar onde o Senhor jazia. Ide, pois, imediatamente, e dizei aos Seus discípulos que já ressuscitou dos mortos.” Mateus 28:5-7.

De novo olharam elas para o sepulcro, e tornaram a ouvir as maravilhosas novas. Outro anjo, em forma humana, ali está, e diz: “Por que buscais o vivente entre os mortos? Não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos como vos falou, estando ainda na Galiléia, dizendo: Convém que o Filho do Homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja crucificado, e, ao terceiro dia, ressuscite.” Lucas 24:5-7.

Ressuscitou! Ressuscitou! As mulheres repetem e tornam a repetir as palavras. — O Desejado de Todas as Nações, 789.

Cristo ascende ao Pai

“Ide”, disseram os anjos às mulheres, “dizei aos Seus discípulos que Ele ressuscitou dos mortos e vai adiante de vós para a Galiléia; ali O vereis. É como vos digo!” Mateus 28:7. Esses anjos estiveram com Cristo, como guardas, durante Sua existência terrestre. Testemunharam-Lhe o julgamento e a crucifixão. Ouviram Suas palavras aos discípulos. — O Desejado de Todas as Nações, 793.

Apressadas, afastam-se as mulheres do sepulcro e “com temor e grande alegria, correram a anunciá-lo aos Seus discípulos”. Mateus 28:8.

Maria não ouvira as boas novas. Foi ter com Pedro e João, levando a dolorosa mensagem: “Levaram o meu Senhor, e não sei onde O puseram.” João 20:13.

Os discípulos correram para o túmulo, e acharam ser como Maria dissera. Viram o manto e o lenço, mas não acharam o Senhor. …

Maria acompanhara João e Pedro ao sepulcro; quando eles voltaram a Jerusalém, ela permaneceu. Contemplando a tumba vazia, o coração encheu-se-lhe de dor. Olhando para dentro, viu os dois anjos, um à cabeceira, outro aos pés do lugar em que Jesus jazera. “Mulher, por que choras?” perguntaram-lhe. “Porque levaram o meu Senhor”, disse ela, “e não sei onde O puseram.” João 20:13.

Então ela se voltou para se afastar, mesmo dos anjos, pensando em encontrar alguém que lhe dissesse o que fora feito com o corpo de Jesus. Outra voz a ela se dirigiu: “Mulher, por que choras? Quem buscas?” Através das lágrimas que lhe empanavam os olhos, Maria viu a figura de um homem e, pensando que fosse o hortelão, disse: “Senhor, se tu O levaste, dize-me onde O puseste, e eu O levarei.” João 20:15. …

Mas então, em Sua voz familiar, Jesus lhe diz: “Maria!” Agora sabia que não era um estranho que se dirigia a ela e, voltando-se, viu diante de si o Cristo vivo. Em sua alegria, esqueceu que Ele fora crucificado. Saltando para Ele, como para abraçar-Lhe os pés, disse ela: “Raboni.” João 20:16. Cristo, porém, ergueu a mão, dizendo: Não Me detenhas, “porque ainda não subi para Meu Pai”. João 20:17. …

Jesus recusou receber a homenagem de Seu povo até haver obtido a certeza de estar Seu sacrifício aceito pelo Pai. Subiu às cortes celestiais, e ouviu do próprio Deus a afirmação de que Sua expiação pelos pecados dos homens fora ampla, de que por meio de Seu sangue todos poderiam obter a vida eterna. …

Depois de haver ascendido ao Pai, Jesus apareceu às outras mulheres, dizendo: “Eu vos saúdo. E elas, chegando, abraçaram os Seus pés e O adoraram. Então, Jesus disse-lhes: Não temais; ide dizer a Meus irmãos que vão a Galiléia e lá Me verão.” Mateus 28:9, 10. — O Desejado de Todas as Nações, 789, 790, 793.

Outras aparições após a ressurreição

Ao entardecer do dia da ressurreição, dois dos discípulos se achavam no caminho de Emaús, pequena aldeia cerca de doze quilômetros de Jerusalém. … Tinham ouvido as notícias da manhã com respeito à remoção do corpo de Jesus do sepulcro, bem como a narração das mulheres que viram os anjos e encontraram a Jesus. Voltavam agora para casa. …

Não haviam andado muito quando se lhes juntou um Estranho, mas tão absorvidos se achavam em sua negra decepção que não O observaram muito. Continuaram em sua conversa, externando os pensamentos de seu coração. … Enquanto falavam sobre os acontecimentos que se haviam desenrolado, Jesus anelava consolá-los. … Devia, porém, dar-lhes lições que nunca haveriam de esquecer. …

Começando com Moisés… Cristo expôs em todas as Escrituras as coisas que Lhe diziam respeito. … Com provas tiradas da profecia, deu Cristo aos discípulos uma idéia correta do que Ele devia ser na humanidade. …

Enquanto andavam, o sol baixara. … Quando os discípulos estavam para entrar em casa, o Estranho pareceu como se fosse continuar a viagem. Mas os discípulos sentiram-se atraídos para Ele. … “Fica conosco”, disseram. Ele não parecia disposto a aceitar-lhes o convite, mas insistiram, dizendo: “Já é tarde, e já declinou o dia.” Cristo concordou com esse rogo, “e entrou para ficar com eles”. Lucas 24:29. …

A simples refeição da noite, composta de pão, é prontamente preparada. É colocada diante do Hóspede, que tomou assento à cabeceira da mesa. Estende então as mãos para abençoar o alimento. Os discípulos recuam assombrados. Seu Companheiro estende as mãos exatamente da mesma maneira como o fazia o Mestre. Olham outra vez, e eis que Lhe vêem nas mãos os sinais dos cravos. Ambos exclamam imediatamente: É o Senhor Jesus! Ressuscitou dos mortos!

Erguem-se para lançar-se-Lhe aos pés em adoração, mas Ele desaparece diante de seus olhos. … Mas com essas grandes novas a comunicar, não se podiam sentar e conversar. … Deixam a refeição intacta e, cheios de alegria, põem-se imediatamente a caminho outra vez pela mesma estrada por onde tinham vindo, apressando-se para dar as novas aos discípulos na cidade. — O Desejado de Todas as Nações, 795-801.

Chegando a Jerusalém, os dois discípulos entram pela porta oriental, aberta à noite em ocasião de festas. … Vão ao cenáculo, onde Jesus passara as primeiras horas da última noite, antes de Sua morte. … Encontram a porta da câmara fechada a trave, por segurança. Batem pedindo entrada, mas nenhuma resposta. Tudo quieto. Dão então seu nome. A porta é cautelosamente aberta, eles entram, e Outro, invisível, entra com eles. Novamente é trancada a porta, para evitar espias.

Os viajantes encontram todos numa agitação surpreendente. As vozes dos presentes irrompem em ações de graças e louvores, dizendo: “Ressuscitou, verdadeiramente, o Senhor e já apareceu a Simão.” Lucas 24:34. Então os dois viajantes… contam a maravilhosa história de como Jesus lhes aparecera. Apenas a terminam, … [e] eis que outra Pessoa Se acha perante eles. … Ouvem então uma voz que não é outra senão a do Mestre. …

“E eles, espantados e atemorizados, pensavam que viam algum espírito. E Ele lhes disse: Por que estais perturbados, e por que sobem tais pensamentos ao vosso coração? Vede as Minhas mãos e os Meus pés, que sou Eu mesmo; tocai-Me e vede; pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que Eu tenho. E, dizendo isso, mostrou-lhes as mãos e os pés.” Lucas 24:37-40. — O Desejado de Todas as Nações, 802, 803.

Vários discípulos fizeram, então, do familiar cenáculo, sua habitação temporária, e à noite todos, com exceção de Tomé, aí se reuniam. Uma noite, Tomé decidiu reunir-se com os demais. … Enquanto os discípulos tomavam a refeição da tarde, conversavam acerca dos testemunhos que Jesus lhes dera nas profecias. “Chegou Jesus, estando as portas fechadas, e apresentou-Se no meio, e disse: Paz seja convosco!” João 20:26.

Voltando-Se para Tomé, disse: “Põe aqui o teu dedo e vê as Minhas mãos; chega a tua mão e põe-na no Meu lado; não sejas incrédulo, mas crente.” João 20:27. … [Tomé] não desejou mais provas. O coração saltou-lhe de alegria, e lançou-se aos pés de Jesus, exclamando: “Senhor meu, e Deus meu!” João 20:28. — O Desejado de Todas as Nações, 807.

Jesus indicara aos discípulos um encontro na Galiléia; e logo depois da semana da Páscoa, para ali dirigiram os passos. … Sete dos discípulos iam em grupo. Trajavam as humildes vestes de pescador. … Toda a noite labutaram, mas sem resultado. … Todo esse tempo, um solitário Observador, na praia, os acompanhava com a vista, ao passo que Ele próprio Se achava invisível. Por fim raiou a manhã… e os discípulos viram de pé na praia um Estranho. … João reconheceu o Estranho e exclamou para Pedro: “É o Senhor.” João 21:7. — O Desejado de Todas as Nações, 809, 810.

Em uma montanha da Galiléia se realizou uma reunião na qual se congregaram todos os crentes que podiam ser convocados. … Ao tempo designado, cerca de quinhentos crentes estavam reunidos em pequenos grupos na encosta da montanha, ansiosos por saber tudo quanto fosse possível colher dos que tinham visto Jesus depois da ressurreição. … De repente, achou-Se Jesus no meio deles. Ninguém podia dizer de onde nem como viera. … Agora declarava que Lhe era dado “todo o poder”. Mateus 28:18. Suas palavras levaram a mente dos ouvintes acima das coisas terrenas e temporais, às celestiais e eternas. — O Desejado de Todas as Nações, 818, 819.

Por quarenta dias permaneceu Cristo na Terra, preparando os discípulos para a obra que deviam fazer, e explanando o que até então eles tinham sido incapazes de compreender. Falou-lhes das profecias concernentes a Seu advento, Sua rejeição pelos judeus e Sua morte, mostrando que cada especificação dessas profecias tinha sido cumprida. Falou-lhes também que deviam considerar o cumprimento dessas profecias como garantia do poder que haveria de assisti-los nos seus futuros labores. — Atos dos Apostolos, 26.

A ascensão de Cristo

Chegou o momento de Cristo ascender ao trono do Pai. … Como local de Sua ascensão, escolheu Jesus aquele tantas vezes consagrado por Sua presença… [o] Monte das Oliveiras. …

Com os onze discípulos, dirige-Se Jesus agora para o monte. Ao passarem pela porta de Jerusalém, muitos olhares curiosos seguem o pequeno grupo, chefiado por Aquele que, poucas semanas antes, fora condenado pelos principais, e crucificado. … Chegando ao Monte das Oliveiras, Jesus vai abrindo o caminho até o cume, à vizinhança de Betânia. Ali Se detém, e os discípulos reúnem-se-Lhe em torno. Raios de luz parecem irradiar-Lhe do semblante, enquanto os contempla amorosamente. … Com as mãos estendidas numa bênção, e como numa firme promessa de Seu protetor cuidado, ascende Jesus lentamente dentre eles, atraído para o Céu por um poder mais forte que qualquer atração terrestre. Ao subir mais e mais, os assombrados discípulos, numa tensão visual, buscam um último vislumbre de seu Senhor ascendendo ao Céu. — O Desejado de Todas as Nações, 829-831.

Quando Jesus… ascendeu do Monte das Oliveiras, não foi visto apenas por uns poucos discípulos, porém muitos O viram. Houve uma multidão de anjos, milhares de milhares que contemplaram o Filho de Deus enquanto Ele subia. — The Ellen G. White 1888 Materials, 127.

Enquanto os discípulos continuam a olhar para cima ouvem, qual música maviosa, vozes que se lhes dirigem. Voltam-se e vêem dois anjos em forma humana, os quais lhes falam, dizendo: “Varões galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no Céu, há de vir assim como para o Céu O vistes ir.” Atos dos Apóstolos 1:11.

Esses anjos eram do grupo que estivera esperando numa nuvem brilhante, para acompanhar Jesus à morada celestial. Os mais exaltados, dentre a multidão angélica, eram os dois que foram ao sepulcro na ressurreição de Cristo e com Ele estiveram durante Sua vida na Terra. — O Desejado de Todas as Nações, 831, 832.

Cristo foi levado ao Céu numa nuvem composta de anjos viventes. — Manuscript Releases 17:2.

Enquanto o séquito de anjos O recebia, dEle lhes vieram as palavras [aos discípulos]: “Eis que Eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos.” Mateus 28:20. — Atos dos Apostolos, 65.

Milhares e milhares de anjos escoltaram honrosamente a Cristo rumo à cidade de Deus, cantando: “Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória.” Salmos 24:7, 9. Os anjos sentinelas nas portas exclamavam: “Quem é este Rei da Glória?” Salmos 24:8, 10. — The Review and Herald, 29 de Julho de 1890.

Quando Cristo Se aproximava da Cidade de Deus, as vozes de milhares de anjos ergueram-se, e os mais elevados dentre os anjos cantaram: “Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória.” Salmos 24:7, 9. — The Ellen G. White 1888 Materials, 127.

Outra vez ergue-se o desafio: “Quem é este Rei da Glória?” Os anjos que acompanhavam a Cristo responderam: “O Senhor dos Exércitos; Ele é o Rei da Glória.” Salmos 24:10. E a embaixada celestial passa pelas portas. — The Review and Herald, 29 de Julho de 1890.

Quando Cristo ascendeu ao alto, levando uma multidão de cativos e escoltado pela multidão celestial, foi recebido nas portas da cidade. … Possuía então a mesma exaltada estatura que tivera antes de vir ao mundo e morrer pelo homem. — Spiritual Gifts 4a:119.

Cristo é acompanhado à presença do Pai

Ali está o trono circundado pelo arco da promessa. Ali estão serafins e querubins. Os anjos estão à sua volta, porém Cristo os faz recuar. Entra à presença do Pai. Aponta ao Seu triunfo… — aqueles que com Ele ressuscitaram, os representantes dos cativos mortos que sairão de suas sepulturas quando a trombeta soar. Aproxima-Se do Pai e… diz: Pai, está consumado. Cumpri a Tua vontade, Meu Deus. Completei a obra da redenção. Se a Tua justiça está satisfeita, “onde Eu estiver, também eles estejam comigo, para que vejam a Minha glória que Me deste”. João 17:24. — The Youth’s Instructor, 11 de Agosto de 1898.

Os braços do Pai estreitam o Filho, e ouve-se-Lhe a voz, dizendo: “Todos os anjos de Deus O adorem.” Hebreus 1:6. — Mensagens Escolhidas 1:307.

A multidão angélica… inclina-se em adoração diante dEle, dizendo: “Digno é o Cordeiro, que foi morto” (Apocalipse 5:12), e vive outra vez, o triunfante Conquistador. — The Signs of the Times, 17 de Junho de 1889.

Ao transpor as portas celestiais, foi Jesus entronizado em meio à adoração dos anjos. Tão logo foi esta cerimônia concluída, o Espírito Santo desceu em ricas torrentes sobre os discípulos, e Cristo foi de fato glorificado com aquela glória que tinha com o Pai desde toda a eternidade. O derramamento pentecostal foi uma comunicação do Céu de que a confirmação do Redentor fora aceita. De conformidade com Sua promessa, Jesus enviara do Céu o Espírito Santo sobre Seus seguidores, em sinal de que Ele, como Sacerdote e Rei, recebera todo o poder no Céu e na Terra, tornando-Se o Ungido sobre Seu povo. — Atos dos Apostolos, 38, 39.

Ellen G. White, A Verdade sobre os Anjos, Capítulo 17.

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em A Verdade sobre os Anjos e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s