Seguindo o Rastro

Apocalipse: para muitos um livro que guarda mistérios impenetráveis. Para outros, um livro cheio de histórias mitológicas baseadas na imaginação ou crença popular. Para Jesus Cristo, seu Autor, um livro maravilhoso de abundantes revelações sobre o futuro:

“Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer… Bem aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo” (Apocalipse 1:1,3).

A revelação de Jesus, formada no Apocalipse,[a] não foi dada em linguagem direta, mas em linguagem simbólica. Da mesma maneira que o general do exército envia instruções através do rádio por meio de palavras em código, a fim de que somente seus soldados (que conhecem o significado) recebam a mensagem. Jesus envia sua revelação em código para garantir que a mensagem chegue somente até os sinceros seguidores de sua Palavra no tempo do fim.O Senhor disse ao profeta Daniel:

“… Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até o tempo do fim. Muitos serão purificados, e embranquecidos, e provados; mas os ímpios procederão ímpiamente, e nenhum dos ímpios entenderá, mas os sábios entenderão”(Daniel 12:9-10).

Como os sábios compreenderão? O Espírito Santo concentrou na Bíblia todo o conhecimento necessário para o discernimento total de suas profecias. Ninguém está autorizado de se desviar da interpretação dada pela Palavra de Deus. Ninguém está autorizado a explicá-la segundo seu critério ou ponto de vista pessoal:

“Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação; porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo” (2 Pedro 1:20,21).

Ainda que a Bíblia contenha em si mesma a interpretação de seus símbolos, é necessário que quem a leia discirna espiritualmente.[b] O que significa que todo aquele que deseje compreender as profecias deve procurar, em primeiro lugar, achegar-se a Deus e fazer dele o seu melhor amigo. Na realidade este é o primeiro e mais importante passo, assim afirma um dos mais grandes reformadores de todos os tempos, Martinho Lutero:

“Não se pode chegar a compreender as Escrituras, nem com o estudo, nem com a inteligência; vosso primeiro dever é pois começar pela oração. Pedi ao Senhor que seja digno, por sua grande misericórdia, conceder-vos o verdadeiro conhecimento de sua Palavra. Não há outro intérprete da Palavra de Deus, que o mesmo Autor desta Palavra, segundo o que foi dito: `Todos serão ensinados por Deus’. Nada espereis de vossos estudos nem de vossa inteligência; confia unicamente em Deus e na influência de seu Espírito. Crê no homem que experimentou isto”.[c]

Podemos concluir então, que o único meio seguro para entender qualquer profecia é pedir a Deus em oração com um coração humilde e suscetível de ser ensinado. Se deixarmos nosso próprio critério de lado e permitirmos que Deus nos fale através de sua Palavra, nos assombraremos da clareza daquilo que antes parecia tão confuso e sem sentido.

O método que utilizaremos para identificar a besta será o mesmo que Jesus Cristo utilizou ao explicar suas profecias.[d] Este método consiste em tomar a passagem que se quer entender e compará-la com outras que falem acerca do mesmo tema, a fim de encontrar pistas e semelhanças que nos permitam chegar a uma identificação segura e clara.

No capítulo anterior vimos que todos aqueles que se unam à besta em seu propósito de perseguir ao povo de Deus, receberão a justa retribuição divina.[e] De onde surgiu esta besta? Deixemos que a Bíblia por si mesma nos dê a resposta:

1E eu pus-me sobre a areia do mar e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, dez diademas, e, sobre as cabeças um nome de blasfêmia. 2E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés, como os de urso, e a sua boca, como a de leão; e o dragão deu-lhe seu poder, e o seu trono, e grande poderio. 3E vi uma de suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta. 4E adoraram o dragão que deu à besta seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela? 5E foi-lhe dada uma boca para proferir grandes coisas e blasfêmias; e se lhe deu poder para continuar por quarenta e dois meses. 6E abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu. 7E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos e vencê-los; e se lhe deu poder sobre toda tribo, e língua, e nação. 8E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo. 9Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça. 10Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto… 14…à besta que recebera a ferida de espada e vivia. 18Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, porque é número de homem; e o seu número é seiscentos e sessenta e seis” (Apocalipse 13:1-10,14,18).[f]

Tendo esta passagem como base, lhe convido agora a tomar um papel e escrever uma lista própria com todas as características da besta que possa encontrar, coloque-as uma abaixo da outra e deixe um espaço suficiente na frente de cada uma para escrever ali o que posteriormente lhe mostrarei.
Pronto? Depois deste primeiro passo você deve ter obtido uma lista similar a esta:

– A besta sobe do mar (v.1).
– Tem sete cabeças (v.1).
– Tem dez chifres (v.1)
– Tem características de outros três animais: um leopardo, um urso e um leão (v.2).
– Recebe o poder de outro animal: um dragão (v.2).
– Tem boca que fala arrogâncias (v.5).
– Blasfema contra Deus (v.6).
– Blasfema contra o Tabernáculo (v.6).
– Blasfema contra os que habitam no céu (v.6).
– Recebe autoridade para governar durante 42 meses (v.5).
– Sua autoridade é sobre toda tribo, povo, língua e nação (v.7).
– Faz guerra contra os santos e os vence (v.7).
– Recebe finalmente uma ferida de morte (v.10).
– Sua ferida é sarada (vs. 3,14).

Por favor, leia estas características quantas vezes for necessário para familiarizar-se com elas, se possível, repita-as até memorizá-las. Uma vez feito isto, leia atentamente o seguinte extrato dos capítulos 7 e 8 do livro do profeta Daniel, tratando de encontrar o maior número de semelhanças.

“3E quatro animais grandes, diferentes uns dos outros, subiam do mar. 4O primeiro era como leão… 6Depois disso, eu continuei olhando, e eis aqui outro, semelhante a um leopardo… tinha também este animal quatro cabeças… 7Depois disso.. e eis aqui o quarto animal[o dragão], terrível e espantoso e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava, e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele e tinha dez pontas[chifres]. 8Estando eu considerando as pontas, eis que entre elas subiu outra ponta pequena… 20…daquela ponta, digo, que tinha olhos, e uma boca que falava grandiosamente, e cuja aparência era mais firme do que a das suas companheiras. 21Eu olhava, e eis que essa ponta fazia guerra contra os santos e os vencia. 25E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues nas suas mãos por um tempo, e tempos, e metade de um tempo” (Daniel 7:1-28).

“…9E de uma delas saiu uma ponta mui pequena, a qual cresceu muito para o meio-dia, e para o oriente, e para a terra formosa. 10E se engrandeceu até o exército dos céus… 11E se engrandeceu até o príncipe do exército; e por ele foi tirado o contínuo sacrifício, e o lugar do seu santuário foi lançado por terra. 12E o exército lhe foi entregue, com o sacrifício contínuo, por causa das transgressões; e lançou a verdade por terra; fez isso e prosperou. 24E se fortalecerá a sua força, mas não pelo seu próprio poder; e destruirá maravilhosamente, e prosperará, e fará o que lhe aprouver; e destruirá os fortes e o povo santo. 25E, pelo seu entendimento, também fará prosperar o engano na sua mão; e, no seu coração, se engrandecerá, e, por causa da tranqüilidade, destruirá muitos, e se levantará contra o príncipe dos príncipes, mas, sem mão, será quebrado” (Daniel 8: 1-27).

Impressionante, verdade? A semelhança existente entre os capítulos 7 e 8 de Daniel com o capítulo 13 do Apocalipse é evidente. Sem dúvida alguma, em Daniel se encontram as chaves para fazer a identificação da besta. Compare agora seus achados com o que aparece na continuação e tire suas próprias conclusões:

– Apocalipse 13:1 apresenta um animal que sobe do mar, Daniel 7:3 nos apresenta, não um, mas quatro animais que sobem do mar.
– Apocalipse 13:1 mostra um animal com sete cabeças; Daniel 7:6 nos mostra outro animal com a mesma característica, ainda que com três cabeças a menos que a primeira.
– Apocalipse 13:1 e Daniel 7:7 falam sobre dez chifres.
– Apocalipse 13:2 apresenta uma besta que têm traços tomados de um leopardo, um urso e um leão; Daniel 7:4-6 nos apresenta estes mesmos três animais selvagens, não como simples características, mas como animais livres e independentes.
– Apocalipse 13:2 mostra um dragão que entrega seu poder à besta, Daniel 7:7,8 nos mostra que o mesmo dragão(o quarto animal terrível) dá seu poder ao chifre pequeno, fazendo deste último tão terrível quanto a besta que surgiu.
– Apocalipse 13:5 nos diz que a besta tem boca que profere grandes coisas; Daniel 7:20 nos apresenta um chifre pequeno com uma boca que falava grandiosamente.
– Apocalipse 13:6 diz que a besta blasfema contra Deus; Daniel 7:25 e Daniel 8:11,25 dizem que o chifre pequeno profere palavras contra o Altíssimo e se levanta contra o Príncipe dos príncipes.
– Apocalipse 13:6 diz que a besta blasfemaria contra o tabernáculo; Daniel 8:11 diz que o chifre pequeno lança por terra o lugar do santuário.
– Apocalipse 13:6 mostra a besta blasfemando contra os que habitam no céu. Da mesma forma, Daniel 8:10 mostra o chifre pequeno crescendo até chegar ao exército do céu.
– Apocalipse 13:5 diz que a besta governará durante 42 meses; Daniel 7:25 diz que o chifre pequeno governará durante o mesmo período: três anos e meio.[g]
– Apocalipse 13:7 mostra a besta tendo autoridade sobre toda a tribo, povo, língua e nação; Daniel 8:9 mostra este mesmo poder territorial ao dizer que o chifre pequeno cresceu muito para o meio-dia, e para o oriente, e para a terra formosa.
– Apocalipse 13:7 diz que a besta faria guerra contra os santos [h] e os venceria; Daniel 7:21 e Daniel 8:24 mostram o chifre pequeno fazendo guerra contra os santos, vencendo-os.

Levando em conta o texto anterior podemos concluir com certeza, que a besta do Apocalipse 13 e o chifre pequeno de Daniel, são representações equivalentes a uma mesma entidade.

Não se preocupe pela aparente complexidade destes símbolos pois nos próximos capítulos analisaremos cada um deles de forma simples e compreensível. À medida que avançarmos em nosso estudo você se convencerá que a profecia é fácil de entender e que foi dada para ser compreendida especialmente pelos mais humildes e sinceros.

Conclusões:

O seguinte resumo ajudará a clarear na mente do leitor os principais pontos deste capítulo:

– O Apocalipse é uma mensagem em códigos que revela os eventos que hão de acontecer no futuro. Esta mensagem está expressada mediante o uso de diferentes símbolos.

– O Apocalipse é a revelação de Jesus Cristo. Portanto, de uma ou outra maneira deve-se entender, senão, não seria revelação.

– A interpretação do Apocalipse não pode basear-se na suposição ou especulação, num estudo cuidadoso das chaves que Deus nos deixou em sua Palavra.

– Não bastam inteligência nem estudos, o homem necessita de Deus e da influência de seu Espírito para entender a profecia sem se confundir.

– As Escrituras mencionam a existência de mais de uma besta: leão, urso, leopardo, dragão, etc.

– As características da besta de Apocalipse 13 enviam nossa visão ao livro de Daniel.

– A besta de Apocalipse 13 e o chifre pequeno de Daniel 7 e 8 são representações de uma mesma entidade.

Notas de rodapé
[a] Apocalipse (Apokavluyi”). Palavra grega que literalmente significa revelação. Léxicon Mejorado de Strong (602).
[b] 1 Coríntios 2:14
[c] D’Aubigné, livro 3, cap. 7. Citado em El Conflicto de los Siglos, pág. 142.
[d] Lucas 24:25-27, 31.
[e] Apocalipse 14:9-12.
[f]Os números pequenos em negrito correspondem aos versículos do capítulo em questão, conforme estão registrados na Bíblia.
[g] Versão Dios Habla Hoy. A versão RVR95 traduz “tempo, tempos e meio tempo” onde “tempo”=1, “tempos”=2. Por tanto 1+2+½ =3 ½ tempos ou anos.
3 ½ anos x 12 (meses por ano)= 42 meses
[h] O povo de Deus, sua igreja (Salmos 148:14; Atos 26:10, cf. Atos 8:3).

Estes estudos são de autoria de: Luis Antonio Palomino S.

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em No Limiar do Tempo do Fim e marcado . Guardar link permanente.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s