A Palavra Inferno e a Bíblia

Introdução

Dois grandes mistérios têm preocupado o homem através dos séculos:

1º) A origem do ser humano.

2º) O que acontece ao homem após a morte.

A explicação para estes dois problemas se encontra na revelada Palavra de Deus e não em cogitações filosóficas dos homens.

O profeta Isaías declara (8:20): “À lei e ao testemunho: se eles não falarem segundo esta palavra é porque não têm iluminação.”(Tradução Trinitariana).

Ensina a Bíblia que os ímpios não ficarão sem castigo Prov. 11:21. Porém, este castigo, que no sentido escatológico bíblico é chamado a ira de Deus é sempre justo e temperado com misericórdia: Salmo 101:1; 118:1-4.

Muitas pessoas têm duvidado da existência de Deus, quando ouvem o ensino errôneo de que a Bíblia ensina que Deus criou um lugar de tortura eterna para castigo dos maus.

Queremos com esta pesquisa esclarecer nossos estudantes para estes dois aspectos:

1º) Quais as palavras hebraicas e gregas que foram impropriamente traduzidas por inferno.

2º) Que significavam no original e as dificuldades em bem traduzi-las.

Comentários Gerais

A doutrina de um inferno para tormento eterno é de origem pagã, foi aceita pela igreja dominante, nos séculos escuros da Idade Média, para intimidar os pagãos a aceitar as crenças católicas.

O que levou o jovem Lutero para dentro do convento, a fim de tornar-se sacerdote foi o medo do inferno. Pensava ele que aderindo às crenças e práticas da Igreja Católica Romana, encontraria o único meio de escapar à morte eterna.

Na mitologia greco-romana o inferno era o reino de Plutão.

A idéia de um lugar debaixo da Terra para tormento dos maus nasceu da mitologia romana (basta ler a Eneida de Virgílio para nos cientificarmos desta realidade), daí a origem da palavra inferno – do latim inferi, inferior, que vai para baixo.

Esta palavra normalmente foi usada pelos tradutores para expressar o sentido do termo hebraico “Sheol” e dos gregos “Hades”, “Geena” e “Tártaro”.

Sheol

Este vocábulo aparece 62 vezes no Velho Testamento.

Sheol era o lugar para onde iam os mortos, por isso é sinônimo de sepultura, ou lugar de silêncio dos mortos.

Sheol nunca teve em hebraico a idéia de lugar de suplício para os mortos.

Sendo difícil traduzi-los porque nenhuma palavra em português dá exata idéia do significado original, o melhor é mantê-la transliterada como fazem muitas traduções. A tradução brasileira não a traduz nenhuma vez.

Experimente traduzir Sheol por inferno nestas duas passagens: Gên. 42:38 e Jonas 2:1-2.

Hades

É usada apenas 10 vezes no Novo Testamento, Mat. 11:23; 16:18; Luc. 16:23; Atos 2:27, 31; Apoc. 1:18; 6:8; 20:13, 14 (I Cor. 15:55).

Sobre o emprego desta palavra em 1 Cor. 15:56, Edilson Valiente numa Monografia sobre a palavra Hades, pág, 27 (1978), declarou:

“A passagem de Paulo de 1 Cor. 15:56 apresenta um problema de crítica textual. Na leitura feita na Septuaginta, encontramos também neste verso a palavra hades, no vocativo. As traduções mais antigas da Bíblia, antes das descobertas do século XIX para cá, traziam a palavra ‘inferno’ como sendo a tradução de hades.

“Com estudos feitos na área da crítica textual, valendo-se das importantíssimas descobertas de Tishendorf, verificou-se que a palavra usada não era hades, mas a palavra yanate (morte). Este estudo foi baseado nos mais fidedignos MSS descobertos até hoje.

“Com tudo isto ficou claro que Paulo não usou nem uma vez o termo hades em seus escritos, provavelmente para não confundir com os conceitos deturpados do hades que existiam em sua época. Outra razão é dada por Edwards, dizendo que Paulo, escrevendo em grego, procurava fugir do mau agouro que acompanhava a palavra e causava terror ao povo; cita Platão para reafirmar sua idéia: ‘O povo em geral usa a palavra Pluto como eufemismo de hades, com seus temores de levá-los para as partes errôneas do invisível’. É certo, também que Paulo não usou nenhuma vez a expressão Pluto, mas subentendendo o conceitualismo bíblico, em Rom. 10:7 usa o termo abismo.”

Além de todas estas razões, Nichol, em seu Answers to Objections diz:

“Nós concluímos que também em I Cor. 15:55, onde a palavra sepultura é uma tradução de hades, e descreve que sobre o tal os justos serão finalmente vitoriosos na ressurreição. Incidentemente, 1 Cor. 15:55 é uma citação do Velho Testamento (Oséias 13:14), onde encontramos a palavra sheol aplicada.” F. Nichol. Answers to Objections, pág. 366.

Nas melhores traduções da Bíblia, inclusive na Versão de Almeida Revista e Atualizada, o termo inferno já foi substituído por morte.

A palavra “Hades” no Novo Testamento corresponde exatamente à palavra “Sheol” do Velho Testamento. No Salmo 16:10 Davi disse: “Pois não deixarás a minha alma no sheol.” Pedro usando esta passagem profética do Velho Testamento afirmou em Atos 2:27: “Porque não deixarás a minha alma no hades.”

Outra prova da sua exata correspondência se encontra na tradução da Septuaginta, pois das 62 vezes que sheol é usada no Velho Testamento, 61 vezes ela foi traduzida por hades.

Origem da Palavra Hades

Provém do prefixo a – alfa grego com a idéia de negação, privação e do verbo idein = ver, significando então: o que não é visto, lugar de onde não se vê, por isso é sinônimo de sepultura, habitação dos mortos. Os dicionários e comentários confirmam este significado.

1º) Arndt and Gingrich: “Hades (originalmente nome próprio, nome do deus do subterrâneo) o subterrâneo, como lugar da morte.”

2º) Liddell and Scott : “Hades – o não mundo, lugar de descanso dos mortos.”

3º) Vincent: “É o lugar em que todos os que partem desta vida descem, sem referência a seu caráter moral.”

4º) Moulton and Milligan, The Vocabulary of the Greek Testament: “Hades é o submundo, a sepultura.”

Os gregos dividiam o Hades em duas partes, (posteriormente falavam até em quatro) o Elysium – a habitação dos vitoriosos e o Tártarus – a habitação dos ímpios.

O Pseudo-epígrafe de Enoque divide o Hades em quatro partes distintas:

1ª) Ocupada pelos santos mártires.

2ª) Lugar onde se encontravam os justos em geral.

3ª) Ímpios que não foram suficientemente punidos na vida.

4ª) Dos pecadores que sofreram uma morte violenta.

Esta idéia de divisões e subdivisões do hades é totalmente pagã sem nenhum apoio bíblico.

Hades traz-nos também a idéia não apenas de um local, mas como um estado intermediário entre a morte e a ressurreição.

Sheol e Hades significam a condição dos mortos.

Geena

Palavra hebraica transliterada para o grego geena, que se encontra nas seguintes 12 passagens: Mat. 5:22, 29, 30; 10:28; 18:9; 23:15, 33; Mar. 9:43, 45, 47; Luc. 12:5; Tiago 3:6.

Geena vem do vocábulo hebraico Ge Hinom ou Ge ben Hinom – Vale de Hinom ou Vale do filho de Hinom. Neste vale havia uma elevação denominada Tofete, onde ímpios queimavam seus próprios filhos.

Este vale se situava a sudeste de Jerusalém; neste local, antes da conquista de Canaã pelos filhos de Israel, cananitas ofereciam sacrifícios humanos ao deus Moloque. Posteriormente, judeus apostatados continuaram com esta prática nefanda e abominável, como nos relata II Crônicas 28:3. “Também queimou incenso no vale de Hinom, e queimou a seus próprios filhos no fogo, segundo as abominações dos gentios que o Senhor lançara fora de diante dos filhos de Israel.”

Esta é uma referência ao ímpio rei Acaz, como também nos mostra II Reis 16:3.

“Porque andou no caminho dos reis de Israel, e até queimou a seu filho como sacrifício. . .”

Que esta prática existia fora dos arraiais dos israelitas é evidente da leitura de alguns textos bíblicos como Lev. 18:21 e Deut. 18:10, onde Deus adverte os seus filhos a não dedicarem seus descendentes a Moloque.

Manassés, neto do rei Acaz, restaurou esta prática execrável – II Crôn. 33:1; Jer. 32:35.

Alguns anos mais tarde, o bom rei Josias exterminou os sacrifícios humanos, derribando totalmente as elevações do vale de Hinom ou o Tofete, como está relatado em II Reis 23:10.

Em conseqüências destas transgressões Deus advertiu o seu povo de que o Vale de Hinom se tornaria um dia “o vale da matança” por causa dos cadáveres deste povo: Jer. 7:32, 33; 19:6, confira Isa. 30:33.

Terminados os sacrifícios humanos, este local ficou reservado para depósito do lixo proveniente da cidade de Jerusalém. Juntamente com o lixo vinham cadáveres de mendigos encontrados mortos na rua ou de criminosos e ladrões mortos quando cometiam o delito. Estes corpos, às vezes, eram atirados onde não havia fogo, aparecendo os vermes que lhes devoravam as entranhas num espetáculo dantesco e aterrador. É a este quadro que Isaías se refere no capítulo 66, verso 24.

Por estas circunstâncias, este vale se tornou desprezível e amaldiçoado pelos judeus e símbolo do terror, da abominação e do asco e mencionado por Jesus com estas características. Ser atirado à Geena após a morte, era sinônimo de desprezo ao morto, abandonado pelos familiares, não merecendo ao menos uma cova rasa, estando condenado à destruição eterna do fogo.

O vale de Hinom era um crematório das sujidades da cidade de Jerusalém. O fogo ardia constantemente neste sitio e com o objetivo de avivar as chamas e tornar mais eficaz a sua força lançavam ali enxofre. Devido a estas circunstâncias, Jesus com muita propriedade usou este vale para ilustrar o que seria no fim do mundo a destruição dos ímpios, sendo queimados na geena universal.

Os rabis mais primitivos baseiam a idéia de ser a Geena um tipo do fogo do último dia da passagem bíblica de Isaías 31:9.

Tártaro

A palavra grega “tártaro” ocorre somente uma vez no Novo Testamento. Encontra-se em II Pedro 2:4 e diz o seguinte:

“Ora, se Deus não poupou a anjos quando pecaram, antes precipitando-os no inferno (tártaro no original) os entregou a abismos de trevas, reservando-os para juízo.”

A palavra tártaro, usada por Pedro se assemelha muito à palavra “Tartarus”, usada na mitologia grega, com nome de um escuro abismo ou prisão; porém, a palavra tártaro, parece referir-se melhor a um ato do que a um lugar. A queda dos anjos que pecaram foi do posto de honra e dignidade à desonra e condenação; portanto a idéia parece ser: Deus não poupou aos anjos que pecaram, mas os rebaixou e os entregou a cadeias de trevas. Não existe nenhuma idéia de fogo ou tormento nesta palavra, ela simplesmente declara que estes anjos estão reservados para um julgamento futuro.

Conclusão

Os problemas relacionados com a palavra inferno se desfazem como bolhas de sabão, quando conhecemos bem o significado etimológico dos termos sheol, hades, geena e tártaro, que jamais poderiam ser traduzidos pela nossa palavra inferno por ter uma conotação totalmente diferente do que é expresso por aqueles vocábulos.

A palavra inferno foi usada pelos tradutores por influências pagãs e por preconceitos enraizados na mente de muitos, mas totalmente estranhos ao texto sagrado.

De acordo com a Bíblia todos os que morrem, quer sejam bons, quer sejam maus descem á sepultura, ao lugar do esquecimento e ali esperam até o dia da ressurreição quando então receberão a recompensa. Apoc. 22:14.

Muitas das traduções modernas da Bíblia, mais fiéis aos originais hebraico e grego, preferem manter estas palavras transliteradas, por expressarem melhor o que elas significam.

As palavras sheol em hebraico e hades em grego eram usadas para sepultura, não trazendo nenhum sentido de sofrimento e castigo eterno.

Geena apenas figurativamente foi usada por Jesus como um símbolo das chamas destruidoras dos últimos dias por causa do envolvimento da palavra nos acontecimentos anteriormente descritos.

Extraído do livro “Explicação de Textos Difíceis da Bíblia” de Pedro Apolinário.

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Explicação de Textos Difíceis, Inferno e marcado , , . Guardar link permanente.

4 respostas para A Palavra Inferno e a Bíblia

  1. Leandro Dantas disse:

    Parabens pelo site….. É o melhor…. já coloquei para minha internet abrir com ele…..

    Eu estou um pouco com duvidas…..

    Pois em Marcos 9:46; se o teu olho te escandalizar, lança-o fora; melhor é para ti entrares no Reino de Deus com um só olho do que, tendo dois olhos, ser lançado no fogo do inferno, 48onde o seu bicho não morre, e o fogo nunca se apaga.

    Apocalipse 20:10; E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.

    Apocalipse 14:11;
    E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso, nem de dia nem de noite.

    E a historia de lazaro, sobre o homem rico que foi para o inferno, e lazaro com abraão.

    Tenho muita duvida mais sei que estou no canto certo.

    Fica na paz de Deu

  2. Leandro Dantas disse:

    é agora estou com a minha duvida resolvida……

    O inferno não existe….. eu vi nesse site…..

    Abraços

    http://www.gbi.com.br/iasd-gbi/Perguntas/Inferno_eterno.htm

  3. Laila disse:

    Olá,estive a fazer pesquisas e descobri um obelisco no jazido de Ellen G. White!!!!Fiquei chocada ao ver isso!!!Um símbolo marsonico!!!!Gostaria de saber a opinião de vcs!!!!!

  4. Lara disse:

    Este site é muito bom, eu já sabia que o inferno não existia, mais fiquei sabendo um pouco mais.
    OBRIGADA!!!

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s