Ele Está Vivo?

Por Seth Pierce

Pessoas mortas, supostamente permanecem mortas, este é um fato da vida. Assim, quando a Bíblia registra a história de um homem sábio chamado Jesus viajando através da Palestina há 2.000 anos, tudo parece muito bem até você chegar ao fim dela. Não só Jesus está morto, mas então a Escritura afirma que Ele ressuscitou dos mortos, não como um monstro morto-vivo, mas como o Salvador glorificado da humanidade.

Mortos de volta à vida? Sim, correto!

Mesmo quando Jesus apareceu pessoalmente para seus próprios seguidores, alguns duvidaram. “Quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram” (Mateus 28:17). E ainda hoje, somos confrontados com o fato de que milhões e milhões têm se dedicado à veracidade desse relato. À primeira vista parece que essas pessoas pegaram um mito e o transformaram em um relato histórico sobre o Messias.

Proponho, contudo, que, se a ressurreição é difícil de engolir como fato histórico, toda a conta é ainda mais difícil de engolir como um mito.

A cultura do Novo Testamento

Em seu livro, Senhor ou Lenda: Lutando com o dilema Jesus, Gregory Boyd, disse que os mitos são “geralmente criados para expressar certas convicções sociais e satisfazer determinadas necessidades sociais.” Em outras palavras, um mito, mesmo que isso não seja verdade, tem de dizer algo significativo sobre a visão da realidade que é mantida pela cultura que o produziu. Assim sendo, só um completo ignorante iria tentar vender uma história como a morte e ressurreição de Jesus para a cultura do primeiro século na Palestina. Isso era completamente contra a corrente social dessa cultura.

Por um lado, as pessoas naquela época estavam procurando um Messias que iria ajudá-los a vencer os romanos, não um que seria morto por eles. O cenário daquele tempo era cheio de aspirantes a messias.

O primeiro historiador do século Josephus fala de um profeta chamado “O Egípcio”, que se preparou para forçar uma entrada em Jerusalém, sendo derrotado e tendo-se posto em fuga precisamente no Monte das Oliveiras. O governador romano enviou um destacamento de soldados atrás deles matando quatro mil rebeldes. Messias Militares foram bastante comuns na Judéia do primeiro século quando os judeus procuravam uma oportunidade para derrubar Roma.

Então Jesus entrou em cena. Ele não tinha nenhum interesse em milícias e na conquista violenta. Na verdade, ele condenou a violência iniciada por um de seus discípulos (cf. Mc 14:47). Isso não faz sentido à luz dos numerosos messias revolucionários na parte do mundo onde Jesus fora levantado.

E há outros problemas se a história de Jesus for um mito.

O templo judaico foi um símbolo de identidade nacional para os judeus. Eles o viam como o alicerce do seu relacionamento com Deus. Assim, quando Jesus disse: “Destruí este templo, e em três dias o reconstruirei.” os líderes religiosos ficaram incrédulos. ‘Em quarenta e seis anos foi edificado este santuário, e tu, em três dias, o levantarás?’ (João 2:19-20). Mas se isso serviu para construir a tensão entre Jesus e sua cultura, sua pretensão de perdoar pecados (cf. Mc 2:5-7), referindo-se a si mesmo com títulos que somente Deus poderia usar (ver João 8:58) levou os líderes religiosos a planejarem Sua morte.

Jesus se adaptou as normas culturais do seu tempo, bem como a idéia de que um grupo de esquimós pode surfar no oceano.

Mas maior estranheza é a história da Ressurreição, se ela for um mito.

A história da Ressurreição

Segundo a Bíblia, os primeiros a testemunharem a ressurreição foram as mulheres (veja Mateus 28:1, 5-7). Em seu livro Em Defesa de Cristo, Lee Strobel recorda que naquela época as mulheres eram consideradas tão confiáveis que elas nem sequer eram autorizados a testemunharem em um tribunal de direito. Assim, para um escritor torná-las testemunhas-chave para um evento alucinante foi bizarro na melhor das hipóteses, especialmente quando os escritores do Evangelho declaravam que seu objetivo era ajudar os outros a ter a “certeza das coisas que foram ensinadas” (Lucas 1:4 ).

O Autor Tim Keller aponta em seu livro A Razão de Deus, que “não foram apenas as mulheres uma escolha estranha para testemunhar a ressurreição de Cristo, mas porque alguns judeus acreditavam na ressurreição geral no fim dos tempos” (ver João 11:23, 24) , “a idéia de um indivíduo ser ressuscitado no meio da história, enquanto o resto do mundo continuou a queimar por motivo de doença, decadência e morte, era inconcebível.” A alegação era um absurdo.

No entanto, tentativas de estudiosos de fornecer explicações para o túmulo vazio podem ser ainda mais absurdas.

Um estudo mostra que, em todo o espectro teológico, 75 por cento dos estudiosos concordam que o antigo túmulo de Jesus foi encontrado vazio. Eles só não concordam sobre como o fato ocorreu. Alguns dizem que os discípulos de Jesus estavam alucinados. No entanto, parece muito improvável que todos teriam a mesma alucinação, ao mesmo tempo. Como Norman Geisler aponta em seu livro, eu não tenho fé suficiente para ser ateu: “Se um amigo diz a você um dia, ‘Wow! Isso foi um grande sonho que tívemos na noite passada? “. . . você acharia que seu amigo tinha enlouquecido.”

Outra teoria afirma que os discípulos encontraram o túmulo errado, e ainda um outro diz que eles roubaram o corpo. O problema é que, no caso de um túmulo errado os judeus poderiam simplesmente ter encontrado a tumba real e desfilado o corpo real pelas ruas. No caso de furto, parece muito improvável que um grupo de discípulos maltrapilhos poderiam ter dominado a guarnição romana que guardava o túmulo para roubar o corpo (Mateus 27:65). Como Keller ressalta, “ninguém em Jerusalém teria acreditado na pregação de um minuto se o túmulo não estivesse vazio.” E as pessoas tem acreditado em todo o tempo até o presente.

As testemunhas

Imagine fazer uma viagem até Nova Orleans anunciando que o Minnesota Vikings venceu o Super Bowl em 2010. Se você sobreviveu ao espancamento, você rapidamente percebe que seria melhor guardar esse tipo de mentira para mais tarde, quando as pessoas que realmente viram o Super Bowl tinham passado, junto com as várias gerações de fãs.

Agora pense o seguinte: um homem chamado Paulo escreveu uma carta a uma igreja em Corinto, apenas 20 anos depois dos eventos registrados nos Evangelhos, e ele confirmou a história da ressurreição de Cristo (1 Coríntios 15:3-19). Era uma carta aberta para ser lida em público. Se essa história tinha sido um mito, Paulo teria um grande desafio em suas mãos, porque as pessoas que estavam vivas na época de Jesus teriam-no acusado de ter inventado tais coisas. Em vez disso, as pessoas acreditaram nele em todos os lugares.

A história do Evangelho se encaixa no padrão de um mito, assim como O Cavaleiro das Trevas se encaixa na categoria de comédia romântica.

Mudado vidas

Talvez a realidade mais preocupante nesta história ímpar da ressurreição de Jesus é a conversão de pessoas como Paulo, um judeu e um perseguidor ferrenho dos cristãos. Mesmo se nós reclassificarmos a história como um mito e uma sátira da cultura de Jesus, ainda assim não conseguimos explicar por que alguém iria abraçá-lo como realidade histórica e, em seguida, sofrer perseguição, sofrimento, o exílio de sua comunidade, mortes horríveis, como servir de alimento aos leões no Coliseu Romano ou ser queimado vivo nas fogueiras.

Em seu livro Fenômeno do Novo Testamento, C.F.D Moule diz que o aparecimento das lágrimas da igreja num buraco do tamanho “e forma da ressurreição” no tecido da história, deixa pouco espaço para o historiador secular “pará-las.” Tudo isto parece indicar que se a história da ressurreição é um mito, então tem que ser o pior o já escrito. Ele não oferece nenhuma razão para se acreditar na cultura produzida a menos que isso realmente tenha acontecido. A verdade é mais estranha que a ficção e a única razão para relatar esta história estranha, e crer nela até a morte, é porque é baseada na realidade.

Em sua carta aos cristãos de Corinto, Paulo disse: “e, se Cristo não ressuscitou, é inútil a nossa pregação, como também é inútil a fé que vocês têm.” (1 Coríntios 15:14). Para Paulo, a ressurreição é o fato que dá validade à história de Jesus. É o fundamento das fontes da fé cristã. Mesmo que sejam retirados 2.000 anos, desde os dias de Paulo, a história da ressurreição de Cristo tem, no entanto, sobrevivido até o presente.

No entanto, a Ressurreição não encontra sua importância primária em sua dispersão e sobrevivência. Sua importância está em seu poder para mudar as vidas de pessoas como Paulo e eu e você. O fim da história do Evangelho não é ficção, é realidade, uma fantástica realidade. Uma realidade que pode levar a sua história, onde quer que seja, e dar-lhe um fim sobrenatural, que vai durar toda a eternidade.

Artigo escrito por Seth Pierce, extraído da Revista Signs of The Times (abr/2010). Tradução feita pelo Blog http://www.setimodia.wordpress.com.

About these ads

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Morte - Ressurreição e Temas Relacionados, Semana Santa e Temas Relacionados e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s