As Três Testemunhas de 1 João 5:7-8. (Comma Joanina)

I. Definição

Os comentaristas católicos, apreciadores da terminologia latina, denominaram de Comma Johanneum o inciso ou interpolação, que aparece em 1 João 5:7-8, mas que a Crítica Textual, através de notáveis comentaristas e insignes exegetas têm provado que não são de autoria da apóstolo João.

Estas palavras acrescidas ao texto sagrado são também denominadas de – “as três testemunhas celestiais.”

II. O Texto

I João 5:7 e 8 aparece assim no original:

Hoti treis eisin hoi martirountes,

to pneuma kái to hidor kaito haima, kai hoi treis eis heneisin.”

Sua tradução literal seria:

“Porque três são os que testificam: o espírito, a água e o sangue e os três para um são.”

Algumas traduções da Bíblia trazem um acréscimo a este texto, que tem sido denominado – “as três testemunhas celestiais”, por aparecer da seguinte maneira: “no céu: o Pai, a Palavra e Espírito Santo; e estes três são um. E três são os que testificam na terra.”

Por isso a Almeida antiga rezava assim: “Porque três são os que testificam (no céu o Pai, a Palavra e o Espírito Santo; e estes três são um. E três são os que testificam na terra) – o espírito, e a água e o sangue; e estes três concordam num”.

Traduções modernas fiéis ao original não consignam as palavras, que aparecem entre parênteses na citação acima.

“Pois há três que dão testemunho: o Espírito, a água e o sangue, e os três são unânimes num só propósito.” – Almeida Edição Revista e Atualizada no Brasil.

“Há três testemunhas: o Espírito, a água e o sangue. E os três estão de pleno acordo.” – A Bíblia na Linguagem de Hoje.

A Bíblia de Jerusalém assim traduz:

“Porque três são os que testemunham: o Espírito, a água e o sangue e os três tendem ao mesmo fim.” com as seguintes notas explicativas:

O texto dos vv. 7-8 está acrescido na Vulgata de um inciso ausente nos antigos manuscritos gregos, nas antigas versões e nos melhores manuscritos da Vulgata, e que parece ser uma glosa marginal introduzida posteriormente no texto.

Os três testemunhos convergem. O sangue e a água se unem ao Espírito (I João 2:20, 27; João 3:5; 4:1) para testemunhar (conf. João 3: 11) em favor da missão do Filho que dá a vida (I João 5:11; João 3:15).

 III. O Problema

Embora a passagem tenha suscitado polêmicas e sugerido longas discussões, aqui se encontra o essencial para nossa orientação.

O SDABC (Comentário Bíblico Adventista), Vol. 7, pág. 675 tem o seguinte comentário sobre este problema:

“A evidência textual atesta a omissão da passagem ‘no céu, o Pai, o Verbo, e o Espírito Santo: e estes três são um. E três são os que dão testemunhos na terra. . .’ A passagem tal como aparece na KJV não se encontra em nenhum manuscrito grego anterior aos séculos XV e XVI, As palavras controvertidas acharam seu caminho para a KJV através do texto grego de Erasmo. Diz-se que Erasmo se ofereceu para incluir as palavras duvidosas em seu Testamento Grego se lhe mostrassem um manuscrito que as contivesse. Uma biblioteca em Dublin produziu tal manuscrito (conhecido como 34) e Erasmo incluiu a passagem em seu texto. Crê-se agora que as edições posteriores da Vulgata adquiriram a passagem por erro de um copista, que inseriu um comentário exegético marginal, no texto bíblico que estava copiando. As palavras em questão têm sido amplamente usadas em defesa da doutrina da Trindade, mas em virtude de tal evidência esmagadora contra sua autenticidade, elas não devem ser usadas com este objetivo.”

Bruce Metzger em seu livro – The Text of the New Testament, págs. 101 e102 nos esclarece mais:

“Erasmo ao publicar o Novo Testamento Grego, em 1516, foi criticado pelos defensores do Cardeal Ximenes, por não haver colocado estas palavras no seu trabalho. Erasmo replicou que não tinha achado qualquer manuscrito grego contendo estas palavras, E descuidadamente prometeu que inseriria a Comma Joanina, como era chamada, em futuras edições se um único manuscrito grego pudesse ser achado que a contivesse. Esta cópia lhe foi apresentada. Segundo os estudiosos, parece que este manuscrito grego foi escrito, em 1520, por um frade franciscano chamado Froy, que tirou estas palavras da Vulgata Latina. Erasmo cumpriu a promessa e colocou estas palavras em sua terceira edição (1522), mas em longa nota ao pé da página explicou sua suspeita de que o manuscrito tinha sido preparado para o confundir”.

Como Sabemos Que Estas Palavras Não Foram Escritas por João?

Além dos pensamentos já apresentados pode-se acrescentar:

1º) A passagem não se encontra em nenhum manuscrito grego dos primeiros séculos.

Apenas aparece em 4 manuscritos gregos posteriores e da seguinte maneira:

a) O manuscrito 61, que hoje se encontra na biblioteca de Dublin, o mesmo apresentado a Erasmo e que tem causado tantos dissabores aos estudiosos do Texto Bíblico.

b)  Um manuscrito do século XII, Nº 88, está em Nápoles, com a passagem escrita na margem.

c)  O de número 629, dos séculos XV ou XVI, pertencente à biblioteca do Vaticano.

d)  Um manuscrito do século XI de número 635, cuja passagem se encontra registrada na margem.

A passagem também não aparece em Manuscritos da Vulgata Latina antes do ano 800 A.D.

2º) Ela não foi traduzida para as versões ambas da Bíblia, como nos atestam a siríaca, a armênia, capta, árabe, etíope e outras.

3º) Não foi citada pelos Pais da Igreja.

Esta é uma prova concludente de que não se achava nas Escrituras. Se eles a conhecessem, sem dúvida, a teriam usado profusamente para condenar o arianismo vicejante naqueles idos.

4º) Pelo princípio da Crítica textual, denominado – Probabilidade Intrínseca – conclui-se que foi uma introdução indevida, por quebrar o fluxo do pensamento do apóstolo João.

5º) Consultando o Índex dos escritos de Ellen G, White não encontramos nenhum lugar em que tenha citado esta passagem.

Conclusão

Embora esta declaração sobre as “três testemunhas celestiais” esteja em plena harmonia com a teologia bíblica sobre a Trindade, ela não deve ser usada para prová-la, pelas razões que acabam de ser expostas.

Os comentaristas são unânimes em afirmar que João não escreveu a passagem em apreço, mas que teve sua origem na anotação ou nota marginal que um copista fizera no texto que estava copiando. Um outro copista achando-as inspiradoras e oportunas ele as introduziu num manuscrito posterior.

Nada melhor para condenar e concluir este estudo do que as sintéticos palavras de Vincent ao comentar I João 5:7-8:

“Estas palavras são rejeitadas pelo veredito geral de autoridade da Crítica Textual”.

Nota

O periódico “O Pregador Adventista”, Janeiro-Fevereiro de 1949, pág. 22, trouxe a seguinte informação sobre A Comma Joanina:

“Cipriano – Bispo de Cartago (que morreu em 258) escreveu as palavras na margem do versículo, como simples anotação sua. Mais tarde foram acrescentadas aos manuscritos posteriores da Vulgata de S. Jerônimo”.

Texto de autoria de Pedro Apolinário, extraído da apostila Explicação de Textos Difíceis da Bíblia.

About these ads

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Explicação de Textos Difíceis e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para As Três Testemunhas de 1 João 5:7-8. (Comma Joanina)

  1. Vicente Querino disse:

    Se este texto comprovadamente não foi escrito por João, porque não retirá-lo definitivamente das
    edições revisadas e atualizadas das Bíblias que o possuem? Afinal a palavra de Deus é a verdade, e a Bíblia é a palavra de Deus. Se este texto não foi João quem o escreveu e ele está no livro de João, certamente ele não é verdade e deve ser retirado imediatamente.
    Que restabeleçam a verdade.

  2. Nuno Neves disse:

    Caros irmãos, esta história está muito mal contada. Há qualquer coisa que não bate certo. Os jesuítas infiltraram-se há muito tempo no protestantismo e disseminaram doutrinas satânicas, os responsáveis por estas alterações e cortes na Bíblia foram pessoas que pertenciam a sociedades secretas, que fundaram sociedades psíquicas que estudavam fenómenos paranormais, que acreditavam em Darwin e que nem sequer criam em várias doutrinas fundamentais bíblicas, já para não mencionar o fato de que as deitavam abaixo (como por exemplo a expiação) e eram claros opositores da própria Bíblia. Foram eles que tiveram a ideia das notas à margem para aos poucos e poucos irem cortando da Bíblia importantes textos. Para quem entender o inglês aconselho todos a verem e ouvirem com muita atenção as palestras do Dr. Walter Veith sobre estes assuntos, “A Batalha das Bíblias” e a “Mudando a Palavra”, as quais se encontram disponíveis no You Tube. Contém informações das quais muitos nem suspeitam.

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s