Zaqueu: Um homem com muitas conexões

Muitos têm explorado a história de Zaqueu (Lc 19:1-10) a partir da perspectiva de sua relação com outras passagens em Lucas. Alguns a relacionam com as histórias sobre o rico (Lc 18:18-24), a cura do cego (Lc 18:35-43), a filha de Abraão (Lc 13:16), e do paralítico (Lc 5:18-26). Outros a relacionam não só com o rico e a cura do cego, mas também com a parábola do publicano e do fariseu (Lc 18:9-14). Enquanto isso, alguns estudiosos sugerem que a história de Zaqueu diz respeito à história da viúva persistente (Lc 18:1-5) e das crianças vindo a Jesus (18:15-17). Eles sugerem que Zaqueu tinha um baixo status social, como tinha a pobre viúva, o coletor de impostos, as criancinhas, e o cego, e que a Zaqueu foi oferecida a salvação assim como a eles.

Este artigo explora os componentes e a importância dessas conexões e o fato de que Jesus encontrou Zaqueu após os eventos descritos acima e antes de sua entrada em Jerusalém.

A Viagem de Jesus à Jerusalém

A viagem de Jesus à Jerusalém começa no Monte da Transfiguração, quando Elias, Moisés, e o próprio Jesus falavam “sobre a partida de Jesus, que estava para se cumprir em Jerusalém” (Lucas 9:31). 6 Eles podem ter falado sobre a morte de Jesus em Jerusalém, e até sobre sua ascensão e redenção.

Depois da Transfiguração, Jesus desceu da montanha (Lc 9:37) e, continuando sua viagem para Jerusalém (Lc 9:51, 52; 13:22, 33; 17:11), finalmente disse a Seus discípulos: “Estamos subindo para Jerusalém “(Lc 18:31). Jesus encontrou Zaqueu (Lc 19:1-10) antes de ele chegar lá (19:28-44). Zaqueu, por conseguinte, foi o último indivíduo chamado que Jesus conheceu antes de entrar em Jerusalém.

Características de Zaqueu

Lucas 19, versículos 2 e 3, apresenta, sem rodeios, os fatos sobre Zaqueu: (1) ele é um chefe dos publicanos, (2) ele é rico, (3) ele não era capaz de ver Jesus, e (4) ele era baixinho. Zaqueu, como chefe cobrador de impostos, se conecta com a parábola do fariseu e do publicano (Lc 18:9-14). Em sua oração, o fariseu não só descreve o que ele não é, mas o que ele é. Com sete auto-descrições, o fariseu parece estar dizendo “eu sou perfeito”; em contrapartida, o cobrador de impostos, diz humildemente: “Deus, sê propício a mim, pecador” (v. 13). É como se o coletor de impostos estivesse dizendo, “Eu sou o pecador descrito pelo fariseu”.

A palavra telōnēs , “coletor de impostos”, ocorre 24 vezes no Novo Testamento (NT) e só é encontrada nos Evangelhos. Lucas usa mais 11. Os fariseus e os judeus classificavam os cobradores de impostos como pecadores (Lc 5:30, 7:34, 15:1).

Em Lucas, o termo “cobrador de impostos” ocorre primeiro no capítulo 3, versículo 12, onde apenas uma má prática (de muitos) dos coletores de impostos é mencionada: o recolher mais do que aquilo que era necessário. O termo aparece, pela última vez, no capítulo 18, versículo 13, onde o coletor de impostos se identifica como “o pecador” descrito pelo fariseu (versos 11, 12). No capítulo 19, versículo 1, a palavra telōnēs realmente aparece mais uma vez, mas apenas como parte da palavra architelōnēs, “chefe dos publicanos”, a única ocorrência no NT.

Zaqueu também era rico. O adjetivo plousios, “rico”, aparece 16 vezes nos quatro Evangelhos, na maioria das vezes em Lucas (6:24; 12:16, 14:12, 16:01, 19, 21-23; 18:25; 19:02 ; 21:1). Há relatos ou provérbios em Lucas, onde a palavra plousios aparece mas não é encontrada em Mateus e Marcos: o ai para os ricos (Lc 6:24), a parábola do rico insensato (Lc 12:16-21), Jesus falando sobre quem deve e não deve ser convidado para um jantar (Lc 14:12-14), a parábola de um homem rico e seu tesoureiro desonesto (Lc 16:1-9), a parábola do homem rico e Lázaro (Lc 19:31 ), e a história de Zaqueu (Lc 19:1-10). Em Lucas, os ricos são descritos como tendo recebido a sua recompensa, desqualificados para o reino dos céus (Lc 6:20, 24;. Cf Lc 16:25), egoístas e insensatos (12:16-21). Jesus diz: “Porque é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino de Deus” (Lc 18:25).

Zaqueu era tão rico quanto o jovem rico (Lc 19:02;. Cf Lc 18:23), e ambos estão de alguma forma relacionadas com a distribuição aos pobres (Lc 18:22; cf. Lc 19:8). O uso do verbo sōzō, “salvar” (Lc 18:26), e sōtēria, “salvação” (Lc 19:9), sugere que ambas as histórias estão relacionadas com a salvação. Além dessas semelhanças, há também contrastes entre Zaqueu e o jovem rico. O rico, para responder às palavras de Jesus, ficou muito triste (Lc 18:22); Zaqueu, em resposta ao convite de Jesus, O recebeu com alegria (Lc 19:6). A palavra grega archōn “administrador, oficial, chefe” (Lc 18:18), não ocorre na história de Zaqueu. No entanto, essa palavra implicitamente coexiste com a palavra telōnēs, “cobrador de impostos”, e ambas formam a palavra composta architelōnēs, “chefe dos publicanos” Esta palavra composta reforça não só a conexão de Zaqueu às características de rico administrador, mas também àquelas de coletor de impostos no capítulo 18, versículos 10 a 13. Independentemente da obediência do rico aos mandamentos de Deus (versos 20, 21), Jesus diz que uma coisa está faltando: “vende tudo o que tens, e reparte com os pobres” (v. 22). A instrução de Jesus contém dois imperativos: “vender” e “distribuir”. Vender tudo o que tinha, não seria um problema para ele, mas distribuir aos pobres seria, no entanto, um caso diferente. Sobre este rico, Jesus disse: “Como é difícil para quem é rico entrar no reino de Deus!” (V. 24). Se era difícil para o rico, podia ser também difícil para Zaqueu.

Zaqueu queria ver Jesus, mas não era possível “por causa da multidão, pois era de baixa estatura” (Lc 19:03). Essa situação é semelhante à dos meninos que foram trazidos para Jesus (Lc 18:15-17 ) e a do cego chorando pela cura (Lc 18:35-43). Os discípulos repreendiam os que trouxeram os seus pequeninos para Jesus. Lucas usa epetimōn “repreendiam” nesta passagem, e ele também usa epetimōn para descrever a multidão que repreendeu o cego clamando pela misericórdia de Jesus (Lc 18:39). Havia também um obstáculo para Zaqueu ver Jesus: “por causa da multidão” (Lc 19:3). Baseado no contexto, podia ser a mesma multidão que repreendeu o homem cego. O desejo de Zaqueu de ver Jesus – “ele estava procurando ver Jesus”, ecoa ao do mendigo cego.

Todas as dificuldades (ou obstáculos) – chefe de cobradores de impostos, chefe de pecadores, e estatura - que impedia que estes indivíduos tivessem acesso a Jesus são encontradas em uma pessoa, Zaqueu.

Existia esperança para Zaqueu?

Zaqueu no contexto da viagem de Jesus a Jerusalém

Em sua viagem para Jerusalém, Jesus encontrou Zaqueu, a última pessoa chamada antes de entrar Jerusalem. Quando Jesus expressou sua intenção de ficar na casa de Zaqueu, a multidão murmurava dizendo: “Este homem foi se hospedar na casa de um pecador!”(Lc 19:7). A denúncia foi dirigida a Jesus, mas a resposta veio de Zaqueu. Isso é incomum. No capítulo 5, versículos 30 e 31, quando os fariseus e doutores da lei protestaram por Jesus comer com publicanos e pecadores, a resposta veio diretamente de Jesus (cf. Mt 9:10, 11;. Marcos 2:15, 16 ). Mas agora era Zaqueu que respondera. No entanto, sua resposta não era para a multidão, mas para Jesus: “Olha, Senhor! Estou dando a metade dos meus bens aos pobres; e se de alguém extorqui alguma coisa, devolverei quatro vezes mais” (Lucas 19:8 NVI).

AJ Kerr sugere que a idéia da restituição quádrupla não vem da lei judaica, mas do direito romano. Se Êxodo 22, versículo 1, é considerado como prática do Antigo Testamento, Zaqueu deve ter se comprometido a restituir cinco vezes, e não apenas quatro vezes, pois o que ele tinha roubado poderia ter sido muito mais do que o valor de um Boi. No entanto, Bruce W. Grindlay comenta: “Se Davi fez uma restituição quádrupla, não poderia um [Zaqueu] que também tinha “enganado”, como Davi, fazer uma restituição quádrupla na presença do Filho de Davi?” Este estudo apoia a observação de Grindlay. Se Zaqueu estava familiarizado com a história da confissão de Davi (2 Sam. 12:16), então ele estaria provavelmente familiarizado com a oração de confissão de Davi no Salmo 51.

A resposta de Jesus a Zaqueu pode ser vista no contexto de suas respostas em passagens anteriores. Jesus diz sobre o coletor de impostos, “Este homem desceu justificado para sua casa ao invés do outro “(Lucas 18:14, grifo do autor). Sobre os meninos, Jesus afirma: “Quem não receber o reino de Deus como uma criança pequena, de modo algum entrará nele” (v. 17, NVI). Em resposta à admiração de seus discípulos sobre a dificuldade de um homem rico ser salvo, Jesus responde: “As coisas que são impossíveis aos homens são possíveis a Deus” (v. 27). Para o mendigo cego, que pede para enxergar novamente, Jesus diz: “Recupere a visão! A sua fé o curou” (Luc 18:42). A resposta de Jesus a Zaqueu confirma também sua salvação: “Hoje a salvação entrou nesta casa, porquanto também este é filho de Abraão” (Lc 19:9).

A história de Zaqueu termina com a famosa frase de Jesus: “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que estava perdido” (Lc 19:10). O uso do verbo apollumi, que ocorre na expressão para apolōlos “que estava perdido” no capítulo 19, versículo 10, aparece seis vezes em Lucas 15: na parábola da ovelha perdida (Lc 15:4-7), na parábola da dracma perdida (versos 8-10) e na parábola do filho pródigo (versos 11-32). A definição da situação que introduz as três parábolas era a mesma que aconteceu quando Jesus foi à casa de Zaqueu. As pessoas queixaram-se: “Este homem recebe pecadores e come com eles” (v. 15:1; cf 19:07). Embora todas as três parábolas terminem com uma festa alegre celebrando o encontro / retorno dos perdidos, não está explicitamente claro quem é representado pelo pastor (15:4), a mulher (v. 7), e o pai (v. 20). Jesus dá a identidade de quem procura o perdido: o Filho do Homem, Jesus (Lc 19:10). Nesse sentido, Zaqueu tinha estado perdido, mas foi encontrado pelo buscador dos perdidos.

As características do publicano Zaqueu, um rico que era baixinho e não podia ver Jesus, refletem as descrições do cobrador de impostos, do ricos administrador, da criancinha e do mendigo cego. Se era difícil para esses quatro personagens serem salvos ou terem acesso a Jesus, então, teria sido muito mais difícil para o próprio Zaqueu, que personificava a todos.

Existe Esperança para os Zaqueus?

Como evangelistas, pastores, missionários podemos encontrar algumas pessoas com múltiplos problemas ou obstáculos como Zaqueu. Não devemos perder a esperança de alcançá-las. Jesus encontrou Zaqueu e se tornou sua salvação. Deus nos guiará em chegar às pessoas como Zaqueu.

Com a Cruz como o nosso foco e fonte de motivação, podemos superar qualquer obstáculo para chegar até as pessoas mais difíceis. Esse espírito do ministério é demonstrado por Jesus. Ele mostra que chegar às pessoas problemáticas não é impossível. O fato de Zaqueu ter sido o último indivíduo chamado que Jesus encontrou antes de entrar em Jerusalém destaca a verdade de que, através da Cruz, a salvação é possível para todos, mesmo para Zaqueu e aqueles dentre nós que são como ele.

Texto de autoria de Richard A. Sabuin, publicado no site da revista Ministry Magazine. Crédito da tradução: Blog Sétimo Dia http://setimodia.wordpress.com/

About these ads

Sobre Blog Sétimo Dia

“SOLO CHRISTO”, “SOLA GRATIA”, “SOLA FIDE”, “SOLA SCRIPTURA” (salvação somente em Cristo, somente devido à graça de Deus, somente pela instrumentalidade da fé, somente com base na Escritura)
Esse post foi publicado em Artigos Traduzidos - Ministry Magazine, Evangelismo, Personagens Bíblicos e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Zaqueu: Um homem com muitas conexões

  1. Pingback: BlogAdventista.com.br » Blog Archive » Zaqueu: Um homem com muitas conexões

Deixe seu comentário. Tudo o que pedimos é que se mantenha uma cultura de respeito. Isto significa não fazer ataques pessoais, não usar palavrões, e por favor manter o diálogo sobre o tema postado.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s